Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Joaquim Barbosa sobre demora para definir candidatura: “Who cares?”

Candidatura de ex-presidente do STF anima o PSB, mas ainda não une o seu novo partido

Eleições 2018
Joaquim Barbosa chega ao PSB e é abordado pela militante Valneide. AP

Joaquim Barbosa chegou pontualmente a uma reunião agendada com a cúpula de seu novo partido, o PSB. Recebido com cartazes, faixas e bandeirolas por pouco mais de uma dezena de militantes, apenas os cumprimentou à distância, sorrindo discretamente. Abordado pela secretária nacional do movimento Negritude Socialista Brasileira, Valneide Nascimento, que queria lhe apresentar um “material feito em sua homenagem”, ele praticamente a ignorou. “Tenho um horário”, disse em um tom formal e seguiu caminhando. Foi seu pouco traquejo político que prevaleceu nesta quinta-feira de primeiro encontro com os novos correligionários.

Cercado por repórteres em sua primeira aparição pública após anunciar sua entrada na política, subiu vagarosamente os quatro lances de escadas da sede do diretório nacional do PSB, em Brasília. Ao ser questionado sobre o resultado da pesquisa do Datafolha, que o coloca com até 10% das intenções de votos e na terceira colocação, se demonstrou animado. “Para quem não frequenta ambientes públicos, órgãos públicos, não dá entrevista, leva uma vida pacata, está muito bom”. Mas ainda não admitiu sua candidatura. “Tenho minhas dificuldades de ordem pessoal. Eu ainda não consegui convencer a mim mesmo que devo ser candidato”.

Além de sua família, que, segundo ele, “não é a favor” de sua entrada na disputa eleitoral, há empecilhos partidários para essa definição. Com 11 pré-candidatos a governos estaduais, alguns dos membros do PSB temem que uma candidatura presidencial possa dificultar alianças regionais. Discurso esse rebatido pelo presidente do PSB, Carlos Siqueira. “Acredito que temos mais chances de eleger mais deputados e governadores com candidato a presidente do que sem”.

A ausência de uma confirmação, aliada a incertezas no cenário eleitoral, fazem com que o seu partido ainda siga rachado. Márcio França, governador de São Paulo, diz, por exemplo, que a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin, do PSDB, é mais “madura”. O tucano renunciou ao Governo paulista e França, que era vice, assumiu a função há quase duas semanas. Outro governador, Ricardo Coutinho, da Paraíba, afirma que a principal preocupação dos socialistas deveria ser a formação de uma frente ampla pela democracia. Seja ela com Barbosa ou não. Os dois governadores estiveram na reunião do núcleo eleitoral do partido para apresentar a legenda ao ex-presidente do Supremo. Outros sete caciques pessebistas participaram do encontro.

Indagado sobre essas distensões, Siqueira foi enfático: “Há cuidados, interrogações, mas divergências, não”. Os dirigentes dos socialistas contam com o fator outsider para alavancar a candidatura de Barbosa. Ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, sem nunca ter concorrido a um cargo político, ele é até o momento a novidade na eleição. E os números eleitorais animam o PSB. Em abril de 2014, quando o candidato do partido à presidência era Eduardo Campos (morto em um acidente aéreo naquele ano), as pesquisas lhe davam 6% da preferência do eleitorado. Agora, já de início, tem entre 8% e 10%, na terceira colocação.

Os dirigentes negam também que haja uma negociação para que Barbosa seja candidato a vice-presidente em qualquer chapa, seja de Marina Silva (REDE), Geraldo Alckmin (PSDB) ou Ciro Gomes (PDT). “Não convidamos Joaquim Barbosa para o PSB para ser vice de ninguém. Não queremos ser vice de chapa nenhuma. Quem tiver essa esperança pode se desfazer dela, porque não vai acontecer”, afirmou o presidente da legenda.

Por enquanto, não há prazo para a definição de uma candidatura presidencial - além da data oficial, de 15 agosto. “Não há razão para ter pressa”, diz Siqueira. Ao que outro dirigente do partido, o ex-deputado Beto Albuquerque complementa: “Esse processo eleitoral não será uma corrida de cem metros. Ele será uma maratona. Tem muito [Usain] Bolt que ficou pelo caminho”. Um jornalista, então, pergunta ao eventual candidato se uma demora em sua decisão poderia afetar a composição de um arco de alianças. A resposta de Barbosa, em um tom autoconfiante: “Who cares?”.

Antes de deixar a reunião do partido, Barbosa se redimiu com Valneide, aquela dirigente do movimento negro que quase não atendeu. Deu a ela um minuto de sua atenção, assinou uma ficha de associação à Negritude Socialista, recebeu um colorido ramalhete e prometeu que se reunirá com ela em outra ocasião para discutir a formação de militantes. Enfim, nesta quinta-feira, o ex-ministro e o PSB iniciaram um relacionamento que ninguém sabe qual será o seu fim. Encontram-se naquela fase de início de namoro: estão se conhecendo.

MAIS INFORMAÇÕES