Seleccione Edição
Login

Primeiras fissuras entre os republicanos pelo fechamento de Governo mais longo da história dos EUA

Trump recusa proposta de aliado de seu próprio partido para reabrir temporariamente Administração

O presidente Donald Trump fala à imprensa no jardim da Casa Branca
O presidente Donald Trump fala à imprensa no jardim da Casa Branca AP

Mais de três semanas de fechamento parcial de Governo não fizeram Trump mudar de opinião em relação à sua própria posição para conseguir de maneira extraordinária 5,7 bilhões de dólares (21 bilhões de reais) para financiar a construção do muro entre os Estados Unidos e o México. Mesmo que o fechamento possa acabar custando mais do que esse valor à maior potência mundial e mais de 800.000 funcionários públicos continuem sem receber seu salário, o presidente norte-americano segue sem reagir. Mas os dois dados somados abriram as primeiras rachaduras dentro das fileiras republicanas, com o pedido no final de semana do senador Lindsey Graham para reabrir temporariamente a Administração.

Na segunda-feira, 14, Donald Trump recusou totalmente essa possibilidade. Em declaração às portas de uma Casa Branca coberta de neve e pouco antes de iniciar uma viagem à Louisiana, o mandatário afirmou não concordar com a proposta de Graham de reabrir o Governo durante três semanas para negociar com os democratas. No plano do senador da Carolina do Sul, se essa opção fracassar, o presidente poderia então declarar a emergência nacional com a qual já ameaçou tantas vezes e cercar o Congresso para obter os fundos necessário para seu muro.

“Antes de descartar a opção legislativa [da emergência], pediria a ele que abra o Governo por um curto período de tempo, três semanas, antes de descartar essa opção, para ver se conseguimos chegar a um acordo”, disse Graham no programa de televisão Fox News Sunday. Era o sinal da paz oferecido por um aliado e que o presidente recusou. De acordo com fontes citadas pela CNN, Trump não irá ceder “um milímetro” em sua posição sobre o muro na fronteira com o vizinho do sul. Não importa o quanto crescer a pressão dentro de seu partido. Não importa que sob seu mandato já seja o mais longo fechamento da história dos EUA.

A cada dia que passa, Trump parece perder um pouco mais a batalha política que luta em nome da segurança nacional. “Esse deveria ser o acordo mais fácil de minha vida”, disse o presidente na segunda-feira. “Estamos falando da segurança na fronteira”. E, entretanto, de acordo com uma pesquisa publicada no final de semana pelo jornal The Washington Post e o site ABC News, 53% dos norte-americanos culpam o mandatário e seu partido pelo bloqueio político, contra 29% que culpam os democratas. A mesma pesquisa, por outro lado, mostrou um apoio republicano de 70% à construção do muro com o México contra 58% de um ano atrás.

A perda de apoio de um aliado tão importante como o senador sulista Graham não foi a única dissensão dentro do Capitólio. Dois congressistas republicanos criticaram no final de semana a possibilidade de que Trump declarasse emergência nacional para poder financiar a construção do famoso muro. O senador Ron Johnson, presidente do Comitê de Segurança Nacional, declarou à CNN que “odiaria” ver Trump recorrer a seus poderes de emergência pelo muro. “Se fizermos isso, o caso acabará nos tribunais e o muro não será construído”, disse. O número dois dos republicanos na Câmara dos Representantes, Steve Scalise, disse por sua vez à rede ABC que não quer que esse caso dependa “de uma declaração de emergência nacional”.

A lei que regulamenta esse tipo de caso, promulgada em 1976, autoriza o presidente a alegar uma “emergência nacional” para ativar poderes extraordinários que lhe permitiriam evitar uma votação no Congresso e se apoiar no Exército para construir o muro que pede. Após defender essa postura durante dias, agora Trump parece renunciar a ela para acabar com o fechamento parcial da Administração provocado por sua disputa com os democratas, majoritários na Câmara, que se negam a financiar o muro com o México.

MAIS INFORMAÇÕES