_
_
_
_
_

Europa proibirá venda de canudos, cotonetes e talheres de plástico

Instituições da União Europeia assinam acordo para lutar contra a poluição do mar a partir de 2021

Resíduos de plástico encontrados no rio Tâmisa, em Londres.
Resíduos de plástico encontrados no rio Tâmisa, em Londres.Matt Dunham (AP)

É um dos grandes desafios ambientais do século XXI: acabar com o plástico que inunda os mares. E a União Europeia pretende assumir a liderança desta luta e não permitirá a venda de cotonetes, canudos e talheres plásticos, entre outros produtos de uso único. Esses objetos estão entre os 10 resíduos mais comuns encontrados nas praias europeias. E as instituições da UE fecharam em tempo recorde um acordo para vetar sua comercialização. Agora, os países têm até 2021 para transferir essa diretriz para sua legislação.

Mais informações
Uma nova tecnologia para desmantelar o maior “lixão” de plástico do Pacífico
Ações para cuidar de um planeta asfixiado pelo plástico
Os microplásticos chegaram ao intestino humano

O plástico é um problema ambiental relativamente novo. Em 1950, a produção de plástico em todo o mundo era apenas de cerca de 1,7 milhão de toneladas, de acordo com os dados da entidade empresarial PasticsEurope. Em 2016, a produção já havia atingido 335 milhões. E o problema é a baixa reutilização dos plásticos. Segundo os próprios dados da Comissão, apenas 30% dos resíduos de plástico da UE são recolhidos para reciclagem. E o que não é coletado, muitas vezes acaba no mar e nas praias.

O bloco europeu apresentou em maio sua proposta de futura diretriz. E na manhã desta quarta-feira, após mais de 12 horas de negociação, a Comissão Europeia chegou a um acordo com o Parlamento e os representantes dos 28 países. Os ministros dos Estados-Membros vão aprovar nesta quinta-feira no Conselho Europeu o pré-acordo político fechado em Bruxelas. E o Parlamento Europeu deverá fazer o mesmo no primeiro trimestre de 2019.

A nova diretriz, que se encaixa na estratégia de plásticos, tem por base um estudo realizado em 2016 pelo Centro Comum de Pesquisa da Comissão, conhecido pela sigla JRC, sobre o lixo acumulado nas praias europeias. Esse relatório concluiu que 84% dos detritos encontrados eram plásticos. E listava os resíduos mais presentes nas praias, com medidas para reduzir seu uso, que é a referência adotada agora para a futura proibição.

"Somos pioneiros na aplicação desta estratégia. O restante do mundo está nos observando", disse o diretor-geral do Meio Ambiente da Comissão Europeia, Daniel Calleja. "A Europa agora tem um modelo legislativo para defender e promover em nível internacional", acrescentou a eurodeputada Frédérique Ries.

Os produtos que serão eliminados dos supermercados são, segundo a Comissão, os descartáveis que têm "alternativas prontamente disponíveis e acessíveis". O acordo também inclui outras medidas, tais como que as garrafas plásticas contenham 25% de material reciclado em 2025 e 30% em 2030. E também que 90% dessas garrafas entrem no sistema de reciclagem até 2029.

A diretriz acordada pelas instituições europeias também forçará certos produtos a incluir em seus rótulos o impacto ambiental negativo que causam. Isso será obrigatório, por exemplo, para os cigarros com filtro e os lenços umedecidos e absorventes.

O Greenpeace aplaude essas medidas, "pioneiras", para "eliminar e reduzir os plásticos descartáveis". A responsável pela campanha dos plásticos da ONG, Alba García, elogiou o acordo, mas afirmou que a UE poderia ter sido mais ambiciosa e exigir mais dos produtores.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_