Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Arquitetura calma para uma era turbulenta

'Arquitetos da arte', Caruso e St John falam sobre sua estética e criticam especuladores e políticos

Peter St John (à esquerda) e Adam Caruso em seu escritório
Peter St John (à esquerda) e Adam Caruso em seu escritório

Quando o canadense Adam Caruso (1962) e o britânico Peter St. John (1959) fundaram, em Londres, a Caruso St John Architects, em 1990, a capital britânica – um tanto abandonada, bastante turbulenta, mas ainda ‘com espaço’– era sua fonte de inspiração. Mas a megalópole em que se transformou agora não causa a mesma fascinação neles. “É deprimente”, confessa Caruso sobre o horizonte da cidade. “Os últimos 15 anos parecem em relação aos excessivos anos oitenta um paradigma de ética, prudência e responsabilidade. Londres está cheia de edifícios que são meros instrumentos financeiros; são vendidos a milionários que os querem apenas como um investimento. Enquanto isso, outras partes do país recebem pouco financiamento. É uma loucura”. “É difícil não nos sentir um pouco excluídos. A cidade é muito diferente daquela que no nosso começo parecia sugestiva”, acrescenta St John.

Ambos começaram trabalhando, embora não ao mesmo tempo, para o arquiteto Florian Beigel e, depois, se encontraram na Arup, uma multinacional de arquitetura que era o oposto do escritório que decidiram abrir: contido em tamanho e metódico na abordagem. Sediado em uma antiga fábrica em Bethnal Green, a leste de Londres (embora em 2010 abriram outro escritório em Zurique), Caruso St John foram batizados como ‘os arquitetos da arte’ pela sua sensibilidade na hora de intervir em projetos museológicos; eles foram responsáveis pela renovação da Tate Britain, da galeria Newport Street (edifício que lhes rendeu o prêmio RIBA Stirling Prize 2016), o centro de arte Nottingham Contemporary, ou várias galerias Gagosian.

“Muitos arquitetos afirmam estar interessados na arte, mas na realidade acreditam que isso arruína seus edifícios; nunca foi o nosso caso”, dizem eles. Ao contrário de muitos de seus contemporâneos, a maior parte de seu trabalho vem de concursos públicos e não do frenesi dos promotores imobiliários. Um exemplo recente é o projeto para o monumento em memória às vítimas do Holocausto ao qual concorrem em Londres com os artistas Rachel Whiteread e Marcus Taylor, um projeto que já está entre os finalistas. “É algo que vale a pena fazer ganhando ou não, porque você contribui para um discurso”.

Eles também trabalharam em edifícios muito ambiciosos (como o estádio de hóquei no gelo dos ZSC Lions, em Zurique, ou o novo laboratório da Universidade de Basileia) e projetos mais modestos, como a criação da nova cadeira para o organista da catedral de Canterbury. E isso é, justamente, o que melhor define a dupla: abraçam a diversidade em proporções, estilos e estética, subordinando cada projeto às necessidades específicas e ao contexto físico, cultural e histórico. “Estamos interessados na natureza das coisas em toda a gama de ambientes, e nos atraem projetos que têm uma relação muito social com uma cidade histórica. Nossa ideia da arquitetura tem muitos tons e escalas, e esse ecletismo se tornou de alguma forma o nosso estilo”, diz St John. “Não é uma ideia que se encaixe na corrente dominante dos dias de hoje, nem que seja fácil de vender àqueles que estão acostumados a tomar decisões em cinco segundos”, afirma Caruso. Talvez por essa perspectiva tão anticomercial, trabalham mais no continente do que no Reino Unido. E se como arquitetos eles têm o olhar mais focado na Europa, como pessoas consideram o Brexit simplesmente inexplicável. “Trump ou os políticos pró-Brexit... Todos falam de dar o poder às pessoas, mas na realidade é uma grande manipulação; é a última tentativa de um grupo de homens brancos e velhos de demonstrar seu poder”, diz o canadense, indignado. “Mas nós nunca fomos isolacionistas”, acrescenta St John. “Ao contrário, queremos contribuir com o debate em nosso país”.

María Contreras: esta jornalista especializada trabalha há 15 anos para a Vogue. Durante esse tempo, passou de redatora a subeditora da revista, posição que ocupou até o fim de 2015. Atualmente, escreve para esta coluna de Londres.

MAIS INFORMAÇÕES