Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Feministas chilenas exigem nas ruas uma educação não sexista

Milhares de estudantes universitárias marcham em diferentes cidades para protestar contra casos de abuso acadêmico e violência contra mulheres

Estudantes chilenas em um dos protestos.
Estudantes chilenas em um dos protestos. AFP

A nova onda feminista chilena, liderada pelas estudantes universitárias, saiu às ruas de todo o país nesta quarta-feira em uma nova demonstração de força. “A maior passeata desde 2011 foi feita por nós, mulheres: O feminismo veio para ficar!”, tuitou a porta-voz da Confederação de Estudantes do Chile (CONFECh), Araceli Farías, referindo-se aos protestos históricos de sete anos atrás que exigiam uma educação pública, gratuita e de qualidade. Desta vez, as grandes protagonistas foram as estudantes do ensino superior, às quais se juntaram as do ensino médio. A imagem de uma jovem sem sutiã ao lado de uma estátua de João Paulo II, em um dos pátios da conservadora Pontifícia Universidade Católica, é a expressão da indignação das manifestantes, que marcharam sob o lema Contra a violência de gênero, educação não sexista.

Segundo os dados oficiais dos Carabineros (polícia militar), só na capital, 25 mil pessoas participaram da passeata. Os organizadores não concordam: “Estimamos que 150 mil pessoas marcharam em Santiago e outras 50 mil em nível nacional”, diz Farías. Os protestos aconteceram também em Antofagasta, Valparaíso, Concepción, Temuco e Valdivia, entre outras cidades. “Mostramos que esse movimento é amplo e transversal na sociedade, independentemente de você ser estudante ou trabalhadora. Aponta para um problema que afeta a nós, mulheres, que somos maioria no país “, acrescenta a representante do CONFECh.

”Trinta e sete relatos de abuso este ano somente na UC. Quantas continuam caladas?” dizia um cartaz das estudantes da Pontifícia Universidade Católica. “Alerta, alerta, alerta machista. Que todo o país se torne feminista”, gritavam as milhares de mulheres que chegaram à principal avenida da capital chilena, a Alameda, onde ficam as universidades mais antigas e de maior prestígio, bem como o palácio de La Moneda, sede do Governo chileno. “Não, não, não é não. Que parte você não entendeu?”, entoavam.

As lutas mundiais pela igualdade da mulher explodiram em um campo muito específico da sociedade chilena: a universidade. Mas não é só o contexto internacional que impulsiona a mobilização das jovens: alguns casos de violência têm tido um impacto significativo na sociedade chilena, como a morte por estupro de uma menina de um ano de idade, o abuso coletivo de uma mulher de 28 e a divulgação da conduta imprópria de um conhecido diretor de televisão. Em abril, as universitárias começaram algumas ocupações em protesto contra casos de abuso sexual de estudantes e funcionárias por parte de professores. Mas as mobilizações se expandiram e dezenas de faculdades, em instituições públicas e particulares, estão paralisadas pelas jovens.

A intenção é tornar visível o sexismo na educação, melhorar os procedimentos de investigação de assédio sexual e ampliar as punições aos culpados. Mas protestam, principalmente, contra um problema estrutural: a violência contra as mulheres em todas as suas dimensões. “O lugar da mulher é a resistência”, dizia um cartaz. “Aqui se educam os machinhos”, dizia outro, de uma aluna do Liceo 1, um dos estabelecimentos femininos mais simbólicos de Santiago, à frente do Instituto Nacional. O liceu público masculino mais tradicional do país foi escola de vários ex-presidentes do Chile, mas, nas últimas semanas, seus alunos protagonizaram episódios de violência machista. Os estudantes do último ano produziram um agasalho com os seguintes dizeres: “Queria ser bissetriz para te dividir em duas e altura para passar pelo seu ortocentro”. Outro grupo de estudantes fez piada com o caso de estupro coletivo na Manada de San Fermín em vídeo postado em uma rede social. Paralelamente, está sendo investigada a denúncia de agressão sexual contra uma assistente escolar.

“A gente se torna feminista por necessidade”, disse Sofia Brito, estudante de Direito da Universidade do Chile, na manhã de terça-feira, no programa de Súbela Radio, da comediante feminista Natalia Valdebenito. Foi Brito que denunciou um destacado professor de sua faculdade e expôs o caso que acendeu o alerta feminista na educação. Sua luta continua nas ruas e nas salas de aula.

MAIS INFORMAÇÕES