Crítica | 'Vidro'
Crítica
Género de opinião que descreve, elogia ou censura, totalmente ou em parte, uma obra cultural ou de entretenimento. Deve sempre ser escrita por um expert na matéria

‘Vidro’: psicopatologia do super-herói e do supervilão

Ao contrário de seus antecessores, o novo filme de M. Night Shyamalan se vê obrigado a aplicar uma rigorosa lógica narrativa e a expor suas surpresas com cálculos óbvios e, talvez, previsíveis

Samuel L. Jackson, James McAvoy e Bruce Willis, em 'Vidro', de M. Night Shyamalan.
Samuel L. Jackson, James McAvoy e Bruce Willis, em 'Vidro', de M. Night Shyamalan.
Mais informações

Raras vezes se percebe a importância dos espaços em uma história de super-herói: a base de operações, o covil do vilão, o espaço público como palco do confronto ... E, no entanto, aprofundar a carga simbólica destes espaços foi uma das questões-chave na revolução vivida pelas historietas do gênero no final dos anos 80. Vejamos, por exemplo, a instituição psiquiátrica: o Asilo Arkham do universo DC, tradicionalmente usado como um destino disciplinar para os supervilões de Gotham City, mas reformulado, em obras como Asilo Arkham: Uma Séria Casa em um Sério Mundo, de Grant Morrison e Dave McKean, ou Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, de Frank Miller, como um território de ambiguidade onde se expõe a linha tênue que separa o supervilão do super-herói , duas figuras igualmente patológicas.

É uma feliz decisão que M. Night Shyamalan tenha escolhido o Hospital Estadual de Allentown, na Pensilvânia, como o principal cenário de Vidro, o filme que, em princípio, encerra uma das trilogias mais heterodoxas que inspiraram a mitologia do super-herói. Aqui, o cineasta enfrentou uma radical mudança de regras: se a verdadeira natureza da narrativa se manifestava como guinada surpreendente tanto em Corpo Fechado (2000) – aproximação hiper-realista e deprimente da figura do super-herói – como em Fragmentado (2016) – aparente psychothriller que se transmudava em reflexão sobre a dor como força que engendra o supervilão –, aqui o ponto de partida já se insere explicitamente dentro do gênero. Talvez por essa razão, Vidro, ao contrário de seus antecessores, se veja obrigado a aplicar uma lógica narrativa rigorosa e expor suas surpresas – que existem – com cálculos óbvios e talvez previsíveis.

Apesar disso, Vidro mantém fortes linhas de parentesco com outras obsessões temáticas de Shyamalan: como em A Vila (2004) e A Dama na Água (2006), aqui falamos da construção de uma narrativa e dos efeitos tóxicos ou libertadora que tal história pode ter no público receptor, que acabará sendo seu público cativo e, também, seu círculo de iniciados. O cineasta, talvez presa da própria mitologia que construiu, toma as decisões narrativas mais consequentes – a do cenário do clímax final é modelar –, mas como sempre, o que mais brilha é outra coisa: o estilo, a fluidez da câmera percorrendo os espaços. Em suma, essa firme e cada vez mais anômala confiança no poder da encenação.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: