Berlusconi propõe moeda paralela na Itália e mercado reage

Declarações foram feitas em meio a um clima anti-europeu cada vez maior no país

Silvio Berlusconi no primeiro plano, com sua ex-mulher Veronica Lario ao fundo da imagem
Silvio Berlusconi no primeiro plano, com sua ex-mulher Veronica Lario ao fundo da imagemCordon Press

O risco-país da Itália disparou, nesta terça-feira, ao seu nível máximo nas três últimas semanas depois que o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi defendeu a ideia de introduzir no país uma moeda paralela ao euro.

Mais informações

Durante o dia, o rendimento das obrigações italianas a 10 anos chegou a subir nove pontos básicos até atingir seu máximo, nas últimas três semanas, de 2,13%. O avanço no encerramento da jornada, de sete pontos, foi o maior em um só dia no último mês. Analistas consideram que a alta se deve às declarações que Berlusconi, líder do partido de centro-direita Forza Italia, fez durante o fim de semana. Outros fatores, como a incerteza diante das próximas decisões do Banco Central Europeu (BCE), também influenciaram.

“Todos os países mais importantes do mundo, dos Estados Unidos ao Reino Unido, da Rússia à China e ao Japão, combateram a crise econômica imprimindo moeda. É o que nós deveríamos fazer também”, afirmou o antigo chefe de Governo à revista Libero. Berlusconi pretende chegar ao poder nas eleições do ano que vem à frente de um bloco de direita com a Liga Norte que rivalize com o polo de centro-esquerda de Matteo Renzi e os populistas do Movimento 5 Estrelas.

“A proposta de duas moedas, uma nacional para as transações internas e outra comum para as externas, é semelhante à que tínhamos nos anos oitenta e noventa com a lira e a Unidade Monetária Europeia (ECU)”, afirmou o magnata, dando asas ao temor de que, se chegar ao Governo, ele pretenda criar uma moeda paralela ao euro. Essas declarações vêm à tona em meio a um clima anti-europeu cada vez maior na terceira economia da zona do euro.

A ideia de uma divisa paralela poderia ajudar Berlusconi a encontrar pontos em comum com a Liga Norte, um partido anti-imigração, e com a força direitista Irmãos Italianos, segundo declarou à Reuters Lorenzo Codogno, professor da London School of Economics.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: