_
_
_
_

Margot Robbie se transforma na obsessiva patinadora Tonya Harding

Estreia nesta sexta-feira ‘Eu, Tonya’, filme que rendeu a ela uma indicação para o Oscar de melhor atriz

Margot Robbie durante a festa dos Prêmios Bafta 2018.
Margot Robbie durante a festa dos Prêmios Bafta 2018.HANNAH MCKAY (REUTERS)

É preciso ter certa idade para se lembrar de Tonya Harding, a estrela norte-americana da patinação no gelo que protagonizou um enorme escândalo esportivo nos Jogos Olímpicos de 1994 ao ser envolvida em uma trama para lesionar sua rival Nancy Kerrigan. A atriz australiana Margot Robbie, de 27 anos, nunca tinha ouvido falar daquele episódio até que caiu em suas mãos o roteiro de Eu, Tonya, uma biografia pouco convencional da personagem e com toques de humor obscuro que lhe rendeu sua primeira indicação para o Oscar de melhor atriz.

Mais informações
Isadora Williams se apresenta na final da patinação artística nos Jogos Olímpicos de Inverno
Objetificação de torcedoras em programa esportivo une clubes rivais contra assédio
Oscar 2018 ao vivo: siga a cobertura em tempo real

"No início pensei que se tratava de uma história de ficção, mas, quando comecei a checar os fatos reais, o que mais me impressionou foi a bola de neve em que o escândalo acabou se transformando e como as mulheres são retratadas na mídia, como são facilmente rotuladas", diz Robbie durante uma entrevista em Londres, cidade onde morou antes de se mudar para Los Angeles e para a qual retornou no último fim de semana como candidata ao prêmio BAFTA. Apesar de não ganhar, a dupla indicação em ambos os lados do Atlântico impulsionou a projeção da intérprete graças à interpretação, com muitas nuances, de uma mulher que mal chegou a acariciar o sonho americano antes de se tornar a vilã do espetáculo.

O "incidente" – conforme define a própria atriz – foi manchete na imprensa mundial há quase duas décadas e meia. Tonya Harding era acusada de conspirar para que um indivíduo atingisse o joelho de Nancy Kerrigan, membro de sua mesma seleção nacional de patinação nos Jogos Olímpicos de inverno de Lillehammer (Noruega). A federação acabou vetando de forma vitalícia a volta de Tonya às pistas de gelo depois que seu ex-marido, Jeff Gillooly, confessou ter sido o mentor da trama. A competidora agredida conseguiu subir ao pódio com uma medalha de prata.

A personagem de Kerrigan, então apelidada "o anjo" em contraposição à "malvada" Harding, quase não aparece durante as duas horas do filme. Uma decisão que Robbie justifica, em sua também condição de produtora da fita: "Nunca quis dar essa visão de duas mulheres antagonistas que tanto agrada à mídia e aos roteiristas". "A história não trata dos vínculos entre Tonya e Nancy, que não eram próximas, mas da relação que tinha com as pessoas que mais influenciaram sua vida, como a mãe e o marido", salienta a atriz sobre os outros dois protagonistas do filme, interpretados por Allison Janney e Sebastian Stan.

Janney, ganhadora do BAFTA na categoria de melhor atriz coadjuvante e firme candidata ao Oscar, brilha no papel de uma mãe da classe operária de Portland (Oregon) que pressiona a filha de maneiras indescritíveis para transformá-la em uma campeã. Eu, Tonya mostra a evolução dessa menina, que aos 4 anos já ganhava troféus de patinação, em uma adolescente "livre, motivada e forte sobre o gelo", nas palavras de Robbie, mas vulnerável e alvo dos abusos da mãe e do namorado. A atriz australiana assumiu um difícil desafio interpretando Tonya desde os 15 anos e ao longo das três décadas seguintes, em um relato que pretende "humanizá-la" com suas luzes e sombras.

A estrutura narrativa do filme, com contínuos saltos no tempo, baseia-se em versões contraditórias do "incidente" que o roteirista Steven Rogers extraiu de suas entrevistas com Tonya e seu ex-marido. Esses testemunhos revelam uma história tão dolorosa quanto, às vezes, divertida, que reflete com um humor que beira o absurdo a fealdade e a violência na vida privada de uma patinadora que saltou para a fama depois de ser a primeira de seu país a executar o salto Axel triplo em um campeonato internacional. Robbie treinou durante vários meses para imitar as coreografias de Tonya (embora as execuções mais difíceis tenham ficado a cargo de uma dublê). Mas, sobretudo, estudou obsessivamente os muitos vídeos da esportista disponíveis nas redes sociais para copiar seu caráter físico.

A recompensa chegou com a indicação ao Oscar – cuja decisão será conhecida em 4 de março – que ela define como "um marco na carreira". Ainda lembrada na Austrália por sua estreia na telenovela Neighbours, e com um pé em Hollywood desde sua participação no filme O Lobo de Wall Street, sob direção de Scorsese, Margot Robbie mira alto para levar adiante seus próprios projetos. A produtora que criou e está por trás de Eu, Tonya busca promover "personagens femininas fortes" que, para ela, não são "mulheres perfeitas, mas mulheres interessantes em sua força e em suas fraquezas". Como é essa heroína impossível chamada Tonya Hardin.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_