Playboy

Hugh Hefner proíbe drogas e álcool a seus herdeiros se quiserem sua herança

Testamento do fundador da 'Playboy' estabelece que sua viúva e filhos também devem gastar de modo responsável

O fundador da 'Playboy' Hugh Hefner na Mansão Playboy em 2006.
O fundador da 'Playboy' Hugh Hefner na Mansão Playboy em 2006.Kevork Djansezian (AP)

Mais informações

A viúva e os filhos de Hugh Hefner têm de se manter distantes das drogas e do álcool e gastar de modo responsável se quiserem herdar a fortuna do fundador da Playboy, avaliada em 43 milhões de dólares (142 milhões de reais). Assim estabeleceu o empresário antes de morrer, segundo revelou agora o jornal The Blast.

Hefner, que faleceu em 27 de setembro aos 91 anos, estipulou no testamento que se os beneficiários de seu patrimônio abusarem de substâncias ilegais ou se tornarem dependentes de álcool terão a herança interditada. Esses beneficiários são sua esposa Crystal Harris (de 31 anos) e seus quatro filhos: Christie (65), David (62), Marston (27) e Cooper (26).

Estas cláusulas estabelecem que se os administradores da herança consideram que algum dos beneficiários consome alguma substância ilegal que não esteja definida nos documentos também podem ter a fortuna suspensa. “Se os curadores acham que o beneficiário não pode cuidar de si mesmo ou não pode administrar seus assuntos financeiros, todas as distribuições serão suspensas”, dizem os documentos obtidos pelo jornal The Blast. Para isso ficou definido que os administradores podem solicitar um teste de drogas a um beneficiário que suspeitem esteja abusando de substâncias ilegais e, caso os resultados sejam positivos, o beneficiário poderá recuperar seus direitos depois de um ano de sobriedade absoluta.

Hugh Hefner e Crystal Harris, em uma foto de 2011. 
Hugh Hefner e Crystal Harris, em uma foto de 2011. FRED PROUSER (REUTERS)

Em outra das cláusulas, o falecido empresário deserda e exclui “qualquer pessoa que afirme ser meu filho, incluindo qualquer filho concebido depois de minha morte, a menos que essa criança tenha vivido comigo em minha casa e tenha sido reconhecida por mim como filha”.

Hefner fez seu testamento em 21 de maio de 1991 e nomeou a si mesmo administrador legal até sua morte. Como segunda administradora estava sua secretária Mary O’Connor, mas ao falecer em 2013 o dono da Playboy optou por incluir sua esposa e seus quatro filhos como curadores. Os dois menores, Marston e Cooper, só poderão se tornar administradores depois de completarem 30 anos.

Os irmãos Cooper Hefner e Christie Hefner em agosto passado na Califórnia.
Os irmãos Cooper Hefner e Christie Hefner em agosto passado na Califórnia.GETTY IMAGES

Estas condições do testamento do lendário editor chamam a atenção pela vida de excessos de que Hefner sempre se vangloriou em sua Mansão Playboy, um icônico lugar em festa permanente e rodeado de exuberantes modelos, com toda Hollywood entre os convidados.

Um estilo de vida que tempos depois acabaria revelando um lado mais sinistro. Pelo menos duas mulheres declararam à Justiça que foram drogadas e sofreram abusos sexuais por parte do ator Bill Cosby na Mansão Playboy durante essas festas. Hugh Hefner chegou a ser processado pessoalmente como cúmplice do ator na agressão.

O dono da revista masculina por excelência, que morreu por insuficiência cardíaca “rodeado dos entes queridos” em sua residência, foi enterrado junto à sua diva Marilyn Monroe no Westwood Village Park, em Los Angeles. Monroe foi capa da primeira edição da revista que Hefner publicou, em 1953.

Hugh Hefner e Cooper Hefner, na Mansão Playboy em 2014.
Hugh Hefner e Cooper Hefner, na Mansão Playboy em 2014.GETTY IMAGES