Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Nicolás Maduro terá opositor nas eleições da Venezuela em 22 de abril

Henri Falcón, acusado de ser alinhado com o regime venezuelano, rompeu com a oposição e decidiu concorrer nas urnas

Eleições na Venezuela
Henri Falcón, durante um evento em Caracas AP

Parece estar pronto o quadro de candidatos das eleições presidenciais convocadas pelo Governo da Venezuela para 22 de abril. O opositor Henri Falcón, do partido Avançada Progressista, que compõe a Mesa da Unidade Democrática da Venezuela (MUD), decidiu apresentar sua candidatura rompendo o boicote às eleições pactuado por ampla maioria das forças de oposição.

O prazo do Conselho Nacional Eleitoral para a apresentação das candidaturas expirou na terça-feira. Com a recente retirada de Claudio Fermín, a ausência de partidos e candidatos de oposição será quase total. Além de Falcón, formalizaram candidatura o presidente Nicolás Maduro, pelo Partido Socialista Unido da Venezuela, o Partido Comunista da Venezuela, o Pátria Para Todos e outras legendas aliadas; Francisco Visconti, general da reserva que participou do levante militar chavista de 1992; o pastor evangélico Javier Bertucci; Reinaldo Quijada, do partido Unidade Política Popular; e o empresário Luis Alejandro Ratti. Todos os candidatos, exceto Maduro e agora Falcón, são “testemunhais” e concorrem por legendas políticas muito pequenas. Com exceção de Falcón, que milita na MUD e abandonou as fileiras chavistas em 2008, os demais se identificavam total ou parcialmente com o chavismo até tempos muito recentes.

Além de seu partido, Falcón é apoiado pelo Movimento ao Socialismo e pelo partido social-cristão Copei, duas legendas que tiveram grande influência na política venezuelana do século XX e que hoje são minoritárias. Juntos decidiram não acatar a decisão tomada pela Mesa da Unidade Democrática, a aliança de partidos da oposição democrática venezuelana que decidiu se retirar das eleições denunciando a existência de uma estrutura fraudulenta organizada por Maduro.

Falcón e seus partidários admitem a existência de um formato que dá vantagem ao regime, mas argumentam que isso só pode combatido com presença nas mesas de votação e um ambiente de participação maciça nas urnas. Afirma que, se a população se mobilizar em torno de uma proposta, são claras as chances de vitória em virtude do descrédito de Maduro. Mais da metade da população identificada com a oposição – quase 65% do eleitorado, segundo as pesquisas – não quer participar da consulta presidencial de 22 de abril.

Líder dos setores mais moderados da Unidade Democrática, Falcón lida há anos com adversários políticos e militantes que, de maneira crescente, suspeitam de sua postura conciliadora e o consideram um dirigente colaboracionista, disposto a pactuar com o chavismo para potencializar seu perfil pessoal em detrimento da MUD, prestando-se a uma decorosa derrota que valide a convocatória de Maduro, em um papel similar ao desempenhado por parte da oposição do Zimbábue ou da Nicarágua.

Militante chavista até 2008, por anos governador do estado de Lara, é um dirigente reformista, um social-democrata que defende o consenso como procedimento, que gosta de dialogar com o setor privado e que há anos trabalha para ocupar espaços no centro político buscando um cenário de transição.

Falcón ocupa invariavelmente o terceiro lugar entre os líderes da oposição nas preferências expressas nas pesquisas, atrás de Leopoldo López e Henrique Capriles Radonski, os dirigentes mais populares do país, hoje impedidos de participar devido aos rigores da legislação chavista. Nas eleições de 2012, foi proposto como vice-presidente na chapa de Capriles. Sua estratégia consistiu em influenciar os setores mais moderados de ambos os lados, procurando forjar um cenário pós-polarização que também inclua o chavismo desencantado e que o tenha como centro de gravitação. A equipe política que o acompanha se mostra confiante de poder derrotar Maduro se o país se mobilizar e não abandonar o voto como ferramenta. Atribuem a má imagem de Falcón e seu espírito conciliador a uma operação política que subsiste só nas redes sociais e que está divorciada do sentimento popular nas ruas.

A candidatura de Falcón, o único que pode ser considerado relevante na organização das eleições, foi recebida com indiferença e ceticismo pela maioria dos analistas e parte importante da população, que não acredita em suas chances de vitória e acha difícil Nicolás Maduro convocar eleições sem ter a certeza de que vai vencer.

 

MAIS INFORMAÇÕES