Champions League

Manchester United e Sevilla se enfrentam pelo preço dos ingressos

Ambos os clubes, que jogam pelas oitavas de final da Champions League, aumentaram os preços do setor visitante; clubes cobrirão parte das entradas de suas torcidas

Imagem da torcida do Sevilla.
Imagem da torcida do Sevilla.Getty Images

Mais informações

Sevilla e Manchester United travam uma batalha devido ao preço dos ingressos cobrados para torcedores visitantes durante a próxima eliminatória das oitavas de final da Champions League, que será disputada nesta quarta (21 de fevereiro) e 13 de março. A disputa começou quando o Sevilla comunicou o preço dos ingressos para os torcedores do Manchester United: 100 euros (400 reais). O clube andaluz aumentou o preço desses lugares (contra o Liverpool cobrou 60 euros, ou 240 reais, na fase de grupos) considerando a importância da partida e a disponibilidade limitada de ingressos.

Segundo fontes do clube andaluz, o Manchester United não se manifestou quando o preço dos ingressos foi informado. Além disso, ressaltam que não houve nenhuma reunião na sede do sorteio das oitavas, na Suíça, para organizar a questão dos ingressos, já que representantes da equipe inglesa não estavam presentes no evento. Em um contato posterior, o United informou ao Sevilla que o preço dos ingressos para os torcedores do clube espanhol na Inglaterra seria de 56, 57 e 67 euros (entre 224 e 268 reais), para um total de 2.995 entradas.

No entanto, a notícia dos 100 euros por ingresso para a partida causou desconforto entre os torcedores do United, que começaram a manifestar suas queixas ao clube inglês e até mesmo para organizações como a Football Supporters Europe. Os ingleses mostraram insatisfação com os preços cobrados pelo clube espanhol, considerando que os torcedores do Liverpool só tiveram que pagar 60 euros. A pressão feita pelos fãs do United, um clube com torcida mundial e de enorme força, provocou a reação do clube britânico. O Manchester United, depois de perguntar ao Sevilla se seria possível baixar o preço dos ingressos para seus torcedores e receber uma resposta negativa, decidiu também cobrar 100 euros pelos ingressos para os aficionados do clube andaluz. Uma medida considerada pelo Sevilla como sem propósito e unilateral. Além disso, o clube do Sevilla lamenta que o United não ceda, como é obrigatório, 5% do total de lugares para os visitantes, deixando a porcentagem em 4,1%.

A Associação de Torcedores do Manchester United também conseguiu que o clube cubra parte do preço da entrada para os torcedores que decidam ir a Sevilha, de modo que não paguem mais do que os 60 euros cobrados de seus compatriotas do Liverpool. O United dará 40 euros a cada torcedor que deseje ver a partida. A princípio, o United não era favorável à realização de ações desse tipo, pois a medida poderia criar um perigoso precedente. As equipes rivais veriam como um bom negócio aumentar o preço dos ingressos nos jogos contra o United, já que seus torcedores contariam com o apoio do clube e acabariam pagando o preço solicitado.

A situação é tão impressionante que o Sevilla respondeu à medida da equipe inglesa também pagando parte do preço dos ingressos para seus torcedores. "O Sevilla informa que subsidiará os ingressos de seus torcedores que se desloquem a Manchester no mesmo valor do aumento dos preços inicialmente comunicados, assim não pagarão mais do que os 60 euros estabelecidos em um primeiro momento", destaca o Sevilla. "Pedimos à UEFA que verifique que um ‘sevillista’ não pague um centavo a mais do que um torcedor britânico para ingressos similares", acrescenta o clube andaluz. O Sevilla lamenta a “prepotência” adotada pelo clube inglês.

A legislação da UEFA sobre ingressos é vaga. Os clubes são livres para cobrar os preços que considerem apropriados em seus estádios, embora haja uma limitação. Não é permitido cobrar mais por uma entrada para um torcedor visitante do que para um torcedor local na mesma área do estádio.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete