Cenas machistas de clássicos do cinema que não passariam no filtro de 2018

'Grease', 'Uma Linda Mulher' e 'Diário de Uma Paixão' são alguns dos filmes mais queridos pelo público que não seriam bem recebidos se estreassem hoje

A história de Olivia Newton-John e John Travolta não supera o exame do tempo.
A história de Olivia Newton-John e John Travolta não supera o exame do tempo.PARAMOUNT

Galantes príncipes encantados que beijam sem consentimento, jovens que rifam as garotas como meros brinquedos sexuais, personagens femininos cuja única missão é a de exibir o corpo enquanto são salvas pelo herói safado de plantão. Revisitar, usando os óculos de 2018, alguns dos clássicos do cinema mais idolatrados pelo público pode ser uma experiência traumática para alguns. Com várias celebrities chegando a proibir seus rebentos de assistirem a certos clássicos infantis, esta é nossa seleção de algumas das cenas mais míticas do cinema mainstream que pior envelheceram.

Dirty Dancing – Ritmo Quente

A propósito do 30º aniversário da estreia do filme protagonizado por Patrick Swayze e Jennifer Grey e do lançamento do livro de Hadley Freeman intitulado The Time of My Life, várias publicações revisitaram o subtexto por trás desta relíquia do cinema romântico, sem entrarem num acordo. Uns a descrevem como uma obra feminista, pró-aborto e que prega a liberação sexual da mulher, enquanto outros tacham de “sinistra” a relação entre uma jovem que mal chegou à maioridade e um instrutor de dança maduro (nunca sabemos sua idade real) que, 20 segundos depois de topar com ela na pista, já está lhe esfregando a sua ondulante pélvis. Johnny Castle dá a impressão de ser experiente nisto de paquerar as filhas dos hóspedes, levando-se em conta que no começo do filme seu chefe lhe pede que “tire as mãos de cima delas” e se limite a ensiná-las a dançar. “É um predador em série?”, chega a se perguntar a Thrillist. Sempre restará sua trilha sonora…

Grease – Nos Tempos da Brilhantina

O filme começa com o que se supõe ser um perfeito romance de verão entre Danny e Sandy. Entretanto, a tóxica mensagem do filme é que a protagonista deve renunciar à sua personalidade e estilo e recorrer ao cigarro e ao batom para se tornar uma bad girl que volte a conquistar um sujeito que a menosprezou durante toda a duração da fita. Para não falar da relação entre Rizzo e Kenickie, por quem ela se apaixona apesar de ouvir dele coisas como que só pagaria 25 centavos por ela. Não há nada a celebrar na última cena. Garotas, eles não se merecem ser the one that you want.

Diário de Uma Paixão

Há uma linha muito tênue entre o apaixonado persistente e ardoroso e o assediador desagradável, e uma das histórias românticas mais veneradas deste século sem dúvida se move de forma errática entre ambos os terrenos. Por exemplo, a única forma que o personagem de Ryan Gosling tem para conseguir um encontro com a de Rachel McAdams é chantageando-a, subindo-a numa roda-gigante em marcha e pondo sua vida em perigo até escutar um intimidado “sim”. Para não falar da questionável saúde mental de alguém que escreve uma carta por dia a um interlocutor que não lhe responde, e que apesar de tudo decide continuar insistindo. Para a BBC, este é um dos casos mais evidentes em que a cultura pop romantizou o assédio sexual.

A Pequena Sereia (e quase todos os clássicos da Disney)

O debate sobre a conveniência de exibir às novas gerações os filmes com os quais todos crescemos ecoa com força cada vez maior na opinião pública, como demonstra o fato de que nos últimos dias até duas princesas Disney se opuseram a esses conteúdos. A atriz Kristen Bell, que dá voz à princesa Anna em Frozen, disse que precisou explicar às suas duas filhas pequenas que não é correto beijar mulheres adormecidas sem o seu consentimento (por mais príncipe encantando que o homem se ache). A conversa ocorreu após uma leitura de Branca de Neve e os Sete Anões, mas o mesmo tipo de abuso ocorre em A Bela Adormecida. A protagonista de O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos, Keira Knightley, também falou sobre os vetos parentais em sua visita ao programa de Ellen Degeneres: “A Gata Borralheira foi proibida porque passa o filme todo esperando que chegue um homem rico para resgatá-la. Não, resgate-se a você mesma! E depois outro filme que me chateia proibir, porque eu adoro, é A Pequena Sereia. Sim, as canções são fantásticas, mas você não pode renunciar à sua voz por um homem”. Penélope Cruz foi mais explícita: “Danem-se a Gata Borralheira, a Bela Adormecida e todas as outras”.

Simplesmente Amor

Agora que se completa uma década e meia da sua estreia, este clássico do cinema natalino é mais discutido do que nunca. Vários especialistas questionaram sobre o perigoso sexismo que se espalha ao longo de todos e cada um dos episódios que compõem esta historia coral. É um fato que a esmagadora maioria dos personagens femininos de Simplesmente Amor são meras figurantes movidas pelas ações dos homens. Da empregada do primeiro-ministro britânico que é assediada pelo presidente dos Estados Unidos, e ainda por cima transferida do seu posto de trabalho (alerta: é crime), até o psicopata das fitas de vídeo apaixonado por Keira Knightley e a faxineira portuguesa que só dispõe de duas frases para expressar se o amor de Colin Firth é correspondido ou não, para não falar do jovem que viaja aos Estados Unidos e faz uma orgia com várias mulheres devido ao seu encantador sotaque inglês. Romantismo hipertrofiado.

Star Wars: Episódio VI - O Retorno de Jedi

A princesa Leia e sua intérprete, a saudosa Carrie Fisher, são ícones feministas, mas foi nada fácil para elas se esquivarem da objetificação à qual estiveram submetidas. Fisher reconheceu sua insatisfação por ter que usar o emblemático biquíni dourado de escrava de Jabba the Hutt, e que foi leiloado por uma cifra superior a 400.000 reais. “Não seja uma escrava como eu fui… Continue lutando contra esse figurino”, aconselhou a atriz a Daisy Ridley, que interpreta Rey nos novos filmes. A figurinista de O Retorno de Jedi, Aggie Guerard Rodgers, afirmou que durante a rodagem daquela cena “a equipe, por ser majoritariamente masculina, se divertiu muito”. Sirva como metáfora redentora que Leia utiliza a própria corrente do seu biquíni para matar seu captor. Outro feito revelado sobre a filmagem da trilogia original é que George Lucas obrigou Fisher a não usar roupa íntima durante a rodagem, porque “não existiam calcinhas no espaço”. Alguém perguntaria a Harrison Ford se Han Solo estava de cueca?

Uma Linda Mulher

Deixando de lado o mais que questionável retrato que faz da prostituição e que poderia encontrar certa justificação dentro dos cânones escapistas da comédia romântica, o chamativo hoje em dia é a evolução da personagem de Vivian (Julia Roberts) – o respeito do entorno que a desprezava no princípio e o aumento da sua autoconfiança se devem unicamente a uma mera mudança de estilo graças ao dinheiro de Edward. O final, com o príncipe encantado e milionário resgatando a princesa de seu castelo (pela escada de incêndios, que seja) sintetiza uma moral sexista e classista. Além do mais, a atriz Daryl Hannah rejeitou o papel que acabaria sendo de Julia Roberts porque o considerava “degradante” para o gênero feminino.

De Volta para o Futuro

O clímax emocional do mítico filme dos anos oitenta é a cena do enfrentamento entre o pai de Marty McFly, George, e o antagonista do filme, Biff, que tranca Lorraine (mãe de Marty) no carro e a assedia sexualmente. A primeira coisa que chama a atenção é que nenhuma das testemunhas naquele estacionamento faz nada para salvá-la. É então que George vira o herói do filme, ao dar um soco em Biff para libertá-la. O personagem de Lorraine, apesar de ter sido vítima de uma experiência traumática, parece esquecer o episódio em um segundo e cai rendida aos encantos de George. Ainda por cima, a família acabaria contratando esse assediador como funcionário.

Gatinhas e Gatões e Clube dos Cinco

O cineasta John Hughes é considerado o pai do cinema adolescente, mas revisitados em 2018, seus clássicos contêm elementos muito perturbadores. Em Gatinhas e Gatões, o bonitão do colégio e o nerd conversam sobre como a namorada do primeiro costuma ficar bêbada em cada festa. Para pagar uma aposta, o bonitão permite que o amigo leve embora sua namorada, mesmo que ela esteja bêbada e quase inconsciente. “Divirta-se”, ele diz. Depois falam sobre o que aconteceu durante a noite. A garota não se lembra de nada, mas se dá a entender que houve sexo, portanto, uma violação. Molly Ringwald, protagonista deste filme e de Clube dos Cinco, publicou uma carta na The New Yorker em abril chamando os filmes de “misóginos, racistas e homofóbicos”. “Estava preocupada que algumas partes do filme fossem problemáticas para a minha filha, mas não esperava que no final afetassem mais a mim”, disse.

Indiana Jones e o Templo da Perdição

A saga Indiana Jones foi fortemente criticada pela representação caricatural de culturas como a hindu ou a chinesa, assim como pelos personagens estereotipados como o garoto Short Round, mas o papel marginal das mulheres na trama leva a palma. O filme tem a cantora e atriz Willie Scott (Kate Capshaw), que acompanha Ford no segundo filme da franquia e cuja missão é ser a donzela em perigo que deve ser resgatada pelo herói. A única coisa que sabemos sobre sua personalidade é que choraminga, grita e adora diamantes. Não surpreende que ela seja lembrada como uma das personagens mais irritantes da história do cinema. O próprio Spielberg parece disposto a se juntar ao grupo que defende uma mudança radical em futuras aventuras, depois de garantir que não teria nenhum problema em mudar o sexo do arqueólogo e que este passasse a se chamar “Indiana Joan”.

Os Embalos de Sábado à Noite

De musical alto astral, nada. No clássico dos anos setenta, estrelado por John Travolta, assistimos impassíveis à violação do interesse amoroso de Tony Manero. A personagem de Annette, em claro estado de embriaguez, é violada no banco traseiro do carro pelos amigos do protagonista com a absoluta indiferença deste, que até já havia tentado antes. Depois do crime, as únicas palavras que diz a ela são para perguntar se por acaso é uma prostituta. A atriz Lucy Lawless definiu o filme como o exemplo perfeito da perpetuidade da cultura do estupro.