Fórmula 1

A Fórmula 1 abre mão das ‘grid girls’

Organizadores alegam que a presença das belas mulheres ao lado dos pilotos não está de acordo com as “normas sociais atuais”

Uma ‘grid girl’ no Grande Prêmio Brasil de 2017
Uma ‘grid girl’ no Grande Prêmio Brasil de 2017

É uma das imagens mais recorrentes do espetáculo da Fórmula 1: de um lado do piloto, com a bandeira ou o número na mão, contratadas para ser vistas, como acessório de uma competição 100% masculina. São as modelos da Fórmula 1, as grid girls, e não voltarão a um Grande Prêmio.

Mais informações

A Liberty Media, proprietária da Fórmula 1 desde 2016, tomou uma decisão que acaba com uma das tradições mais fincadas no passado e habituais no esporte do motor. E o faz, também, com uma argumentação explícita e reveladora: “Embora a prática de empregar recepcionistas tenha sido um elemento básico da Fórmula 1 durante décadas, acreditamos que esse costume não combina com os valores de nossa marca e está claramente em desacordo com as normas sociais atuais. Não acreditamos que a prática seja apropriada ou relevante para a Fórmula 1 e seus torcedores, os antigos e os novos, em todo o mundo”, afirmou o diretor comercial de operações da Fórmula 1, Sean Bratches.

É uma das decisões mais importantes tomadas pela nova direção da Fórmula 1, que curiosamente há alguns meses, quando analisou pela primeira vez esse assunto, não contemplava entre suas prioridades fazer mudança alguma. A medida entrará em vigor no primeiro grande prêmio da temporada, no último fim de semana de março em Melbourne. “Durante o ano passado analisamos uma série de áreas que sentimos que era necessário atualizar para estar mais em sintonia com nossa visão deste grande esporte”, acrescentou Bratches no comunicado.

“Uma sociedade liberal não trata disso. Sou a favor de que os pilotos/equipes decidam se preferem rapazes ou moças de grid – ou crianças de grid. Em Marrakech, essas crianças estavam muito entusiasmadas por estar lá. Uma experiência para a vida inteira para algumas delas”, critica Lucas Di Grassi, campeão da Fórmula E há duas temporadas e ex-piloto de Fórmula 1 na Virgin em 2010, em sua conta no Twitter.

A eliminação dessa figura da Fórmula 1 segue o exemplo de outros esportes, como o ciclismo, onde algumas competições já tomaram decisões semelhantes. O Tour Down Under, na Austrália, foi a primeira corrida a dar esse passo no início do ano passado. A Volta a Catalunya seguiu o mesmo caminho e pouco depois a Vuelta a España limitou e modificou o papel das garotas, mantendo-as no pódio, mas com outro protocolo, que não inclui, por exemplo, o beijo aos vencedores. O Giro e o Tour ainda não acabaram com essa tradição.

Paralelamente, o debate também agitou o mundo do motociclismo, principalmente depois de uma proposta de Ganhemos Jerez (grupo político ligado ao partido Podemos), apoiada pelo Partido Socialista e pela Esquerda Unida, na qual pediu a eliminação das garotas do paddock. “Durante muitos anos o papel das mulheres nas competições esportivas no mundo do motor e no nosso circuito em particular restringiu-se a um papel ornamental, hipersexualizado e às vezes vexatório”, argumentou o grupo político. Diante das críticas ao sexismo, os organizadores do Campeonato Mundial afirmaram que manteriam as garotas. Algumas delas, consultadas por este jornal, defenderam seu trabalho e criticaram que outros decidiam em seu lugar: “Somos contratadas para sermos vistas. Essa é nossa principal função, mas também estamos com as pessoas no paddocke no hospitality, tentamos tornar o fim de semana um pouco mais divertido e também estamos com os clientes da marca, tiramos fotos...”.