_
_
_
_
_

Neymar dribla, mas Cristiano Ronaldo finaliza cinco vezes mais

Português toca menos na bola, mas chuta mais e fica mais próximo do gol; diferença ficou clara na vitória do Real Madrid por 3 a 1 contra o PSG

Cristiano Ronaldo abraça Neymar ao fim da partida.
Cristiano Ronaldo abraça Neymar ao fim da partida.GABRIEL BOUYS (AFP)
Mais informações
Com dois gols de Cristiano Ronaldo, Real Madrid vira sobre o PSG na Champions League
Paparicado ou perseguido? O sucesso de Neymar entre dois extremos
AO VIVO | PSG x Real Madrid pela Champions League: acompanhe o segundo jogo

O vestiário do Real Madrid celebrou a vitória por 3 a 1 contra o PSG no jogo de ida das oitavas de final da Champions com gritos de raiva contida. O time sabe que falta o jogo de volta em Paris, daí a cautela. Os mais felicitados foram Cristiano Ronaldo, Asensio, Lucas Vázquez e Nacho. “Neymar é um craque”, comentavam os jogadores do Real Madrid depois do jogo. O brasileiro recebeu um abraço de consolo de CR7, trocou camisas com Sergio Ramos e foi direto para o vestiário. Na equipe madrilenha, lembravam na noite de quarta-feira a familiaridade com que Neymar entrava em julho no vestiário do Real Madrid depois do clássico contra o Barcelona, em Miami. Desta vez, ele se manteve distante depois do jogo.

O duelo no Santiago Bernabéu foi vencido por Cristiano Ronaldo. Deu 48 toques a menos na bola que Neymar, mas finalizou cinco vezes mais (10 chutes, em comparação com dois do brasileiro) e marcou dois gols. O primeiro foi de pênalti, o segundo, aproveitando um rebote com o joelho dentro da pequena área. Um gol à moda de Raúl González, de esperteza, e porque o português estava onde precisava estar. O mapa de calor do jogo evidencia que Cristiano se movimentou intensamente dentro da área rival e ao redor da marca do pênalti.

Neymar, por sua vez, ocupou toda a zona esquerda do meio-campo para a frente, e parte da direita. Sua influência no jogo e no resultado, no entanto, foi muito mais limitada. Criou três chances de gol, mas só chutou uma vez na meta. Mal se associou com seus companheiros de ataque. Passou a bola sete vezes para Mbappé e uma para Cavani, mas não recebeu passes de nenhum dos dois. O que mais o buscou foi Yuri Berchiche (22 passes), lateral-esquerdo. Os companheiros a quem Neymar deu mais passes foram Dani Alves e Berchiche (8).

Buscando protagonismo

Zidane advertia na véspera que o jogo não era um duelo entre Neymar e Cristiano Ronaldo, e sim entre o Real Madrid e o PSG. No entanto, as atenções estavam voltadas para o brasileiro e o português. Em primeiro lugar, porque alguns consideram Neymar o substituto natural de Cristiano Ronaldo no Real Madrid. Em segundo, porque o português está pedindo há meses um salário à altura do de Neymar (e do de Messi). Em terceiro, porque os dois jogadores são o destino do jogo de seus times. Cristiano fez sua parte com eficiência e sem sofrer uma só falta. A movimentação de Neymar foi mais vistosa (deu 13 dribles, por exemplo), mas em áreas pouco perigosas.

O brasileiro de 26 anos saiu do Barcelona porque queria ser o principal jogador, porque não queria viver à sombra de Messi, porque queria ser o astro maior, não um a mais entre outros, e porque queria canalizar o jogo de sua equipe. No Barcelona, o jogo não terminava nele, ou pelo menos não sempre. No PSG de quarta-feira, ele pareceu ser o destinatário do jogo, mas acabou não produzindo resultado. Talvez porque não tenha à sua volta a mesma estrutura que no Barcelona, talvez porque o trio de ataque do time francês esteja cada vez mais desconectado. Isso ficou evidente no Bernabéu.

Neymar custou 222 milhões de euros (896 milhões de reais) ao PSG. O dono do clube francês, que desembolsará outros 180 milhões de euros (726 milhões de reais) por Mbappé (está emprestado com opção de compra), queria reforçar a equipe para conquistar a Champions. O caminho ficou mais difícil. Para Neymar também. O brasileiro jogou tão nervoso que recebeu um cartão amarelo já aos 15 minutos, por dar um chute por trás em Nacho. Fez jogadas requintadas, demonstrou sua habilidade nos embates homem a homem e sua velocidade com a bola nos pés, mas não conseguiu ser eficiente. Pelo menos, não tanto quanto Cristiano Ronaldo.

Duelo de estrelas

Em espanhol, o mapa de calor e as estatísticas dos dois jogadores durante Real Madrid 3 x 1 PSG.
Em espanhol, o mapa de calor e as estatísticas dos dois jogadores durante Real Madrid 3 x 1 PSG.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_