Jogos Olímpicos

Há dois anos, o Brasil fechava as Olimpíadas do Rio com ouro no vôlei masculino

Último dia de Jogos em 2016 teve geração comandada por Bernardinho conquistando o sétimo ouro em casa e garantindo a melhor campanha brasileira na história olímpica

Serginho, Evandro e Maurício Borges comemoram ponto contra a Itália na final.
Serginho, Evandro e Maurício Borges comemoram ponto contra a Itália na final.

Mais informações

No dia 21 de agosto de 2016, há exatamente dois anos, se encerravam os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Os 16 dias de competição, que tiveram a despedida das lendas Michael Phelps e Usain Bolt do cenário olímpico, a medalha de ouro inédita para o Brasil no futebol masculino e os Estados Unidos como campeões do quadro de medalhas, ainda reservaram uma conquista especial para os donos da casa no último dia de Olimpíadas: no Maracanãzinho, a seleção brasileira de vôlei masculino venceu a Itália por 3 sets a 0 e chegou ao seu terceiro ouro na história dos Jogos – a medalha também garantiu a melhor campanha olímpica do Brasil em número de ouros (sete), número total de medalhas (19) e posição no quadro de medalhas (13º).

O desempenho do Brasil no vôlei masculino foi marcado pela recuperação da equipe ao longo no torneio. Na primeira fase, foram três vitórias e duas derrotas: venceu México (3 a 1), Canadá (3 a 1) e França (3 a 1), mas perdeu para Estados Unidos e Itália, ambos também por 3 sets a 1. O quarto lugar no grupo obrigou a seleção a enfrentar a Argentina nas quartas de final, quando venceu por 3 a 1 no maior público do Maracanãzinho na competição: 10.232 pessoas.

Na semifinal, uma vitória com autoridade dos brasileiros em cima da Rússia: 3 sets a 0, com uma parcial de 25 a 17 no último set. Foi a primeira partida do Brasil nas Olimpíadas que a equipe não cedeu nenhum set ao adversário. A tendência se manteve na final: outro 3 a 0, com parciais de 25 x 22, 28 x 26 e 26 x 24. O oposto Wallace foi o maior pontuador da final, com 20 pontos, e o líbero Serginho foi eleito o melhor jogador das Olimpíadas. "Nenhum time merecia mais; ninguém treinou e se dedicou tanto [quanto a gente]", afirmou Wallace, que também foi o maior pontuador de toda a competição.

Serginho e Wallace foram dois dos maiores símbolos da conquista brasileira, que somou o título de 2016 aos ouros de 1992 (Barcelona) e 2004 (Atenas). O líbero, que disputou as quatro finais olímpicas (2004, 2008, 2012 e 2016) se aposentou da seleção após seu bicampeonato. Bernardinho, treinador do ouro, deixou o comando da equipe nacional em janeiro do ano seguinte, após completar 16 anos e 28 títulos a frente do Brasil – ele foi substituído por Renan Dal Zotto e deixou como legado a liderança de seu filho Bruninho, capitão e melhor levantador do Rio 2016. "Estou em dívida com a vida. É uma felicidade única ver seu filho chegar ao ápice da carreira. É um momento de muito orgulho como pai viver tudo isso", comentou o treinador logo após a vitória na final.

Boa parte do elenco campeão olímpico continua com Dal Zotto; entre os 12 medalhistas de ouro, apenas Serginho, Lucarelli e Maurício Borges ficaram de fora do último amistoso feito pelo Brasil, ontem (20 de agosto), quando venceu a Holanda por 3 sets a 1 em preparação para o Campeonato Mundial, que acontece em setembro.

Antes dos Jogos do Rio, o Brasil tinha como melhor colocação no quadro de medalhas um 15º lugar em 1920, na Antuérpia; a classificação foi superada com a 13ª posição em 2016. O recorde do país em número de medalhas era de Londres 2012, com 17 pódios, e a edição com mais ouros brasileiros era a de Atenas 2004, com cinco conquistas. As duas marcas também foram quebradas em 2016, com 19 medalhas no total, sendo sete de ouro. Além do vôlei masculino, o futebol masculino, Rafaela Silva (judô), Thiago Braz (salto com vara), Robson Conceição (boxe), Martine Grael e Kahena Kunze (vela) e Alison e Bruno (vôlei de praia) subiram ao lugar mais alto do pódio no Rio de Janeiro.