Trump chama Kim Jong-un de “gordo e baixo” depois de ser xingado de “velho lunático” pela Coreia do Norte

A nova escalada de insultos chega durante a reta final da viagem do presidente dos Estados Unidos à Ásia

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o Líder Supremo norte-coreano Kim Jong-un.
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o Líder Supremo norte-coreano Kim Jong-un.REUTERS

Mais informações

Insultos, armas nucleares e tuítes. O planeta nunca assistiu a uma combinação tão explosiva em uma escalada nuclear. Na reta final de sua viagem à Ásia, o presidente Donald Trump, de 71 anos, não conseguiu resistir e, depois de ter sido chamado de “velho lunático” pelos meios de comunicação públicos da Coreia do Norte, voltou a lançar no sábado um bombardeio contra seu inimigo favorito: o Líder Supremo, Kim Jong-un, de 33 anos. “Por que Kim Jong-un me insultaria, me chamando de velho, quando eu nunca o chamei de baixo e gordo? Bom, tento tanto ser amigo dele, e talvez um dia isso aconteça!”

As águas pareciam ter se acalmado. Em sua viagem ao Japão, China, Coreia do Sul e Vietnã, o presidente dos EUA se concentrou no fortalecimento de alianças para estreitar o cerco a Pyongyang e acabar com seu acelerado programa balístico e nuclear. Durante esses dias, não foram vistas grosserias em suas relações com líderes anteriormente maltratados, como o presidente chinês, evitou problemas, como a sangrenta questão dos direitos humanos. Tudo foi subordinado ao objetivo norte-coreano, a verdadeira linha mestra da diplomacia norte-americana.

Essa estranha calma veio abaixo depois que os EUA e a Coreia do Sul fizeram uma demonstração de força com manobras militares sem precedentes e Pyongyang manifestou sua reação à viagem. “Ninguém pode prever quando o velho lunático da Casa Branca vai perder a cabeça e começar uma guerra nuclear”, disse o regime por meio de veículos de comunicação públicos. “Nunca poderão nos assustar ou frear nossos avanços. Eles nos empurram a acelerar os esforços para a grande causa, a força nuclear nacional”, afirmou a agência estatal KCNA. Algumas horas depois, veio a reação de Trump, um político que nunca deixa um ataque sem resposta.

Não é a primeira vez que ambos os líderes se provocam. Em setembro, quando estreou na Assembleia Geral da ONU, o presidente norte-americano ameaçou a Coréia do Norte de “destruição total” se colocasse a segurança dos EUA em risco e chamou Kim Jong-un de “homem-foguete”.

O tirano norte-coreano não deixou por menos. “Com certeza vou domar com fogo o americano desequilibrado e senil”, soltou em um discurso transmitido pela televisão, no qual também ameaçou com uma resposta contundente. “Farei que o homem que tem a prerrogativa do comando supremo nos Estados Unidos pague muito caro por seu discurso. Agora que Trump insultou tanto a mim quanto ao meu país aos olhos do mundo, e fez a mais feroz declaração de guerra da história, que destruirá [a Coreia do Norte], consideraremos seriamente a implementação de uma contramedida correspondente, do maior nível de dureza”, afirmou.

Desde então, embora a tensão nunca tenha se dissipado, a escalada verbal tinha ficado estacionada. De costas um ao outro, os dois Governos continuaram suas estratégias. Agora, com a nova série de insultos, os ares da instabilidade voltaram a soprar.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50