Seleccione Edição
Login

Recife, o pior trânsito “em linha reta” do Brasil

A história da cidade, o crescimento da frota na última década e até o calor contribuem para o pior congestionamento do país no horário de pico. Prefeitura desenha plano para atacar o problema

Trânsito na avenida Governador Agamenon Magalhães, uma das poucas vias largas do Recife.
Trânsito na avenida Governador Agamenon Magalhães, uma das poucas vias largas do Recife.

O superlativismo pernambucano é uma piada até entre os nativos do Estado. O "maior museu de armas brancas do mundo" ou a "maior via em linha reta do Brasil" são, por exemplo, como se referem ao Instituto Ricardo Brennand e à avenida Caxangá, respectivamente. Mas, em meio a tantos superlativos, a capital pernambucana também ostenta pódios negativos: um dos piores trânsitos do país.

Levantamento realizado no final do ano passado pelo aplicativo de transporte urbano 99 colocou o Recife em primeiro lugar entre as cidades brasileiras com pior trânsito em horário de pico do Brasil - um problema que a Prefeitura da cidade se prepara para atacar com um plano ainda em gestação. Segundo o estudo, quem precisa andar de carro nos períodos entre as sete e dez horas da manhã, e cinco e oito da noite, pode demorar até o dobro de tempo que fora desses horários para chegar no destino final. Em média, os trajetos feitos na capital pernambucana nesses horários demoram 86% de tempo a mais do que se feitos fora do horário de pico. Porto Alegre e Belém vieram na sequência.

A mobilidade urbana é uma questão enfrentada pelas grandes cidades em todo o mundo. Não é uma particularidade de determinadas regiões brasileiras ou de países subdesenvolvidos. Mas, no caso do Recife, algumas peculiaridades devem ser levadas em conta para explicar esse problema. A primeira é de cunho histórico, como explica Leonardo Meira, professor do departamento de engenharia civil na área de transportes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “Recife é uma das cidades mais antigas do Brasil [fundada em 1537], e as ruas que foram projetadas para as carroças hoje comportam carros", diz. "Há um problema de espaço”.

As vias que antes serviam para ligar os engenhos aos rios Capibaribe e Beberibe, para o escoamento do açúcar pelo mar, entre os séculos 16 e 18, hoje são praticamente as mesmas. “Você não tem largas avenidas. Aqui você tem a [avenida Governador] Agamenon Magalhães e Agamenon Magalhães”, brinca Meira, sobre uma das principais vias da cidade, que liga o centro à zona Norte. A diferença é que, ao invés de algumas carroças com sacas de açúcar, hoje o município tem uma frota de quase 700.000 veículos. E mais de 1,6 milhão de habitantes.

Isso sem contar a circulação que vem dos municípios da Região Metropolitana do Recife (RMR). Como as 15 cidades que formam a RMR são muito próximas uma das outras - Olinda, por exemplo, mais parece um bairro do que outro município –, a circulação de carros é intensa na capital. Ao todo, a RMR tem pouco mais de 1,3 milhão de veículos e cerca de 4 milhões de habitantes. Muitos desses veículos circulam diariamente pelo Recife, aumentando ainda mais a frota local.

“A nossa surpresa foi a intensidade com que as pessoas se referiram à falta de respeito no trânsito”, diz Schreiner. De fato, a amabilidade do pernambucano parece que fica da porta para fora do automóvel

Sideney Schreiner, secretário executivo de Planejamento da Mobilidade do Recife, explica que a maneira como a população da RMR é distribuída também deve ser levada em consideração. Isso porque apenas metade dos habitantes de toda a Região Metropolitana vive na capital. "Normalmente, a maioria das pessoas habitam o núcleo das regiões metropolitanas”, diz. "Aqui é diferente". Como muita gente vive nas outras cidades, mas acaba indo para a capital diariamente, isso gera uma sobrecarga nos sistemas viários, que foram projetados levando em conta somente a população recifense. "O metrô e o BRT [o sistema de ônibus da cidade], por exemplo, atendem basicamente somente à população do Recife".

Soma-se a essas questões a paixão do brasileiro pelo automóvel. “Como em todo o país, as pessoas gostam de automóveis”, diz Leonardo Meira. “Junto com o crescimento econômico do Brasil, a frota do Recife mais do que duplicou entre 2008 e 2013, como em todo o país”. A quantidade de carros na cidade começou a aumentar no início dos anos 2000, tendo o auge de crescimento em 2010, com 10% de aumento. Depois disso, o crescimento foi sendo gradualmente menor, mas nunca negativo. No ano passado, segundo o Detran de Pernambuco, o aumento foi de 1,8%.

Mas nem só por paixão rodam os automóveis. Os índices de segurança pública também colaboram para essa cultura. No ano passado, os homicídios aumentaram 21% em Pernambuco, deixando 2017 no topo dos anos mais violentos no Estado desde 2004. “Muitas vezes, a pessoa vai de carro para locais próximos, como uma padaria, por medo de ser assaltada”, diz Meira. “Mesmo os bairros de classe A e B são inseguros”. E, para coroar, o clima local, com temperaturas médias na casa dos 30 graus durante o ano inteiro, torna o deslocamento a pé quase inviável durante o dia. E tudo isso gera uma bola de neve, que piora ainda mais a mobilidade na cidade. “As pessoas evitam andar a pé por causa do clima e da insegurança. Ao não andar a pé, as calçadas ficam mais vazias e assim, mais inseguras”, conclui Meira.

Plano de mobilidade

Em meados de 2015, a Prefeitura começou a formular um novo plano de mobilidade. O primeiro passo, explica Sideney Schreiner, foi ouvir a população. Nas audiências, temas muito lembrados foram a falta de infraestrutura cicloviária, sombreamento e iluminação nas vias e o aumento das faixas exclusivas de ônibus, chamadas aqui de faixas azuis. Mas o que chamou a atenção de Schreiner não foram as reclamações por falta de ar condicionado nos ônibus ou a condição das calçadas – muito ruim, inclusive nos bairros de classe média e alta. “A nossa surpresa foi a intensidade com que as pessoas se referiram à falta de respeito no trânsito”, diz Schreiner.

"Quando eu falo que não tenho carro, muita gente pensa que eu sou profissionalmente um fracasso. É difícil convencer as pessoas que dá para viver sem carro”.

De fato, a amabilidade do pernambucano parece que fica da porta para fora do automóvel. Uma quase obsessão por buzinar e o desrespeito ao pedestre fazem parte do cotidiano do trânsito local. Diferentemente de outras capitais próximas, como Maceió e João Pessoa, por exemplo, no Recife o hábito de o motorista parar na faixa de pedestre é quase inexistente. Por isso, diz Schreiner, outra vertente do plano é a criação de um programa de educação no trânsito. “E isso não é só palhacinho mandando parar na faixa, é uma oportunidade de construção de cidadania”.

O plano de mobilidade será estruturado em 30 programas de ação. Cada programa terá uma série de projetos. Pedágio urbano, rodízio de veículos e restrição de circulação estão sendo estudados. Expandir as faixas de ônibus e a rede cicloviária e melhorar a condição das calçadas fazem parte das ações. O projeto ainda está em fase de estudos e elaborações, e as propostas finais e a consolidação, últimas fases do plano, ainda não foram iniciadas.

Schreiner afirma que essas etapas devem sair até o final deste ano. Morador do bairro do Espinheiro, na zona Norte do Recife, ele diz ser um “ativista da não viagem”. “Meu trabalho está a 3,95 quilômetros de casa e eu vou a pé todos os dias. Além disso, evito ir ao supermercado, compro pela internet e quando tenho que me deslocar, uso basicamente ônibus e quando necessário Uber ou táxi” diz. “Tento convencer algumas pessoas a não ter carro também. Quando eu falo que não tenho carro, muita gente pensa que eu sou profissionalmente um fracasso. É difícil convencer as pessoas de que dá para viver assim”.

MAIS INFORMAÇÕES