Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os advogados temidos pela China quase tanto quanto o Nobel da Paz Liu Xiaobo

A maioria dos 300 ativistas, dissidentes e líderes religiosos detidos em uma operação em 2015 foi solta mas sofre sequelas de saúde e ostracismo

O célebre advogado de direitos humanos Li Heping finalmente voltou para casa em maio. Passou 22 meses detido sob suspeita de "subversão contra o Estado". Sua mulher, Wang Qiaoling, a princípio não o reconheceu. A filha do casal, tampouco. "Achei que era algum amigo que o estava acompanhando. Parecia um daqueles homens saídos de um campo de concentração nazista", recorda a esposa. Magérrimo, pálido, com o cabelo quase completamente branco, era uma sobra do outrora elegante legista, de cabelo preto brilhante e que jamais deixava de aparecer em público vestindo terno e gravata.

Esposas de dissidentes em um protesto. À esquerda, Wang Qiaoling.
Esposas de dissidentes em um protesto. À esquerda, Wang Qiaoling. EL PAÍS

O regime chinês deixou claro que não está disposto a ceder com aqueles que considera uma ameaça para a estabilidade. O prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo, o homem que Pequim tinha como seu inimigo político número 1 e condenado a 11 anos de prisão por subversão, morreu na quinta-feira sob custódia, sem que o Governo permitisse que viajasse e morresse no exterior, como desejavam o dissidente e sua família. Liu era o mais proeminente, mas não o único. O professor Ilham Tohti, defensor dos direitos dos uigures (uma minoria de muçulmanos), cumpre pena de prisão perpétua desde 2014 em uma penitenciária de Xinjiang. E nesta semana foram marcados os dois anos da ampla campanha governamental contra os advogados de direitos humanos, incluindo o agora o grisalho Li Heping.

Mais de 300 ativistas, advogados e representantes religiosos foram detidos no que ficou conhecido na China como a “Campanha 709”, por causa do dia 9 de julho, o dia de 2015 em que começaram essas prisões. Apesar de a maioria ter sido gradualmente libertada, cinco ainda não recuperaram a liberdade: dois continuam presos; dois outros esperam julgamento; do quinto, Wang Quanzhang, não se tem notícia alguma há dois anos. Muitos dos que voltaram denunciaram torturas e sofrem problemas de saúde. E até mesmo depois de sua libertação, continua a perseguição das autoridades, que os impede de prosseguir com uma vida normal.

Li Heping, condenado a três anos de cadeia em abril e em liberdade condicional desde maio, era um dos mais proeminentes. Cristão praticante, à frente do escritório Feng Rui, assumiu por 15 anos a defesa de ativistas políticos e ambientalistas, praticantes da seita Falun Gong e o célebre dissidente cego Chen Guangcheng, agora exilado nos Estados Unidos. Foi detido em 10 de julho de 2015.

“Os primeiros seis meses foram os piores. Ele foi torturado. Não o deixavam dormir. Era obrigado a permanecer imóvel durante 12 ou 15 horas seguidas, sentado ou em posturas forçadas. Se ele se movia, castigavam-no terrivelmente. Até dormindo tinha que estar imóvel, senão o despertavam. Acorrentaram seus pés e mãos, obrigando-o a ficar encolhido. Mas, acima de tudo, foi obrigado a tomar um medicamento. Um homem de avental branco veio e lhe disse que estava com pressão alta. Mas ele nunca teve pressão alta! Aquele remédio, que nunca soubemos o que era, provocou visão embaçada e muita dor muscular. Ao sair, os amigos lhe perguntavam: ‘Heping, você podia ler na prisão?’. Ele respondeu que não, que os remédios alteraram sua visão”, relata sua esposa.

As detenções desses profissionais “tiveram um efeito paralisante sobre as ONGs e outros grupos” da malha social chinesa, segundo o advogado e ativista Teng Biao, exilado nos Estados Unidos. Em uma entrevista por telefone, Teng ressalta que a campanha contra os advogados coincidiu com a aprovação de uma série de leis que buscam um controle maior sobre os cidadãos, da cibersegurança à luta contra o terrorismo.

Na mente da liderança chinesa continuam muito presentes acontecimentos históricos como a queda da União Soviética e os recentes levantes populares da Primavera Árabe. Pequim quer evitar esse tipo de situações em seu território, a todo custo. E, na óptica das autoridades, os advogados, como defensores daqueles que reclamam seus direitos e protestam contra os abusos, “representam um desafio direto aos líderes”, segundo um dos legistas que tentou defender os colegas. Apesar de simplesmente se limitarem a exigir justiça com a lei de que se dispõe.

Li, que hoje sofre de descalcificação por causa da falta de luz solar durante sua prisão, não é o único que foi submetido a torturas. O advogado Xie Yang, outro membro do grupo, denunciou em janeiro, através de seu defensor, surras, posições forçadas e privação de sono constante. O irmão de Li Heping, Li Qunfu, também funcionário do escritório Feng Rui, voltou para casa pouco antes dele, em um estado ainda mais deplorável. “No começo, tinha episódios de esquizofrenia. Tinha muito medo, gritava que tínhamos que estar sempre dentro da zona de vigilância. Voltou com fraturas nos joelhos e na bacia, e com o pâncreas castigado. Tem um gênio muito mais teimoso. Exigiu que os guardas o tratassem com respeito... Levaram-no para a sala das caldeiras e começaram a bater nele”, conta Wang, sua cunhada, uma mulher risonha e extrovertida que, admite, em outros tempos nunca imaginou que trocaria seu papel de dona-de-casa pelo de líder de uma campanha pela libertação de seu marido e seus companheiros.

Mas Wang Qiaoling insiste que continuará seu ativismo até que o último dos prisioneiros volte para casa. E ao grupo de advogados especialistas em direitos humanos seguem se somando jovens interessados em defender a justiça. Aqueles ainda capazes de exercer continuarão aceitando casos difíceis. Apesar das pressões, o panorama ainda guarda esperanças para essa profissão. Segundo defende o exilado Teng Biao, “eles sabem dos riscos. Estão conscientes de que existe a possibilidade de pressões, perseguições e prisões. Mas se não seguirmos nossos princípios, nossa consciência, se não lutarmos pelos direitos humanos e pela liberdade, o custo será muito alto”.

EM LIBERDADE, MAS NÃO LIVRES

Macarena Vidal Liy

Sempre suspeitos, até mesmo depois de sua libertação, os ex-detidos ainda não são livres nem podem se integrar na sociedade. Não só é improvável que se permita que voltem a exercer suas profissões, como Wang Qiaoling denuncia ter sido obrigada a mudar de casa duas vezes, depois que seu proprietário recebeu pressão para despejá-la. “Instalaram uma câmera diante da porta; há pessoas constantemente vigiando a entrada para saber quem entra e quem sai. Quando saio, sempre alguém me segue”, conta. Seu marido recebeu instruções de não falar com a imprensa, principalmente a estrangeira.

Li Wenzu, esposa do desaparecido Wang Quanzhang, se encontra em condições semelhantes. Precisou mudar de casa em várias ocasiões, e seu filho foi rejeitado em creches públicas e particulares. Wang Yu, a advogada cujo desaparecimento representou o início da campanha, está sob prisão domiciliar junto com seu marido e filho em sua casa ancestral na Mongólia Interior.

MAIS INFORMAÇÕES