Morre Jerry Lewis

Jerry Lewis e seu filme maldito sobre o Holocausto

Em ‘The Day The Clown Cried’, ator é palhaço que alegra crianças judias a caminho de câmaras de gás

Jerry Lewis, em um fotograma no campo de concentração de ‘The Day The Clown Cried’
Jerry Lewis, em um fotograma no campo de concentração de ‘The Day The Clown Cried’

Mais informações

É curioso como muitos comediantes a certa altura de sua carreira decidem saltar para o drama em busca do reconhecimento que acreditam faltar em seu currículo. No fim de sua trajetória profissional, Jerry Lewis rodou Max Rose (2013) em uma absurda competição para seu ansiado Oscar – apesar de já ter recebido um, o humanitário – que não deu em nada... porque era um filme chato e lamentável. Para surpresa de muitos, não era seu primeiro esforço no drama. O anterior, The Day The Clown Cried, de 1972, foi o grande escorregão em sua filmografia... segundo o próprio Lewis, que foi quem fez desaparecer o filme no qual fazia o papel de um palhaço que, preso em um campo de extermínio por fazer piada com Adolf Hitler, alegra as crianças judias a caminho das câmaras de gás. Uma espécie de flautista de Hamelin do Holocausto. O comediante— que morreu aos 91 anos neste domingo, 20 de agosto— teve controle absoluto da produção e do material, e terminado o longa-metragem, decidiu que ninguém mais o veria. O que aconteceu?

No início dos anos 1970, Jerry Lewis estava em uma de seus habituais turnês na França, onde era idolatrado. Depois de uma atuação no teatro Olympia em Paris, veio conversar com ele um produtor húngaro, Nathan Wachsberger, que possuía os direitos de um roteiro escrito por Joan O’Brien e Charles Denton uma década antes (pode ser lido na íntegra na Internet). Ninguém queria protagonizar aquela história porque parecia uma péssima ideia. E talvez fosse verdade, ainda que, décadas mais tarde, A Vida é Bela se aproximasse com bastante semelhança do mesmo tema. O protagonista, Helmut Doork, é um palhaço preso pela Gestapo por rir do Führer. Enviado a um campo de concentração, começa a alegrar a vida dos detentos, até que os nazistas o confinam na solitária. No entanto, seus carcereiros descobrem que podem utilizar seu talento para entreter as crianças judias no transporte a Auschwitz e na entrada para as câmaras de gás. Doork, para salvar a própria vida e sem querer encarar a realidade de que está sendo usado, acompanha as crianças. O filme – pelo menos o roteiro – acaba com os pequenos abraçando o palhaço e perguntando: “Aonde vamos, Helmut?” Cantando e rindo, todos – inclusive ele – entram na câmara de gás e as portas se fecham.

Para Lewis, o projeto parecia atraente. Ele mesmo o dirigiria, reescreveria o roteiro, protagonizaria e captaria parte do financiamento. Não parecia tão difícil. Assim, no início de 1972, perdeu quase 20 quilos, realizou a pré-produção em Paris e contratou Harriet Andersson (descoberta por Ingmar Bergman) para interpretar sua esposa, a estrela francesa Pierre Étaix e o alemão Anton Diffring – famoso por Fahrenheit 451 e O Desafio das Águias – para interpretar o nazista que tornava sua vida impossível.

Assim que começaram a filmagens em Estocolmo, Wachsberger desapareceu e com ele o dinheiro e as câmeras. Mesmo assim, Lewis terminou as filmagens, montou o filme, não houve acordo sobre quem detinha os direitos... e veio o silêncio.

Até que, décadas mais tarde, pessoas que tinham visto a versão preliminar começaram a falar. A roteirista Joan O’Brien contava que tinham escrito a história de um egoísta em busca da redenção e que Lewis tinha mudado todo o roteiro, porque queria rodar seu próprio O Grande Ditador (o comediante contava que o primeiro filme que o fez rir foi outra obra-prima de Charles Chaplin, Tempos Modernos). No Festival do Cannes de 2013, Lewis protagonizou uma entrevista coletiva fantástica... até que lhe perguntaram sobre The Day The Clown Cried. Sua fisionomia se alterou, mudou de tom e disse: “Não gosto de falar desse filme e espero que continue ali, no baú: era ruim. Escrevi, dirigi e era ruim, porque perdi a magia. E espero que ninguém o recupere. O artista deve ter a possibilidade de tomar essas decisões”. Depois retornou a seu bom humor: “Trabalhei muito, estou orgulhoso. Quando repasso toda minha carreira, sinto-me tão cansado que nem me levanto do sofá.” Havia uma única cópia do filme, estava com ele e não a mostrava nem a seus filhos.

Há dois anos o Los Angeles Times anunciou que o filme (a cópia positivada, o negativo desapareceu) foi doado à Biblioteca do Congresso. Pouco depois o The New York Post confirmou o destino final de The Day The Clown Cried: o Library’s Packard Campus for Audio Visual Conservation, em Culpeper (Virginia), onde têm permissão de Lewis para começar a exibi-lo a partir de... junho de 2024.

No ano passado, de repente, apareceu no YouTube e no Vimeo uma compilação de 30 minutos de sequências e momentos de filmagem procedente, na maior parte, de um documentário alemão de 2013. O que se vê ali? Pouco, mas o suficiente para entender o imenso risco do projeto, a loucura de um drama que Lewis nunca quis que seu público conhecesse.