Seleccione Edição
Login

Pelo menos nove mortos e um ferido grave em incêndio intencional em um edifício de Paris

Moradora do imóvel foi presa na investigação do ocorrido, em que trinta pessoas ficaram feridas

incendio paris
Bombeiros trabalham na extinção do incêndio na terça-feira. AP

Pelo menos nove pessoas morreram e outras trinta ficaram feridas, uma delas gravemente, no incêndio ocorrido durante a madrugada em um prédio no abastado distrito 16 de Paris, no sudoeste da capital francesa. As autoridades acreditam em incêndio criminoso e prenderam uma moradora, uma mulher de 40 anos residente no prédio e aparentemente com problemas psiquiátricos, como suposta autora das chamas.

O número de mortos aumentou após os bombeiros descobrirem, de manhã, o cadáver de uma nona pessoa no último andar do edifício, segundo a Agência France Presse. O porta-voz dos bombeiros, Clément Cognon, alertou que o número de vítimas é “provisório”, já que ainda não foi possível entrar em todos os apartamentos para verificar que não há mais vítimas.

Mesmo que o incêndio, que começou após a meia-noite, tenha sido controlado às 6h30 da manhã (3h30 de Brasília), as tarefas para garantir a segurança do imóvel e seus arredores durarão pelo menos outras 24 horas, disse por sua vez o ministro do Interior, Christopher Castaner, que foi até o local do incêndio no começo da manhã com o ministro da Habitação, Julien Denormandie, o promotor, Remy Heitz, e a prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

Há poucas dúvidas sobre a intencionalidade do fogo. O promotor explicou que foi aberta uma investigação por “incêndio voluntário” com resultado de morte e feridos e que a suspeita já está sob prisão provisória. É, segundo Heitz, uma mulher de 40 anos que “possuía antecedentes psiquiátricos”. A suspeita, moradora do edifício incendiado, foi presa na rua imediatamente após o começo do fogo, acrescentou. De acordo com as emissoras France Info e BFM, a mulher apresentava sinais de embriaguez no momento de sua prisão.

A extinção do incêndio, de acordo com testemunhas “de uma violência incrível” e que começou no segundo andar, exigiu a intervenção de 200 bombeiros. A particularidade do edifício, uma construção dos anos 70 de oito andares construída em volta de um pátio, dificultou as tarefas, já que os bombeiros foram obrigados a subir “andar por andar” por escadas manuais, uma vez que as mecânicas não chegavam ao local do incêndio.

O fogo surpreendeu muitos moradores dormindo, o que, somado à velocidade com que as chamas se propagaram, pode explicar o elevado número de vítimas, de acordo com a imprensa local.

Apesar disso, afirmou Castaner, os bombeiros puderam salvar mais de 50 pessoas. Alguns moradores se refugiaram nos telhados para escapar das chamas, o que dificultou ainda mais as tarefas de salvamento, disseram as autoridades.

Uma explosão de gás em uma padaria no centro da cidade provocou um grande incêndio no centro de Paris em 12 de janeiro, em que quatro pessoas morreram, entre elas uma turista espanhola.

MAIS INFORMAÇÕES