Eleições 2018

“O WhatsApp deixou as eleições mais confusas”

Na eleição protagonizada pelo aplicativo, eleitor afirma que conteúdo que recebe “confunde a cabeça” pelo volume de informações duvidosas. Ainda assim, os compartilha sem checar

Os irmãos Edson, Tereza Cristina e Edilene Barbosa Silva, e a nora Evany Maria Evaristo (ao centro) dizem que o WhatsApp mais confunde do que ajuda na hora de escolher um candidato.
Os irmãos Edson, Tereza Cristina e Edilene Barbosa Silva, e a nora Evany Maria Evaristo (ao centro) dizem que o WhatsApp mais confunde do que ajuda na hora de escolher um candidato.

O pastor de uma igreja evangélica no bairro do Vasco da Gama, periferia do Recife, mudou as configurações do grupo de WhatsApp que ele mantém com os fiéis. Já faz uns dias que somente os administradores podem publicar no grupo de mais de 200 pessoas. “Ele não aguentava mais as notícias de política”, explicou a dona de casa Evany Maria Evaristo Bispo, 36, uma das fiéis. Ela conta que ficou surpresa ao tentar enviar uma mensagem e perceber que não estava “autorizada”. “Liguei lá na igreja para saber o que tinha acontecido e me explicaram que o pastor proibiu as pessoas de mandarem notícias ali”. Antes disso, uma enxurrada de links, vídeos e fotos eram compartilhados, atacando ou defendendo determinado candidato.

De acordo com levantamento do Datafolha divulgado nesta semana, a maioria dos eleitores brasileiros (68%) têm conta em alguma rede social, e 66%, especificamente no WhatsApp. Com uma campanha mais curta, com menos dinheiro e menos tempo na televisão, o aplicativo de conversa se transformou em uma das plataformas mais importantes desta eleição. “Eu uso bastante”, diz Maurício Ferreira Filho, 49, que trabalha na área de logística. “E o que eu mais recebo é foto ou postagem contra o meu candidato. Mas isso não me fez mudar meu voto”, afirma o eleitor de Jair Bolsonaro (PSL).

Assim como no caso de Maurício, entre o eleitorado do capitão reformado do Exército, a utilização do WhatsApp é, de fato, maior: 81% afirmaram ao Datafolha usar o aplicativo, contra 59% de Fernando Haddad (PT), 72% de Ciro Gomes (PDT) e 53% de Geraldo Alckmin (PSDB). Com a maior parte do eleitorado de classe média e alta, que tem acesso a Smartphone e internet, Bolsonaro vem fazendo sua campanha no aplicativo desde o início da disputa. O comitê de seu principal rival, Haddad, demorou para perceber o poder da plataforma e só anunciou um canal para denúncias de notícias falsas nesta semana, a poucos dias do primeiro turno.

Às vésperas da eleição, a contraofensiva nas redes se intensificou. Diogo Nascimento da Silva, 31, auxiliar de expedição, afirma ter percebido um aumento no volume de mensagens que ele vem recebendo de Bolsonaro nas últimas semanas. “Agora até começaram a mandar alguma coisa de Haddad, mas quando mandam, o pessoal de Bolsonaro manda tanta coisa em cima, que e os de Haddad até desistem”, diz. Apesar da quantidade de mensagens, ele afirma que nada interfere em seu voto: “Vou de 51”, diz, sem saber o nome do candidato: Cabo Daciolo (Patriota).

Nesse universo de compartilhamento de notícias, em que o controle sobre o que é falso ou verdadeiro e sobre a origem do que se compartilha é quase nulo, aparece conteúdo de todo tipo, confundindo o eleitor. No início do mês, circulou pelo Recife uma foto do candidato a deputado federal João Campos (PSB), filho de Eduardo Campos, morto em 2014. A imagem manipulada dava a impressão de que o candidato estava com luvas cirúrgicas nas mãos, para não ter contato com o eleitor. A foto foi enviada junto com um áudio de uma senhora que dizia ter visto ele de luva durante campanha em Limoeiro, no agreste pernambucano. João Campos foi às redes sociais desmentir a imagem, mas o estrago já estava feito. “A gente sabe que tem photoshop, né? Mas eu não duvido de nada”, diz Evany. “O avô dele não faria isso”, emendou dona Tereza Cristina Barbosa, 60, se referindo a Miguel Arraes, bisavô de João Campos.

Apesar de duvidar da veracidade das informações, muitos passam adiante. Maurício Ferreira afirma receber diversas publicações duvidosas, e que o volume é tão grande, que ele desiste de checar. “Recebo coisas que eu nem sei se são verdadeiras”, diz. “Dá até preguiça de pesquisar se é verdade ou não, mas eu encaminho mesmo assim”.

Voto evangélico

O silêncio sobre assuntos relacionados à política não foi instituído somente no grupo de WhatsApp. Fora do mundo virtual, moradores do Vasco da Gama que frequentam três igrejas evangélicas diferentes – Congregacional, Assembleia de Deus e Quadrangular – afirmam que não falam sobre política em suas igrejas. “Ninguém comenta nada”, diz Edilene Barbosa Lima, 55, que frequenta a Assembleia de Deus. A orientação do pastor é para que não discutam o tema na igreja, segundo ela. “Estou orando a Deus para que ele me dê o candidato certo”, afirma, ao dizer que não sabe em quem votará. De acordo com ela, o conteúdo que recebe pelo WhatsApp não tem ajudado a decidir.

Mas diferente de parte dos fiéis do Vasco da Gama, nesta semana lideranças evangélicas declararam, uma a uma, apoio a Bolsonaro. No Facebook, o bispo Edir Macedo, da igreja Universal do Reino de Deus, publicou um texto em apoio ao presidenciável. Nessa esteira, Estevam e Sônia Hernandes, que estão à frente da Renascer em Cristo, Renê Terra Nova, do Ministério Internacional da Restauração e Silas Malafaia, do Ministério Vitória em Cristo também tornaram públicos suas preferências pelo capitão reformado.

Com os apoios, Bolsonaro chegou a 48% das intenções de voto entre os evangélicos, enquanto chega a 39% no quadro geral. Haddad, em segundo lugar, não passa de 18% entre os evangélicos, sete pontos percentuais aquém de sua média total. Mas para Evany, que ficou impossibilitada de publicar no grupo da igreja, o apoio dos fiéis a Bolsonaro é “boato”. “Virou boato dizer que crente apoia Bolsonaro”, diz.

Com o celular na mão, ela mostra a última notícia que publicaram no grupo da igreja, antes que o pastor restringisse os compartilhamentos: “Com o apoio de Fernando Haddad, vou criar a lei Marielle Franco, essa lei obrigará padres e pastores a realizarem cerimônias de casamentos de homossexuais na igreja, os que se recusarem serão presos”. A mensagem é atribuída ao deputado Jean Willys (PSOL-RJ), conhecido por defender a bandeira LGBT. Evany diz não saber exatamente no que acreditar. “O WhatsApp deixou as eleições mais confusas”, diz. “Ele complica a nossa cabeça”.