Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um dos maiores icebergs da história está a ponto de se soltar

O bloco de gelo, com quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo, está por um fio na Antártida

iceberg
Vista aérea da rachadura na barreira de gelo Larsen C, na Antártida.

Um enorme bloco de gelo está a ponto de se soltar da barreira Larsen C, na Antártida ocidental, ao sul do continente americano. O fragmento resultante, de cerca de 6.000 quilômetros quadrados de superfície, quatro vezes a cidade de São Paulo, seria “um dos maiores iceberg jamais registrados”, segundo informou a Agência Espacial Europeia (ESA) em um comunicado. O órgão vigia a barreira com a missão Cryosat, um satélite capaz de detectar mudanças de dois milímetros nas camadas de gelo antárticas.

A rachadura em Larsen C mede 200 quilômetros de comprimento e sua extremidade está a apenas cinco quilômetros do oceano. Se finalmente se desprender, o iceberg, de 190 metros de altura e 1.155 quilômetros cúbicos de gelo, pode representar “um perigo para o tráfego marítimo”, segundo a ESA. Em dezembro de 2015, o deslocamento de um iceberg de tamanho semelhante em torno da banquisa de Brunt deixou em alerta a base científica Halley, do British Antartic Survey do Reino Unido.

O iceberg poderia chegar até às ilhas Malvinas, segundo a pesquisadora Anna Hogg

“Ainda não estamos seguros do que vai acontecer em relação a este iceberg de Larsen C. De fato, podem se desprender vários blocos e dividir-se pouco depois de se soltar. Seja inteiro ou em fragmentos, as correntes oceânicas podem arrastá-lo para o norte, chegando até às ilhas Malvinas. Assim, poderia colocar em risco a passagem dos barcos pela Passagem de Drake”, explica no comunicado a pesquisadora Anna Hogg, da Universidade de Leeds.

O satélite europeu Cryosat, lançado em 2010, sobrevoa os polos a 720 quilômetros de altitude. Utiliza um instrumento de radar que detecta mudanças ínfimas na espessura do gelo mediante sinais de rádio que ricocheteiam na superfície. Um atraso do eco significa que a espessura diminuiu. A ESA estuda o gelo do Ártico e da Antártida para compreender os verdadeiros efeitos da mudança climática nos polos. Nos últimos anos, o nível do mar subiu cerca de três milímetros por ano com o derretimento do gelo, segundo algumas estimativas.

No entanto, o desprendimento em Larsen C não está necessariamente relacionado ao aquecimento global. Esse tipo de desprendimento de icebergs é normal nos polos. O recorde é do B-15, um iceberg de mais de 11.000 quilômetros quadrados que no ano 2000 se separou da barreira de gelo de Ross, também na Antártida.

MAIS INFORMAÇÕES