Oscar 2018

‘A Forma da Água’ e Guillermo del Toro conquistam a edição mais mexicana do Oscar

Academia de Hollywood reconhece em peso o movimento #MeToo e as mudanças na cultura da indústria cinematográfica

Guillermo del Toro com seus dois prêmios
Guillermo del Toro com seus dois prêmiosJordan Strauss / AP

O teatro Dolby e o mundo inteiro mal conseguiam segurar o riso quando Warren Beatty e Faye Dunaway apareceram novamente no palco para apresentar o Oscar de melhor filme. Desta vez não houve dúvida. A Forma da Água, uma história de amor com um monstro, uma protagonista muda e uma ambientação sinistra, foi o filme do ano para a Academia das Ciências e Artes Cinematográficas. E foi dirigida por um mexicano, Guillermo del Toro, que também levou o prêmio de melhor realizador.

Mais informações

O Oscar dado a Del Toro por A Forma da Água é o quarto para um diretor mexicano nos últimos cinco anos. Você leu certo. Del Toro conquistou a elite de Hollywood com uma fábula que tinha todos os elementos para nunca ser realizada, como disse ele sobre o palco, em tom de brincadeira. “Sou um imigrante, como meus compadres e como muitos de vocês”, afirmou. O filme tem também um certo simbolismo sobre a aceitação do outro. “Uma das melhores coisas que nossa indústria faz é ajudar a apagar as linhas na areia”, acrescentou Del Toro.

O México entrou pela porta da frente do teatro Dolby, subiu ao palco já no primeiro minuto e não desceu mais. Houve muitos momentos de reconhecimento aos latino-americanos nos últimos anos, acenos, prêmios para diretores, canções. Mas nada como o que se viu neste domingo. Eiza González e Eugenio Derbez apareceram como apresentadores; a canção Recuérdame foi interpretada ao vivo pelos cantores Miguel, Natalia Lafourcade e o ator Gael García Bernal. Recuérdame, aliás, ganhou a estatueta de melhor canção. O Oscar de melhor longa de animação foi para Viva – A Vida É Uma Festa, a fábula mexicana, inapelavelmente mexicana, que conquistou os Estados Unidos. Seu diretor, Lee Unkrich, disse sobre o palco que é importante que “as crianças possam ver personagens que vivem e falam como eles”. Pela primeira vez, isso não é um clichê.

Para colocar em perspectiva a importância desse momento, lá estava Rita Moreno, a primeira latino-americana a ganhar um Oscar (Amor, Sublime Amor, 1962). Moreno costuma contar que precisava exagerar seu sotaque e que, por causa do tom da sua pele, foi condenada em sua carreira a ser a atriz étnica de plantão, qualquer que fosse a etnia. Minutos antes de começar a cerimônia, as atrizes Eiza González e Gina Rodríguez tiravam fotos com Moreno no saguão do teatro Dolby. Sobre o palco, ela foi aplaudida de pé. Hollywood já tinha descoberto os diretores mexicanos. Este foi o ano em que abraçou o México propriamente dito, independentemente do que viesse a acontecer com Guillermo Del Toro.

Sobre o palco se ouviu um “Viva o México” e também um “Viva a América Latina”. O Chile finalmente ganhou o primeiro Oscar da sua história, com a comovente Uma Mulher Fantástica, um filme fácil de ver nas salas de cinema de Los Angeles, o que já é muitíssimo em se tratando da categoria de filme em língua não inglesa. Subiram para receber o troféu os verdadeiros padrinhos do cinema chileno atual, Pablo Larraín e Juan de Dios Larraín, o diretor Sebastián Lelio e a extraordinária Daniela Vega. A elite de Hollywood reconheceu Vega com uma ovação especial quando Lelio mencionou seu nome.

O cineasta chileno destacou aos jornalistas que a história transcorre num país “onde o Estado não reconhece a existência dos transexuais”. “Espero que este prêmio e a repercussão que ele traz ajudem a dar relevância a um assunto que é urgente. Um transexual não é uma pessoa de segunda classe”, disse.

É difícil recordar uma edição do Oscar em que os prêmios de melhor interpretação não tivessem nenhuma emoção. Nenhum deles. Os troféu para Sam Rockwell (Três Anúncios Para Um Crime) e Allison Janney (Eu, Tonya) nas categorias de coadjuvantes, e para Gary Oldman (O Destino de Uma Nação) e Frances McDormand (Três Anúncios) nas de protagonistas foram praticamente por aclamação, depois de os quatro ganharem todos os prêmios anteriores desta temporada.

Weinstein e o #MeToo

Fora do México, o Oscar de 2018 será lembrado como o ano do #MeToo, claro. De alguma maneira, a cerimônia mais importante de Hollywood tinha que reconhecer a profunda mudança cultural, impensável há apenas seis meses, que inicialmente revelou a extensão inimaginável do assédio sexual na indústria cinematográfica e em seguida se ampliou para liderar uma mentalidade de redenção que está se estendendo a todos os âmbitos profissionais.

Assim como fez Chris Rock há três edições com a polêmica sobre a ausência de indicados negros, o apresentador Jimmy Kimmel abordou o elefante na sala desde o começo. A estatueta do Oscar, disse, “é o homem mais respeitado de Hollywood”. “Tem as mãos onde você consegue vê-las, e não tem pênis”, ironizou. Também fez referência a Harvey Weinstein, o predador sexual cuja queda precipitou a mudança, mas não o trucidou sobre o palco, como fizeram outros apresentadores neste ano. Levando-se em conta o nível que o MeToo alcançou, as referências de Kimmel ao assunto soaram protocolares, mas um protocolo necessário.

A Academia já havia preparado seu próprio reconhecimento ao que está acontecendo na indústria. Subiram ao palco Ashley Judd, Annabella Sciorra e Salma Hayek, três das vítimas com os relatos mais inquietantes sobre Harvey Weinstein. As duas primeiras tiveram suas carreiras destruídas na década de noventa. O mesmo quase aconteceu com Hayek. As três mulheres apresentaram um vídeo em que vozes como as de Ana du Vernay, Mira Sorvino e Kumal Nanjiani relatavam que Hollywood começou de maneira decidida a mostrar na tela protagonistas mulheres, afro-americanos, mexicanos, índios…

Este foi o ano de Viva – A Vida É Uma Festa, Doentes de Amor, Mulher-Maravilha e Pantera Negra. Grandes sucessos impensáveis há apenas um ano, como disse Kimmel. Geena Davis recordava que depois de Thelma e Louise (1991) parecia que tudo iria mudar na representação das mulheres nos filmes, e não foi assim. Esse segmento foi, portanto, a forma de desejar que “a promessa desta noite”, como disse Hayek, não seja uma mera curiosidade dentro de mais 27 anos. Tudo terminou com um momento televisivo único. Sobre o palco, Frances McDormand proporcionou “um pouco de perspectiva”. Pediu a todas as mulheres indicadas em todas as categorias nesta edição do Oscar que se levantassem, para que todo mundo visse quem e quantas eram.

Kobe Bryant ganhou um Oscar pelo curta Dear Basketball, talvez o único prêmio que a cidade de Los Angeles ainda não havia dado ao ex-astro dos Lakers. Foi premiado o documentário Ícaro, que revela a trama de doping olímpico promovida pelo Governo russo. James Ivory recebeu o primeiro Oscar de sua carreira pelo roteiro adaptado de Me Chame Pelo Seu Nome. É a pessoa mais idosa a receber um Oscar até hoje, aos 89 anos. Tem poucos meses menos que a Academia, que neste domingo celebrou seu 90º. aniversário. Talvez ela tenha iniciado também o caminho para resistir por mais tanto tempo.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete