Seleccione Edição
Login

Miliciano vaza nome de suposto delator e testemunha do caso Marielle

Advogado de ex-policial diz que seu cliente sofre ameaças de morte e fará "greve de fome" em Bangu 1, para onde foi transferido. Em carta, Orlando de Araújo diz que delator "não tem credibilidade"

Trecho da carta do ex-policial.
Trecho da carta do ex-policial.

O ex-policial Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicia, preso por liderar um grupo miliciano que atua em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, divulgou uma carta onde menciona o nome de quem ele considera ter testemunhado contra ele no caso Marielle. Araújo e o vereador Marcello Moraes Siciliano (PHS) foram apontados por um delator como mandantes da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, segundo reportagem do jornal O Globo publicada na terça-feira. Mas segundo Araújo, o homem que o delatou seria um miliciano que atua em uma comunidade vizinha. O parlamentar negou ter tido qualquer participação na morte da colega e de Gomes, e se disse "chateado" com a acusação.

A divulgação do nome de uma possível testemunha que colabora com as autoridades tem potencial para prejudicar as investigações. Na carta de duas páginas com um erro na data (aparece 9 de março ao invés de maio), o ex-policial afirma que vem "por meio desta esclarecer sobre os fatos que estão sendo veiculados na imprensa sobre o assassinato da vereadora Marielle e de seu motorista Anderson, que não tenho qualquer envolvimento nesse crime bárbaro". Mais à frente, Araújo cita o nome de um policial que, de acordo com ele, seria o delator. Também menciona o batalhão onde este PM atuaria. O documento foi divulgado inicialmente pelo jornal O Dia. Na reportagem, no entanto, o nome da suposta testemunha aparece desfocado. O EL PAÍS teve acesso a uma versão da carta na qual o nome e o batalhão do policial aparecem sem rasura.

Referindo-se à possível testemunha que o delatou, Araújo afirma que "o policial [nome da testemunha] não tem qualquer credibilidade haja vista o mesmo chefia as milícias do Morro do Banco [em Itanhangá, Zona Oeste no Rio] em conjunto com o tráfico de drogas da região". A reportagem não conseguiu entrar em contato com a Polícia Civil para comentar o vazamento do nome.

A versão de Araújo, segundo seu advogado

Pablo Filipe Morais Soares de Andrade, um dos advogados de Araújo, conta que a carta, escrita para "rebater toda essa inverdade”, foi entregue na tarde desta quarta-feira pelo ex-policial e divulgada por seus defensores. Questionado pelo EL PAÍS sobre o perigo de tornar público o suposto nome da testemunha, Andrade contou que o ex-policial vem se sentido “muito acuado” e que a única “solução era contar a verdade”. Ele também garante que Araújo “já era ameaçado de morte” e que inclusive "houve uma tentativa de envenenamento dentro do presídio”. Por isso, conta, seu cliente já não se alimentava com a comida da cadeia. O defensor também rebateu a informação de que a testemunha teria sido obrigada a trabalhar para a milícia de Araújo e procurado a polícia por se sentir ameaçada pelo ex-policial e pelo vereador. “Qual policial da ativa é obrigado a trabalhar para a milícia durante dois anos? Não são duas vezes, são dois anos”, argumenta.

E como Araújo, mesmo preso e com a identidade da testemunha protegida, sabe quem ela é? "Ele teve acesso ao teor do depoimento através da imprensa e deduziu que só podia ser uma pessoa", explica o advogado. Apesar de dizer que o conteúdo do relato é falso, algumas partes teriam indicado quem era o delator. "Eles de fato trabalharam juntos por dois anos, fazendo segurança desarmada em eventos, escolas de samba... Mas romperam há uns dois anos depois que Araújo descobriu que ele chefiava a milícia do morro do Banco junto com o tráfico".

O advogado também explicou que, por volta das 23h desta quarta, Araújo foi transferido do presídio de Bangu 9 para Bangu 1, de segurança máxima. “Se antes tínhamos livre acesso a ele todos os dias, até às 17h, agora só poderemos visitá-lo a cada 10 dias, com horário marcado, e teremos apenas 30 minutos para conversar. Isso é uma tentativa de silenciá-lo”. Isso também significa, segundo explica, que Araújo será obrigado a comer a comida da cadeia. “Então a partir de hoje ele está em greve fome”, garante.

Andrade também pediu para que a família de Araújo conte com proteção policial, assim como a testemunha que procurou as polícias Federal e Civil. Entre esta quarta e quinta-feira, conta o advogado, um “Honda Civic preto ficou dando volta em torno da empresa” da esposa de Araújo. A casa da família teve a cerca elétrica cortada e a porta arrombada, ele conta. Mas não havia ninguém em casa, já que a família buscou refúgio em outro lugar.

Coincidindo com a versão de Siciliano, garante que seu cliente não conhecia o vereador. "Ele só teve cinco votos em Curicica. Toda essa versão foi construída para despistar os investigadores", afirma. Mas também para "tentar incriminar Araújo", que nega ser miliciano, "em um momento em que as coisas começam a clarear nos processos em que ele responde", opina o advogado. "Ele nasceu e foi criado em Curicica. Não nega que seja uma liderança natural, como se fosse um líder comunitário, que conseguiu melhorias para a região". Sobre o fato da esposa de seu cliente ter sido flagrada com policiais militares fazendo sua segurança, explica que, por "ela também fazer revenda de ouro, já havia sofrido uma tentativa de assalto". Por isso, "achou melhor estar acompanhada com seguranças", que eram dois policiais que faziam "bicos durante a folga".

Também afirma que seu cliente, além de já ter trabalhado como vigilante, tem negócios relacionados à distribuição de água — apontado pela polícia como mecanismo de lavagem de dinheiro. "Ele tem uma casa em Vargem Pequena e seu patrimônio não é exorbitante", garante o advogado de Araújo. No dia de sua prisão, em outubro do ano passado, a Polícia Civil também prendeu quatro PMs que se apresentaram como seguranças pessoais da família, além de ter encontrado duas armas, um colete balístico e um carro blindado de Araújo. Ele foi acusado de chefiar uma milícia na região de Jacarepaguá e do Terreirão, no Recreio, de comandar disputas por território, de cobrar taxas de comerciantes e de estar envolvido em assassinatos.

O relato da testemunha divulgado por 'O Globo'

A testemunha do caso Marielle, cujo relato foi divulgado pelo jornal O Globo, pediu proteção das autoridades em troca das informações. Além de Araújo e do vereador Siciliano, o delator também mencionou os nomes de quatro homens que teriam sido escolhidos pela dupla para cometer o crime, que teria começado a ser arquitetado em junho do ano passado. Disse também que um PM e um ex-PM estavam dentro do carro que abordou o veículo de Marielle. Nesta quinta, o ministro da Segurança Pública Raul Jungmann confirmou que os personagens apontados pela testemunha, incluindo o vereador Siciliano, estão sendo investigados. "O que eu posso dizer é que estes e outros são investigados, e que a investigação no caso Marielle está chegando na sua etapa final. Eu acredito que em breve nós vamos ter resultados", garante.

Em seu depoimento à Delegacia de Homicídios, a testemunha também forneceu informações sobre os locais e datas onde teriam sido realizados os encontros entre Siciliano e Araújo. O motivo da discórdia entre os dois e Marielle teria sido provocada pela expansão de ações comunitárias realizadas pela vereadora em comunidades da Zona Oeste, bem como por sua influência em áreas cobiçadas por milicianos.

O nome do vereador já havia sido envolvido no caso Marielle após o assassinato, em 8 de abril, de um de seus assessores. Os pistoleiros que mataram Carlos Alexandre Pereira Maria teriam dito, de acordo com testemunhas, que era preciso "silenciá-lo". Siciliano havia prestado depoimento na condição de testemunha dias antes da morte do colaborador, que foi considerada queima de arquivo.

Quase dois meses após o crime, a polícia ainda não realizou nenhuma prisão no caso.

MAIS INFORMAÇÕES