Wall Street cai mais de 4% em outra jornada de volatilidade extrema

Queda em pontos é a segunda maior da história. A taxa de juros dos bônus sobe e atinge o nível mais alto em quatro anos

Um corretor da bolsa acompanha a evolução dos índices em Wall Street.
Um corretor da bolsa acompanha a evolução dos índices em Wall Street.SPENCER PLATT (AFP)

A tensão se instalou em Wall Street. Nesta quinta-feira, o índice Dow Jones voltou com força à tendência de baixa e fechou a sessão com uma queda de 4,1%, depois de perder 1.033 pontos pelo caminho. É a segunda maior queda na história do índice, que ficou abaixo dos 24.000 pontos. Como aconteceu na segunda-feira passada — um dia em que o Dow Jones viveu um estrondo histórico —, a atenção dos investidores se volta para o mercado de bônus, pelo temor de uma alta no preço do dinheiro, e isso faz a volatilidade disparar no pregão.

Mais informações

William Dudley, presidente do Federal Reserve de Nova York, voltou a minimizar a queda dos mercados dizendo que isso não põe em risco a expansão econômica. “É pouca coisa”, afirma, ao mesmo tempo em que reitera que a alta gradual de taxas deve ser interpretada como um sinal de confiança na solidez da economia. Mas suas palavras não adiantaram muito e Wall Street está prestes a ter sua pior semana desde outubro de 2008, em plena crise financeira.

O mercado de bônus aumenta sua rentabilidade e os investidores desviam aí seus juros, enquanto vendem ações para colher benefícios ante a perspectiva de que a Bolsa siga uma tendência de baixa. O Dow Jones e o S&P 500 acumulam uma queda superior a 10% desde o último pico em 26 de janeiro, o que os coloca tecnicamente na zona de correção. Estão no nível do final de novembro. A Nasdaq também caiu quase 4%.

A Casa Branca insiste que os fundamentos da economia são sólidos. Mas o risco inflacionário fez a taxa de juros das letras do Tesouro a 10 anos voltar a subir nesta quinta-feira depois do pobre leilão de quarta-feira e se fortaleceu em 2,9%, o mais alto em quatro anos. É um nível similar ao alcançado há quatro dias. O índice de volatilidade do mercado de futuros subiu 25% ao final do pregão e voltou a ficar acima dos 30 pontos, reflexo da tensão entre os investidores.

Uma semana de oscilações

Os mercados iniciaram a sessão ligeiramente em negativo, mas as vendas começaram a tomar corpo à medida que os juros dos bônus subiam. A grande pergunta é se o mercado de dívidas está tentando dizer alguma coisa que os investidores não sabem. O Dow Jones voltava assim a se afastar dos 25.000 pontos que alcançou na quarta-feira antes de fechar. Evaporava, com isso, quase tudo o que havia sido recuperado nas duas jornadas anteriores.

A volatilidade reina. É a quarta queda em cinco dias, contando com a primeira de sexta-feira. O Dow Jones perdeu 1.175 pontos na segunda-feira. Na terça-feira o medo se estendeu às bolsas asiáticas e europeias, que fecharam em vermelho. No mesmo dia, o mercado dos Estados Unidos repicou e marcou 567 pontos. Na quarta-feira perdeu 381 pontos. Os estrategistas já previram que os próximos dias seriam movimentados, porque o mercado tenta se manter em sintonia com a nova perspectiva de juros depois de um 2017 excepcionalmente tranquilo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: