Seleccione Edição
Login

Tensão aumenta na Nicarágua no quarto dia de protestos contra o Governo de Ortega

Centro de Diretos Humanos informa que 30 pessoas morreram e mais de 60 estão feridas

O sindicato patronal e a Igreja criticam a atuação dos corpos de segurança

Os manifestantes derrubaram um símbolo do Governo de Ortega.
Os manifestantes derrubaram um símbolo do Governo de Ortega. EFE

A situação piora na Nicarágua, no quarto dia seguido de protestos contra o regime de Daniel Ortega. O Centro Nicaraguense de Diretos Humanos, uma organização independente do Governo, já conta 30 mortos e mais de 60 feridos. O Executivo mantém o número de mortos em 10. No litoral caribenho foi assassinado o jornalista Ángel Gahona, do jornal televisivo local “El Meridiano”, vítima de um tiro na cabeça, de acordo com a imprensa local. Silvio Báez, bispo auxiliar de Manágua, denunciou ao EL PAÍS que os agentes antidistúrbios dispararam diversas vezes contra 2.000 jovens que protestavam no átrio da paróquia de Santiago, em Jinotepe, cidade localizada a 32 quilômetros de Manágua.

Os manifestantes se opõem a uma reforma do sistema da Previdência Social. Os protestos começaram na quarta-feira na capital, quando centenas de opositores ao Governo se juntaram em um centro comercial. Entre outras coisas, a reforma proposta por Ortega reduz as aposentadorias em 5% e aumenta as contribuições de empresas e trabalhadores para reerguer o Instituto Nicaraguense de Segurança Social (INSS). O Governo pretende arrecadar dessa forma 250 milhões de dólares (850 milhões de reais), mas os economistas alertam que as reformas atingirão as empresas e causarão desemprego.

A tensão aumentou ao longo dos dias. No sábado, a resposta do Governo veio horas depois da cúpula empresarial da Nicarágua recusar o diálogo oferecido pelo presidente e exigir o fim da repressão e respeito ao direito de manifestação dos nicaraguenses. Ortega ordenou a mobilização do Exército em cidades importantes do país, incluindo a capital, onde militares vigiavam edifícios públicos, após prédios oficiais terem sido incendiados em várias partes da Nicarágua na sexta-feira.

Na noite de sábado detonações foram escutadas em vários pontos de Manágua, enquanto a população retirava paralelepípedos das ruas para construir barricadas para se proteger do ataque dos agentes antidistúrbios e os coletivos do FSLN. Milhares de moradores da capital se manifestaram na tarde de sábado cantando o Hino Nacional e derrubando “Árvores da Vida”, monumentos de metal que são considerados símbolos do poder de Ortega na Nicarágua. Pela terceira noite consecutiva foram ouvidos panelaços na capital. Os moradores de mais idade da capital comparam a situação atual de Manágua – praticamente uma cidade fantasma – com o ocorrido há quatro décadas, quando se lutava rua a rua para derrubar a ditadura de Somoza que oprimiu a Nicarágua por quase cinco décadas.

Ortega – que não apareceu durante a crise – fez um pronunciamento ao meio dia de sábado, hora local, acompanhado pelo chefe do Exército, Julio César Avilés, em uma demonstração de força que pretendia acabar com qualquer dúvida sobre o poder do regime. O mandatário criticou os manifestantes comparando-os às quadrilhas que assolam o norte da América Central e afirmou que seu único interlocutor para sair da crise é a empresa privada. Quatro horas depois, as cúpulas empresariais recusaram a oferta de diálogo com Ortega e exigiram o fim da repressão. O que significa um ponto de ruptura nas relações entre empresários e o Executivo, o que demonstra que o Comandante está cada vez mais sozinho.

A resposta oficial foi causar uma onda de violência sem precedentes. Oficialmente o número de dez mortos se manteve, mas organizações civis já falavam em mais de vinte, entre eles o jornalista de Bluefields, Ángel Gahona. Os jornalistas independentes denunciaram que não possuíam garantias para exercer seu trabalho na Nicarágua. Até sábado pelo menos doze repórteres foram agredidos violentamente. Alguns deles, além disso, denunciaram o roubo de seus equipamentos.

A Nicarágua vive desde quarta-feira extraordinárias manifestações populares que já se transformaram em uma verdadeira rebelião contra o regime de Ortega. O mandatário tenta mostrar que tem o controle do país, mas os protestos se estenderam como pólvora. Ortega parece obstinado em utilizar a solução extrema: negar qualquer solução negociada e aumentar a repressão. O Comandante parece desprezar as lições de um passado do qual ele fez parte.

MAIS INFORMAÇÕES