_
_
_
_

Quando entregas feitas por cidadãos comuns tornam cidades sustentáveis

Evolução do comércio eletrônico e das leis sobre a circulação de caminhões estimula a criação de soluções como o crowdshipping

Crowd: multidão. Shipping: remessa. Juntando-se as duas palavras, surge um conceito cada vez mais conhecido entre os que se interessam por transportes, logística e mobilidade urbana. No espírito da economia colaborativa, o crowdshipping propõe usar cidadãos comuns – a pé, de bicicleta ou no meio de transporte que tiverem – para fazer entregas. Empreendedores, entregadores e consumidores precisam simplesmente se cadastrar em um aplicativo para se conectarem.

Mais informações
Retrato de uma comunidade muçulmana
Venda de maconha nas farmácias do Uruguai esbarra na resistência dos bancos
Óleo de maconha, a crescente busca por um remédio no mercado clandestino
A saga do partido Frente Favela Brasil: “Nem de esquerda nem de direita, eu sou preto”

Em todo o mundo, os serviços de crowdshipping estão crescendo impulsionados pelo varejo online, que deve movimentar US$ 4 trilhões em 2020, segundo a empresa de pesquisa eMarketer. Com o crescimento do comércio eletrônico, aumenta a necessidade de sistemas de entrega no mesmo dia, e o crowdshipping pode complementar as entregas por caminhão com veículos mais leves e fáceis de manobrar, já que cada vez mais cidades têm leis restringindo a circulação de caminhões.

"Da mesma forma como estimulamos projetos que permitam maior uso de transporte público e não motorizado, precisamos que os produtos cheguem às cidades. Portanto, a logística urbana é uma parte vital das cidades sustentáveis", explica a especialista em Transportes Bianca Alves, do Banco Mundial.

O crowdshipping dá às empresas a promessa de economia – pois elas não precisam montar uma estrutura de transportadora – e a possibilidade de uma nova fonte de renda para várias pessoas, mas também exige regulamentos para funcionar bem. O vídeo discute alguns aspectos que devem ser considerados quando se pensa em soluções logísticas inovadoras para as cidades do futuro.

Mariana Kaipper Ceratti é produtora online do Banco Mundial

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_