Cinco notícias que você pode ter perdido durante as festas de fim de ano

Indulto de Natal de Temer (e no Peru), oferta da Boing pela Embraer e três fatos mais

Universitários protestam em universidade Teerã.
Universitários protestam em universidade Teerã.

O ano de 2018 começa para valer na maior parte do Brasil nesta quarta-feira. Será ano de Copa do Mundo (leia análise da nossa seleção e veja as tabelas), de eleições no Brasil e na América Latina (leia um panorama completo) e de muita tensão no mundo (nosso guia para acompanhar as principais tensões geopolíticas). Abaixo listamos o que aconteceu de relevante e que você pode ter perdido por causa da merecida pausa paras as festas. Feliz ano novo!

Brazilian national flag is seen behind Embraer Bandeirante's airplane tail at the company's plant in Sao Jose dos Campos

Embraer e Boeing negociam fusão, mas última palavra é de Temer

Governo brasileiro tem "ação de ouro", que lhe dá poder de vetar negociação que já estava em curso, em uma das empresas mais emblemáticas do país

Crise no Irã se agrava e número de mortos em protestos de rua chega a 20

Manifestantes questionam as políticas econômicas do Governo, o que indica o fracasso das tentativas de aproximar diferentes setores sociais. Um menino de onze anos está entre os mortos

Cármen Lúcia suspende indulto de Natal de Temer e joga decisão final para fevereiro

Presidenta do Supremo atendeu a questionamento da procuradora-geral Raquel Dodge, que considerou formato do indulto de Temer, mais frouxo que nos anos anteriores, inconstitucional

Intensos protestos em Lima contra o presidente pelo indulto a Fujimori

Protestos contra o presidente do país, Pedro Pablo Kuczynski, ocorreram após o indulto concedido por ele a Alberto Fujimori, aumentando a sangria na equipe do presidente peruano. Lava Jato pressiona peruano

Novo salário mínimo entra em vigor no Brasil, onde Governo espera crescimento de 3% em 2018

O salário mínimo foi reajustado de R$ 937 para R$ 954 neste primeiro de janeiro. As perspectivas econômicas são melhores após a grande recessão, mas rombo nas contas públicas segue sendo preocupante