Seleccione Edição
Login

Nove dias de greve dos caminhoneiros, bilhões de reais em prejuízo e más notícias para o PIB

Empresários calculam impacto da paralisação quando economia dava sinais de recuperação.

PIB do primeiro trimestre cresceu 0,4%, com participação mais tímida da agricultura

Frentista enche o tanque de carro em posto de combustível em Brasília.

Nem todos os caminhoneiros voltaram ao trabalho após uma semana de paralisações pelo país, mas os prejuízos causados pelos bloqueios nas estradas já estão bem evidentes para dezenas de setores — e longo quando a economia mostra sinais de desaceleração. O PIB brasileiro cresceu 0,4% no primeiro trimestre, informa o IBGE. O resultado era esperado, mas mostra perda de ímpeto da recuperação econômica quando comparado ao mesmo resultado do ano anterior. Em relação ao primeiro trimestre de 2017, o crescimento foi de 1,2%, menor que o avanço de 2,1% na comparação entre os quartos trimestres do ano passado e de 2016.

A agropecuária segue puxando o crescimento, mas desta vez com menos intensidade (1,4%). A boa notícia é o consumo das famílias, que apresentou alta maior do que o esperado, de 0,5%. Mas a já tímida recuperação econômica neste ano pode sofrer mais um relevante abalo por conta da greve dos caminhoneiros, de acordo com previsão da Confederação Nacional de Dirigentes Logistas (CNDL). Com perdas estimadas de 27 bilhões de reais por conta da paralisação, a CNDL prevê um crescimento em torno de 2% para o ano, menos do que os 2,5% previstos pelo Governo recentemente.

Cada setor refaz seus cálculos no momento. A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), por exemplo, calcula em até 10 bilhões de reais os impactos para a cadeia produtiva de pecuária de corte. Das 109 plantas de produção de carne do país, 107 pararam, e as duas que funcionam operam com menos de 50% da capacidade. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) calculou prejuízo de 2,9 bilhões de reais com obras paradas por falta de concreto e divulgou uma nota para pedir que outros setores não parem. "Não é hora para movimentos oportunistas. Novas paralisações, neste momento, são inaceitáveis. Cada um precisa assumir a sua parte de responsabilidade para superar essa situação. A prioridade deve ser o reabastecimento imediato e aceleração da discussão sobre os problemas estruturais do país, tais como revisão do papel da Petrobras, revisão tributária, reavaliação da matriz de transporte e investimento em infraestrutura", diz a nota.

O Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) estimou em 32,5 bilhões de reais o impacto total dos nove dias da crise dos combustíveis para a economia nacional. A ausência de atividade econômica durante esses dias teria resultado na perda de 4,7 bilhões de reais em arrecadação de impostos para a União e para as administrações estaduais e municipais. “A arrecadação tributária sobre os combustíveis é muito alta. O conjunto de produtos gasolina, diesel e álcool representa 5% da arrecadação total do país”, diz Gilberto Luiz do Amaral, coordenador de estudos do IBPT, que calcula em 110 bilhões de reais a quantidade de impostos que deve ser arrecada pelo país por meio da taxação dos combustíveis neste ano.

Petrobras

Afetada diretamente pela crise, a Petrobras voltou a respirar nesta terça-feira. Depois de uma sequência de quedas que derrubaram em um terço (cerca de 120 bilhões de reais) o seu valor de mercado, as ações da petroleira voltaram a subir (14%), puxando para cima também o índice Ibovespa, que fechou em alta de 0,95%. A empresa, aliás, já dirigiu nesta terça seus esforços para enfrentar a greve dos petroleiros, agendada para a quarta-feira, prevista para durar inicialmente 72 horas. Junto com a Advocacia-Geral da União (AGU), a Petrobras pediu uma liminar ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) para tentar impedir a greve — e obteve sucesso.

Segundo o pedido de liminar, as reivindicações dos sindicatos — entre elas a demissão do presidente da Petrobras, Pedro Parente — não são de natureza trabalhista, mas político-ideológica. A estatal calcula que uma greve no setor custaria por dia 349 milhões de reais. Os petroleiros planejam paralisar as atividades durante 72 horas, mas a ministra Maria de Assis Calsing decidiu que eles terão de pagar multa diária de 500.000 reais se pararem. "É potencialmente grave o dano que eventual greve da categoria dos petroleiros irá causar à população brasileira, por resultar na continuidade dos efeitos danosos causados com a paralisação dos caminhoneiros", escreveu a ministra em sua decisão, acrescentando que "beira ao oportunismo a greve anunciada".

Pedro Parente falou para analistas pela segunda vez em menos de uma semana nesta terça para dizer que "a mudança de periodicidade mensal para diária [nos reajustes do combustível] não foi escolha caprichosa". "Foi fundamental para que pudéssemos escolher entre margem e market share [participação de mercado]", segundo ele. "O Governo sempre ressaltou que não estava demandando mudança nas questões essenciais da política de preços. No entanto, não é segredo para ninguém que essa é uma empresa de controle e estatal e que eleições têm enorme influência", admitiu.

Os aeroportos também vão tentando normalizar a situação do tráfego aéreo no país. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) registrou "mais de 270 voos cancelados" durante a semana de paralisação dos caminhoneiros. "É estimado um prejuízo diário de mais de R$ 50 milhões, que envolve cancelamentos, pousos técnicos para reabastecimentos, no shows [passageiros que não apareceram para embarcar] e atendimento a passageiros que deixaram de embarcar", informa a associação em nota.

Enquanto a crise parece se encaminhar para o final, fica claro também que os problemas do Governo estão longe de acabar. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou nota para criticar a forma como o Palácio do Planalto pretende compensar os subsídios concedidos aos caminhoneiros. Na mensagem, a CNI "lamenta a postura do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, que, em entrevista, admitiu a intenção do governo federal de aumentar impostos para cobrir o rombo decorrente do subsídio ao óleo diesel incluído no acordo com caminhoneiros". Para a CNI, "o caminho para o Brasil sair da crise passa por se criar as condições necessárias para o país voltar a crescer" e isso envolve uma aposta" na redução de impostos para fomentar a economia, atrair investimentos e gerar mais empregos".

MAIS INFORMAÇÕES