Primeira Guerra Mundial

Volta do nacionalismo marca os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial

Ato pelo centenário do conflito reúne em Paris mandatários que defendem modelos políticos antagônicos

Trump (direita) e Macron, neste sábado em Paris.
Trump (direita) e Macron, neste sábado em Paris. (AFP)

Juntos em Paris, um século depois, mas com visões diferentes. Os líderes das nações que participaram da Primeira Guerra Mundial se reúnem neste fim de semana para celebrar o fim do conflito. É um momento sui generis, marcado pelo regresso do nacionalismo e pela crise das instituições multilaterais. “Sou um nacionalista”, afirmou dias atrás o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “A Europa enfrenta um risco: desmembrar-se por causa da lepra nacionalista e ser superada por potências estrangeiras”, replicou o presidente francês, Emmanuel Macron, que tenta se afirmar na Europa e no mundo como a resistência ante o avanço do nacionalismo e do unilateralismo.

As comparações entre a época atual e o período entre as guerras mundiais proliferam. Catastrofismo gratuito ou recordação útil das lições da História? O nacionalismo é forçosamente “uma lepra”, como diz Macron? Ou existe um nacionalismo bom?

MAIS INFORMAÇÕES

Há 100 anos, em 11 de novembro de 1918, franceses e alemães assinaram o armistício que suspendia as hostilidades. A guerra iniciada em 1914 deixou milhões de mortos e transformou o mapa. Deu ensejo a organizações internacionais como a fracassada Sociedade das Nações, antecessora da ONU, mas também a condições férreas para os derrotados, que contribuíram para o revanchismo prévio à guerra seguinte.

Neste fim de semana, quando mais de 70 chefes de Estado e de Governo se reúnem em Paris, entre eles Trump e o russo Vladimir Putin, o mundo é radicalmente diferente. Mais democrático e estável. Menos violento. E com instituições internacionais que compelem os países a resolver na mesa de negociações o que há um século se resolvia na base do canhão. Mas também é um mundo onde a arquitetura global instaurada no final da Segunda Guerra Mundial mostra fissuras. Trump irrita os aliados e ameaça abandoná-los. A China e a Rússia se reafirmam. O prestígio das democracias liberais diminui. Do Brasil à Itália, do Brexit a Trump, avança um novo nacionalismo populista. A União Europeia se divide e a OTAN é posta em xeque. Tempos de retirada.

“As razões do fracasso da paz em 1918 constituem uma advertência para o mundo e 2018”, disse ao EL PAÍS o cientista político francês Dominique Moïsi, conselheiro especial do Instituto Montaigne e autor, entre outros livros, de A Geopolítica das Emoções. “Em 1918, vimos que o armistício não trazia a paz”, diz ele. “Por duas razões importantes. Primeiro, porque os vencedores foram rígidos demais em suas exigências com a Alemanha. E também porque a organização internacional que foi construída, a Sociedade das Nações, era fraca demais. Ou seja: uma mistura de nacionalismo muito forte e internacionalismo muito fraco. Hoje reencontramos essa combinação.”

Palavras como povo, identidade e nação voltam ao primeiro plano. “Há uma crise de identidade ligada à mundialização”, explica Moïsi. “Quanto mais global, interdependente e transparente é o mundo, mais os cidadãos embarcam numa busca identitária, enfatizando o culto à diferença, embora essa diferença seja cada vez mais marginal. E aí vemos o efeito de uma mundialização, que para muitos tem sido infeliz.”

Nacionalismo é uma palavra ambígua, de difícil definição, como populismo. “Muitas pessoas pensam no nacionalismo como uma ideologia coesiva, mas ele aparece em várias formas, incluindo suas versões de esquerda e direita”, adverte, por e-mail, o acadêmico britânico Roger Eatwell, coator com Matthew Goodwin de National Populism: The Revolt Against Liberal Democracy (nacional-populismo: a rebelião contra a democracia liberal), publicado recentemente em inglês. “Uma distinção comum é entre o nacionalismo étnico, que é fechado, e o nacionalismo cívico, que está vinculado a uma série de valores políticos.” Alguns aplicam palavras diferentes a essas distinções: nacionalismo e patriotismo.

O próprio Macron é herdeiro de uma tradução francesa que poderia ser chamada de nacionalista: a do gaullismo, inspirada pelo general De Gaulle, que quis situar a França como potência capaz de mediar entre os grandes poderes globais. A reunião de Paris – Macron e França, por algumas horas, no centro do tabuleiro – é gaullismo puro. Nacionalismo? Ele, europeísta convicto, diria que não. Patriotismo, talvez. Há alguns dias, Macron disse numa entrevista ao jornal Ouest-France que via paralelismos entre o mundo atual – “uma Europa dividida pelos medos, a retirada nacionalista, as consequências da crise econômica” – e o dos anos posteriores ao armistício de 1918. Eatwell não vê o paralelismo entre o nacionalismo que levou à Segunda Guerra Mundial e os movimentos atuais, que poderiam ser chamados de nacional-populistas ou nacionalistas de direita. “Os nacionais-populistas não são descaradamente antidemocratas, e menos ainda fascistas”, diz. “Em alguns aspectos, propõem uma ameaça à democracia. Por exemplo, reforçam um crescente distanciamento, inclusive uma cólera, contra as elites políticas e os acadêmicos. Sua oposição a uma nova imigração, inclusive quando se argumenta razoavelmente em termos da necessidade de pessoas formadas para um país, tende a alimentar a xenofobia. Por outro lado, ressaltam problemas no funcionamento da democracia liberal: seu elitismo, sua agenda politicamente correta e a desatenção às classes trabalhadoras.”

O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, no centenário do fim da I Guerra Mundial. 
O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, no centenário do fim da I Guerra Mundial. Michel Euler (AP)

O novo nacionalismo é com frequência antielitista e antiliberal. Seus inimigos são os que eles chamam de globalistas: os novos cosmopolitas. “O nacionalismo apresenta-se como antídoto à globalização. É como Trump o apresenta, dizendo: ‘Sou contra a globalização e sou nacionalista’”, explica ao telefone François Heisbourg, presidente do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, com sede em Londres, e conselheiro especial da Fundação para a Pesquisa Estratégica, em Paris. “À sua maneira, rústica e simples, [Trump] resume bem a essência desses nacionalismos, que é a rejeição das identidades múltiplas, da complexidade, da livre circulação de pessoas e bens”.

Heisbourg considera inadequada a comparação que Macron faz entre o mundo atual e o do período entre as guerras. Para ele, o nacionalismo atual lembra mais o que houve no século XIX e início do século XX, antes da I Guerra Mundial, do que o dos anos trinta. Heisbourg vê o paralelismo com os anos trinta em outro lugar. “Não vejo movimentos fascistas potentes”, diz. “Hoje esse movimento ideológico, totalitário, violento e organizado é o Daesh [sigla do Estado Islâmico, em árabe], os jihadistas.”

Arquivado Em: