Assédio sexual

Senador democrata Al Franken anuncia renúncia depois de acusações de assédio sexual

Saída deverá acontecer nas “próximas semanas”. É a primeira vítima política de alto escalão das denúncias feitas nas últimas semanas nos EUA

O senador Al Franken ao anunciar que irá renunciar.
O senador Al Franken ao anunciar que irá renunciar.REUTERS

O senador democrata Al Franken anunciou nesta quinta-feira que renunciará “nas próximas semanas”, sob pressão de seu próprio partido, depois que oito mulheres o acusaram de assédio sexual. Franken, figura emergente e um dos nomes cotados como candidato democrata para as eleições presidenciais de 2020, é a primeira vítima política de peso da onda de denúncias de assédio feita contra personalidades nos Estados Unidos e que derrubou de seus postos executivos de Hollywood, estrelas da televisão e empresários.

Mais informações

As acusações contra Franken, 66 anos, senador desde 2009, se referem a acontecimentos ocorridos entre 2003 e 2010. As mulheres o acusam de tê-las beijado e tocado sem o seu consentimento. Depois das primeiras denúncias, o parlamentar, eleito por Minnesota, pediu desculpas, embora tenha também questionado algumas das versões e solicitado que seu caso seja submetido à Comissão de Ética do Senado.

Mas o destino de Franken, um rosto bastante conhecido de muitos norte-americanos por causa dos anos em que trabalhou como comediante na televisão antes de entrar para a política, deu uma virada de 180 graus nesta quarta-feira, quando surgiu a acusação mais recente. Foi a primeira vinda de uma ex-funcionária do Congresso, que afirma ter sido beijada por ele à força durante uma entrevista em 2006, quando o humorista ainda não era senador. No Capitólio, que tem sido criticado nas últimas semanas pela falta de transparência no caso das denúncias de ordem sexual, desencadeou-se rapidamente um furacão que tornou a permanência de Frankel insustentável.

Sob o impulso de um grupo de senadoras democratas, formou-se um verdadeiro clamor em defesa de sua renúncia. Ao final do dia, 35 dos 48 senadores democratas, incluído o líder da bancada, Chuck Schumer, exigiram a renúncia do senador por ter uma “obrigação maior” perante seus eleitores e o Senado. O mesmo foi feito pelo presidente do Comitê Nacional Democrata, Tom Pérez.

Em seu pronunciamento nesta quinta-feira no Senado, em que falou com serenidade, Franken afirmou que irá renunciar por causa “do povo de Minnesota” e que não pode atuar como senador efetivamente enquanto a Comissão de Ética não decidir sobre o seu caso, o que pode levar meses para acontecer. “Esta decisão não diz respeito a mim”, declarou, voltando a questionar algumas das acusações. “Algumas alegações contra mim simplesmente não são verdadeiras, e de outras eu me lembro de uma forma bem diferente”, defendeu.

A saída de Franken ocorre dois dias depois de o congressista democrata John Conyers, o mais antigo parlamentar da Câmara de Representantes, anunciou, sob pressão, que se afastaria após várias mulheres o terem acusado de assédio; uma delas chegou a dizer que foi demitida depois de ter se recusado a dormir com ele.

As consequências desses dois casos são contrastantes com as do caso de Roy Moore, candidato a senador republicano pelo Alabama denunciado por ter beijado e tentado se relacionar com meninas menores de idade quando tinha 30 anos. Inicialmente, o comando do Partido Republicano pediu a Moore que renunciasse à participação no pleito, que se realizará na próxima terça-feira, mas, nos últimos dois dias, o presidente Donald Trump lhe transmitiu total apoio e o partido voltou a financiar sua campanha.

Nesse contexto, Franken avaliou como algo irônico o fato de ele se demitir ao mesmo tempo em que “um homem que alardeou em uma fita o seu histórico de ataques sexuais se senta no Salão Oval”. Trata-se de uma alusão a uma gravação de Trump de 2005 divulgada durante a campanha eleitoral do ano passado em que ele afirma que “quando você é uma estrela”, as mulheres o deixam fazer “qualquer coisa”, como agarrá-las pelos genitais. Depois da difusão da gravação, várias mulheres acusaram Trump de assédio sexual.

Uma ironia do mesmo tipo, segundo o senador democrata, coloca os republicanos na frente de um espelho incômodo. Referindo-se a Moore, ele lamentou que um homem que “assediou meninas repetidamente faça campanha para o Senado com total apoio de seu partido”.

Apesar da renúncia, Franken disse que “não está abandonando a sua voz” e prometeu continuar atuando como ativista em causas progressistas. O governador democrata do Minnesota nomeará um substituto para ocupar a sua cadeira até as eleições de novembro de 2018, quando será renovado um terço do Senado e os democratas esperam conquistar a maioria, o que poria em xeque a pauta legislativa de Trump.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50