“Miúcha era toda música, na intimidade ou no palco”, as homenagens à cantora

Heloisa Maria Buarque de Hollanda, uma das principais vozes femininas da Bossa Nova, morreu quinta-feira aos 81 anos no Rio

Miúcha e Bebel Gilberto.
Miúcha e Bebel Gilberto.Reprodução/Facebook

A cantora e compositora Heloisa Maria Buarque de Hollanda, popularmente conhecida como Miúcha e uma das principais vozes femininas da Bossa Nova, morreu na quinta-feira (27) aos 81 anos em um hospital do Rio de Janeiro, onde tratava um câncer de pulmão.

Miúcha, irmã de Chico Buarque e primeira esposa do cantor e compositor João Gilberto, um dos pais da Bossa Nova, morreu de parada cardíaca após o agravamento de problemas respiratórios no Hospital Samaritano, de acordo com o boletim divulgado pelo centro médico.

A artista irmã das cantoras Ana de Hollanda e Cristina Buarque, e filha do historiador Sérgio Buarque de Holanda e de Maria Amélia Cesário Alvim, pintora e pianista , era mãe da cantora Bebel Gilberto, que a homenageou nas redes sociais: "Pra sempre no meu coração. Te amo muito. Descansa meu amor... saudades". 

A cantora lançou 14 álbuns em 40 anos de carreira e ficou internacionalmente conhecida, principalmente Itália, Estados Unidos e Japão. Seu trabalho mais recente, "Rosa amarela" (1999), foi lançado no Japão antes mesmo do Brasil.

Seus maiores sucessos remontam à década de 1970, quando se tornou famosa como intérprete de grandes clássicos da Bossa Nova e da MPB como Maninha (Chico Buarque compôs em sua honra), Pela luz dos olhos luz teus (Vinícius de Moraes), Vai Levando (Chico Buarque e Caetano Veloso), e Samba do avião e Falando de amor (Tom Jobim).

Miúcha, que estudou história da arte em Paris na década de 1960, conheceu em uma viagem de férias na Itália a cantora chilena Violeta Parra, que foi quem lhe apresentou o compositor João Gilberto, que já tinha uma reputação na Europa como um criador da Bossa Nova.

Miúcha e João Gilberto ficaram casados por oito anos e foram pais de Bebel Gilberto, que a sucedeu como uma das vozes e musas da Bossa Nova. Seu primeiro álbum foi "O Melhor dos Dois Mundos" (1975) em associação com João Gilberto e Stan Getz.

Esta produção a tornou parceira de famosos músicos brasileiros como Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Toquinho. Em parceria com estes cantores, ela participou de uma performance na Itália cuja gravação é considerada um dos maiores clássicos da Bossa Nova.

Vários artistas lamentaram a morte da cantora. "Ao longo dos anos, Miúcha teve presença sempre luminosa em minha vida. Tanto como artista quanto como pessoa", escreveu Caetano Velloso no Facebook. "Sempre sorridente e gostando muito de viver, Miúcha era toda música, na intimidade ou no palco do #Canecão. Com Vinicius e Tom. E em todas as gravações solo que fez."

Conheci #Miúcha em Salvador. Ela estava grávida de Bebel Gilberto. Agradeço a #CarlosCoqueijo ter tido contato com essa pessoa especial em momento tão significativo: ele quis que a turma de música do Vila Velha conhecesse #JoãoGilberto, então casado com ela. Ao longo dos anos, Miúcha teve presença sempre luminosa em minha vida. Tanto como artista quanto como pessoa. Tornei-me camarada constante de Chico Buarque no período de idas e vindas Rio-São Paulo. Fui umas poucas vezes à casa dos Buarque de Hollanda. Conheci os outros irmãos de Chico, mas Miúcha, que eu já encontrara antes, vivia nos Estados Unidos, depois no México. Sua musicalidade e a força que esta teve na formação de Chico é fato que este atesta ao lembrar treinamentos recreativos de abertura de vozes harmônicas. E ela aparecia cantando lindamente com João no segundo álbum deste com #StanGetz. De volta ao Brasil, Miúcha nos aproximou de #JoãoDonato, com quem apareceu muitas vezes em meu apartamento na Delfim Moreira. Também foi com ela que #TomJobim foi umas vezes nos visitar. Sempre sorridente e gostando muito de viver, Miúcha era toda música, na intimidade ou no palco do #Canecão. Com Vinicius e Tom. E em todas as gravações solo que fez. Anos depois, aquela participação divina no show de #Bethânia! E agora, enquanto escrevo estas palavras diante da notícia de sua morte, Cézar Mendes me diz que "Aquele Frevo Axé", canção que amo apaixonadamente, parceria dele comigo, foi a última música que Miúcha gravou. Paro de escrever e vou pedir a Cezinha que ponha a gravação para eu ouvir (a faixa será lançada em breve). 🎥: de 1984 | Ouça “De Noite na Cama” na #PlaylistDoCaetano: http://spoti.fi/2rXsYb1 #CaetanoVeloso #UnsProduções

Gepostet von Caetano Veloso am Donnerstag, 27. Dezember 2018

Com muita saudade de você!!!!! @miuchab. #miucha #maefilha #momanddaughter daughter👩‍👧

Gepostet von Bebel Gilberto am Montag, 10. Dezember 2018

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: