Seleccione Edição
Login

Musk renuncia à presidência do conselho da Tesla após acordo nos EUA

O executivo manterá o cargo de presidente da empresa e é multado em 20 milhões de dólares

Elon Musk, fundador da Tesla.
Elon Musk, fundador da Tesla. AFP

Elon Musk fez acordo com o órgão regulador de Wall Street apenas dois dias depois de ter sido acusado de confundir os investidores com uma mensagem no Twitter. Mas o acordo tem seu preço. O fundador da Tesla mantém o cargo de presidente executivo da empresa, mas aceita renunciar durante três anos à presidência do conselho de administração. Dois novos conselheiros independentes terão de ser nomeados. Musk é punido também com uma multa de 20 milhões de dólares (cerca de 80 milhões de reais) , aos quais se somam outros 20 milhões a serem pagos pela empresa.

Os termos do acordo foram anunciados neste sábado e assim se evita que a ação, com a qual a SEC (Securities and Exchange Commission, comissão de títulos e câmbio) tentava afastá-lo da presidência do conselho, tenha de ir para os tribunais. Elon Musk continuará, portanto, liderando as operações da fabricante de carros elétricos. Mas o regulador do mercado de valores lhe deu um prazo de 45 dias para sair da presidência do conselho da Tesla. Assim tenta manter maior controle sobre sua conduta.

A SEC não só acusou Musk na quinta-feira de ter agido de forma fraudulenta com a mensagem lançada no Twitter em 7 de agosto passado, na qual o fundador da Tesla dizia ter a intenção de tirar a Tesla da Bolsa de Nova York. Também acusa a companhia de não ter estabelecido os controles necessários e os procedimentos para regular como o executivo utiliza as redes sociais. Para evitar episódios semelhantes, a Tesla deverá adotar medidas adicionais para supervisionar as comunicações de Musk.

Musk não admite nem nega as acusações que motivaram a ação. A agência que regula as empresas com ações na bolsa nos EUA afirma que, como resultado desse acordo, a Tesla deverá realizar uma reforma ampla de sua governança. “Deverá se demitir da presidente do conselho e ser substituído por um presidente independente”, detalha a SEC, “e não poderá concorrer à reeleição por três anos.”

Tesla deverá, em paralelo, estabelecer um novo comitê de conselheiros independentes. “Essas medidas foram criadas especialmente para corrigir os problemas de conduta”, afirma Stephanie Avakian, da SEC. Nesse sentido, o regulador de Wall Street reitera que o conselho de administração deverá adotar reformas importantes “para prevenir novas disrupções no mercado e danos posteriores aos acionistas”.

Os últimos dois meses foram muito tumultuados na Tesla devido ao comportamento errático de Elon Musk, considerado uma as figuras mais relevantes do setor tecnológico. O executivo chegou a dizer que tinha um acordo verbal com investidores sauditas para financiar a retirada da empresa de Wall Street. Mas nunca apresentou um plano ao conselho de administração nem comunicou o fato relevante à SEC. Depois de três semanas, abandonou a ideia.

MAIS INFORMAÇÕES