Kogan desmitifica Niemeyer: “Brasília é uma cidade pensada para os carros”

Arquiteto brasileiro, conhecido por seu hábil trabalho com a luz e os espaços diáfanos, realiza seu primeiro projeto residencial de luxo na Espanha

O arquiteto Marcio Kogan, em primeiro plano, com sua equipe.
O arquiteto Marcio Kogan, em primeiro plano, com sua equipe.DIVULGAÇÃO

Marcio Kogan (São Paulo, 1952) está sentado em uma banqueta situada em um dos  jardins de seu condomínio particular de luxo (ele o chama de village), que projetou para a Caledonian, em Somosaguas, muito perto de Madr), salpicado de casas unifamiliares como cubos transbordantes de luz. Seu cabelo branco e sua barba, também branca, contrastam com a camisa negra que usa. Marcio Kogan é uma referência da arquitetura contemporânea, mas dessa que bebe da fonte do social. Próxima ao humano e a anos luz de obras faraônicas.

Mais informações

“Não gosto do rótulo de arquiteto celebridade”, confessa. “Gosto de viver com humildade. Prefiro ser bem discreto. Nas grandes obras você costuma perder o controle, se escapar de suas mãos, e eu sou um perfeccionista compulsivo. Além disso, em nosso estúdio não temos uma preocupação monetária excessiva. O principal é fazer algo com amor, bem realizado. Sou atraído pelos projetos pequenos e bonitos”, analisa.

Também não critica as grandes figuras. “Existem casos como o de Norman Foster, que tem um estúdio muito grande e ao mesmo tempo conseguiu manter a qualidade. Muitos estúdios, entretanto, cresceram muito rápido e perderam o vínculo entre a arquitetura e como as pessoas vivem na cidade”. Reconhece que a identidade de seus projetos vem do movimento modernista brasileiro, em que Oscar Niemeyer reinava, “mas com um olhar contemporâneo e tecnológico”.

Fica afastado de corrupções, grandes construtoras e obras públicas, “ainda que essas coisas, no Brasil, não afetem os arquitetos. É preciso levar em consideração que durante os anos da ditadura a maioria foi afastada das grandes obras porque era comunista. Niemeyer foi a exceção porque era um dos grandes”.

Casa projetada por Kogan perto de Madri.
Casa projetada por Kogan perto de Madri.

Kogan foi diretor de cinema (um projeto o arruinou completamente) e desenhista de móveis (“é isso que ensinam aos arquitetos: a desenhar”). É atípico até se for perguntado sobre a venerada cidade de Brasília: “É uma cidade pensada para os carros, não para que você se movimente andando. Uma vez, ao sair de um hotel, como não havia como ir a lugar algum sem carro, ficamos no bar do lobby comendo um sanduíche”.

Não sente o mesmo em relação a São Paulo, a cidade onde nasceu, mora e trabalha: “É caótica, sem planejamento, qualquer edifício é muito feio e o trânsito é absurdo, mas no final você acaba gostando dela. É mágica e te prende. Foi surgindo assim, sem planos, não como Paris ou Madri".