O primeiro sem-teto da Antártida à beira do despejo

Há quase 30 anos, Jaroslav Pavlicek construiu a única base privada do continente gelado Agora, o local pode ser demolido por falta de segurança

Efrat Nakash

Mais informações

Procuram-se voluntários de qualquer idade — incluindo crianças e portadores de deficiência — para experimento de sobrevivência extrema na Antártida. A estadia mínima é de um mês e meio e a máxima de um ano. Os custos, de até 5.000 euros (mais de 15.000 reais), ficam a cargo dos voluntários. Hospedagem e alimentação gratuitas.

Esse é o anúncio colocado por Jaroslav Pavlicek no site da base Eco-Nelson. Em 1989, o cidadão tcheco chegou à inóspita ilha Nelson, a 700 quilômetros do cabo de Hornos, e começou a construir um abrigo perto de uma praia onde não se forma gelo e as temperaturas oscilam entre os 3o e os 11o negativos. Seu objetivo era causar o menor impacto possível. Proibiu o uso de detergente, sabão, xampu ou pasta de dentes. Os pratos deviam ser lambidos até ficarem limpos. Cada voluntário podia trazer somente oito quilos de objetos pessoais e, ao partir, devia levar consigo todos os seus resíduos. A base é equipada com colchões de palha, aquecedor, alguns livros: o essencial para viver. O lema: “Mantenha-se ocupado, ajude os outros”.

Esse enclave se tornou a única base privada da Antártida, o que abre um perigoso precedente para o turismo em um continente consagrado às atividades científicas e onde há uma proteção ambiental especial. Em 2015, já com 72 anos, Pavlicek continuava viajando à Eco-Nelson. O EL PAÍS não conseguiu contatá-lo, mas, no ano passado, ele ainda enviava emails convidando voluntários interessados em visitar sua base a realizar um estágio de sobrevivência preliminar na República Tcheca.

Pavlicek deixou a faculdade de filosofia em 1968, quando os tanques invadiram a Tchecoslováquia, e foi trabalhar como transportador nos Montes Tatras. Ali se interessou por alpinismo e sobrevivência em ambientes extremos. A partir da década passada começou seus experimentos na base antártica, onde passava alguns meses por ano. No site da base, em que relata sua biografia, há fotos de crianças e adultos nas instalações.

Estado atual da base Eco-Nelson.
Estado atual da base Eco-Nelson.Tratado Antártico

Em janeiro de 2015 uma inspeção oficial acionou os alarmes. Representantes do Reino Unido e da República Tcheca se surpreenderam ao encontrar alguém morando naquele refúgio coberto de neve quase até o teto. Alguns cômodos estavam cheios de gelo e havia um alto risco de desmoronamento. Os equipamentos de emergência eram escassos e os poucos remédios do estojo de primeiros socorros estavam vencidos havia mais de 10 anos. O próprio Pavlicek disse aos investigadores que crianças de sete anos ou mais estiveram na base realizando exercícios de sobrevivência junto com seus pais. Para chegar todo ano e conseguir provisões, o aventureiro contava com a solidariedade de habitantes das bases na vizinha ilha do Rei George, assim como de cruzeiros privados que levam turistas à região. Em seu relatório para os 52 países signatários do Tratado Antártico, que regula as atividades no continente, os inspetores recomendaram demolir a base e limpar toda a área. Um ano mais tarde, uma nova inspeção, a cargo de Chile e Argentina, voltou a visitar a base. Encontraram boias de pesca, latas velhas e um motor de lancha jogado na praia, e voltaram a recomendar o desmantelamento. Pavlicek não estava mais ali.

A israelense Efrat Nakash conheceu Pavlicek em 2004. Passou algumas horas na base com um grupo de turistas que haviam chegado de navio. “Os voluntários deviam documentar tudo o que faziam e viam, mas não deviam visitar as bases vizinhas, precisavam sobreviver com o mínimo na base”, relembra. “Depois dos atentados de 11 de Setembro, o Chile parou de enviar transporte aéreo e um voluntário ficou três meses isolado na base”, diz ela. A israelense guarda uma grande lembrança de Pavlicek. “Eu trabalhava para uma empresa de informática, tinha um salário alto, um carro caro e morava em um apartamento de cobertura”, conta por telefone de sua casa perto de Tel-Aviv. “Depois que o conheci, minha vida começou a mudar, disse-me que não precisava de tudo o que tinha. Fui como voluntária para a Índia. Vendi o apartamento de cobertura e agora moro em uma casa modesta e me dedico a fazer palestras sobre minhas viagens e ao coaching”, diz.

Interior da base Eco-Nelson
Interior da base Eco-NelsonTratado Antártico

Um ano depois de Nakash conhecer Pavlicek, outra inspeção oficial a cargo de Reino Unido, Austrália e Peru, descrevia a base como uma construção “improvisada, mas claramente funcional”. Ressaltava o mínimo impacto ambiental das instalações, que incluíam um aquecedor de madeira e uma pequena turbina eólica. Mas a base era preocupante por outras razões. “Era a única construção permanente em mãos particulares em toda a Antártida e abria um precedente muito perigoso de propriedade privada”, lembra o britânico Rod Downie, então inspetor do Reino Unido.

“Foi o campo mais rudimentar que visitamos em 2005”, recorda Thomas Maggs, então diretor ambiental da Divisão Antártica Australiana, por email. Em sua opinião, a base é uma raridade de outros tempos, mas a presença de Pavlicek não representa ameaça para as atividades científicas nem políticas. “Talvez seja uma prova de que a Antártida é um continente sem fronteiras reais, um patrimônio da humanidade e um dos poucos lugares ideais na Terra para pôr à prova suas habilidades de sobrevivência”, ressalta, e acrescenta: “lembro que naquele dia fazia um frio danado e Jaroslav nos deu uma tigela com um guisado quente e saboroso… estava divino.” Outros cientistas que inspecionaram sua base o retratam como um louco que representa um perigo para quem o visitar.

“Pavlicek não viaja mais à Antártida”, diz um porta-voz do ministério de Relações Exteriores da República Tcheca, que admite a existência de uma dificuldade legal para cumprir as recomendações de desmantelar a base, pois a Eco-Nelson foi construída antes da assinatura do Protocolo do Tratado Antártico sobre Proteção Ambiental em 1991, a lei que garante a preservação do meio ambiente no continente gelado. O dono da Eco-Nelson não tem nenhum vínculo com o programa antártico nacional, afirma o ministério, sublinhando que, no momento, o país está tomando medidas para solucionar o problema, incluindo a demolição da base e as “questões de propriedade”. Os planos atuais são limpar a área, dotá-la de equipamentos de emergência e provisões, derrubar as edificações perigosas e, no futuro, dedicar as instalações à pesquisa científica, segundo um documento apresentado pelos representantes tchecos na última reunião do Tratado Antártico, realizada em Pequim no início do mês e a que teve acesso este jornal.

Mart Eslem, um amigo de Pavlicek que viajou à Antártida e passou o Natal de 2007 na base, diz que Pavlicek vive “de forma muito modesta” na República Tcheca com sua mulher. “Sua casa tem o mesmo estilo da base Eco-Nelson. Recusa-se a ter um celular. Trabalha sem cessar em seus livros de sobrevivência, quase não fala de outras coisas. Suas duas filhas o chamam de sem-teto”, conta.