Estrasburgo condena Rússia por “erros graves” na matança de Beslan

Tribunal Europeu de Direitos Humanos considera que Moscou deveria ter feito mais para evitar o massacre na escola, em que morreram 330 pessoas em 2004

Dois homens carregam crianças resgatadas após a ação das forças russas em Beslan, em 2004 (arquivo).
Dois homens carregam crianças resgatadas após a ação das forças russas em Beslan, em 2004 (arquivo).EFE
Mais informações

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos condenou por unanimidade a Rússia por “erros graves” durante o massacre na escola de Beslan (Ossétia do Norte) em setembro de 2004. O tribunal se mostrou muito crítico a Moscou por considerar que o Governo russo não tomou medidas suficientes para evitar a matança e que a ação policial agravou as consequências do atentado. Ao todo 330 pessoas morreram (entre elas 180 crianças) e 750 ficaram feridas na invasão da escola por terroristas chechenos, seguida de tomada de reféns e ataque das forças de segurança.

A ação judicial foi apresentada por 409 cidadãos russos, familiares das vítimas e sobreviventes, que acreditam que o Estado não agiu para prevenir a matança, apesar de saber da iminência de um ataque desse estilo. Os requerentes alegam que o Estado não cumpriu seu dever de proteger as vítimas de “um risco conhecido para suas vidas” e que não realizou uma investigação efetiva.

O tribunal lhes deu razão ao considerar que “apesar de possuir informação suficiente e específica sobre um ataque terrorista previsto na região contra uma instituição de ensino na abertura do ano letivo, o Estado russo não fez o suficiente para evitar que os terroristas se reunissem e planejassem o atentado”. O tribunal ressalta que, no dia do ataque, “a segurança do prédio não foi reforçada” e a escola não tinha sido alertada da ameaça. Por isso, o tribunal condena a Rússia a pagar 3 milhões de euros (10 milhões de reais) aos requerentes.

Alguns acusam o Estado de planejar mal a ação policial e fazer uso desproporcional da força, o que provocou mais mortes. Também nesse caso o tribunal lhes deu razão. A corte não só acredita que a falta de um comando unificado agravou as consequências do atentado, como entende que os meios utilizados foram inadequados, já que se empregou “uma força letal” e desproporcional para solucionar a crise, procurando causar o menor número possível de vítimas.

“O emprego, pelas forças de segurança de armas como canhões, lança-granadas e lança-chamas contribuíram para as baixas entre os reféns”, diz a sentença, que considera que também aqui houve um erro gritante do Estado russo na hora de proteger a vida de seus concidadãos.

O alto tribunal também condena a Rússia por não ter realizado uma boa investigação sobre sua própria atuação ou sobre as mortes no interior da escola, com o objetivo de evitar que um caso assim se repita.

As ações foram apresentadas ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos entre junho de 2007 e maio de 2011. O caso foi comunicado ao Governo russo para observações em 10 de abril.

O Governo russo qualificou de “inadmissível” a decisão do tribunal europeu. “Não podemos concordar com essa formulação”, declarou aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov. “Para um país que foi atacado, essas formulações são absolutamente inadmissíveis”, acrescentou.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: