Força-tarefa da Lava Jato ganha prêmio da Transparência Internacional

Membros do Ministério Público receberam o prêmio na Cidade do Panamá neste sábado

Procuradores da Lava Jato recebem prêmio.
Procuradores da Lava Jato recebem prêmio.Talita Bedinelli

A força-tarefa da Operação Lava Jato, formada por 13 procuradores brasileiros, ganhou o Prêmio Contra a Corrupção da Transparência Internacional por sua atuação no caso que desvelou o esquema existente na Petrobras. A premiação acontece três dias depois de eles afirmarem que pretendem renunciar caso o Senado brasileiro aprove o pacote anticorrupção aprovado na Câmara, que prevê punição com prisão para juízes, promotores e procuradores que atuam em investigações.

Mais informações

Os procuradores foram indicados em um processo que envolveu 580 candidatos de todo mundo. A organização, uma das entidades mais importantes entidades globais no monitoramento de temáticas relativas à corrupção, decidiu que a investigação sobre o esquema da Petrobras que partiu de Curitiba, “abre uma rota [no combate à corrupção] que traz muita esperança”. O prêmio foi entregue durante a 17o Conferência Internacional Anticorrupção, que acontece na Cidade do Panamá até o próximo domingo. Longe do debate no Brasil, onde advogados e ativistas tem reparos a várias condutas da operação, inclusive em suas propostas de mudanças legais, a entidade também destacou que o grupo, com a campanha “10 medidas contra a corrupção”, impulsionou reformas legislativas para aumentar a capacidade da administração pública de prevenir e detectar a corrupção. E que essas medidas foram desconfiguradas no Congresso Nacional.

A premiação, onde estavam presentes todos os procuradores liderados por Deltan Dallagnol, tornou-se uma espécie de protesto ao conjunto de medidas aprovados pelos parlamentares. Em seu discurso, o procurador afirmou que “a Lava Jato está sob ameaça.” “Essa semana, quando o Brasil estava velando seus jogadores mortos em um acidente de avião, parlamentares deram o maior golpe na Lava Jato até agora. A lei passada na Casa cortou a independência do Judiciário e do Ministério Publico”, destacou ele. O procurador voltou a ressaltar que, caso o pacote seja aprovado pelo Senado, eles renunciarão. “Nós vamos nos demitir”, disse ele, que complementou que o ato não é uma desistência, mas uma forma de reconhecer que serão colocadas amarras na investigação. “Poderá ser o começo do fim da Lava Jato”, disse.

Durante o evento, uma faixa foi aberta pedindo “não à intimidação da Lava Jato”. Organizadores também ressaltaram a importância de que a sociedade brasileira reaja às iniciativas do Congresso e participe das manifestações anticorrupção convocadas para este domingo por  grupos que ganharam força durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff. “A Câmara desfigurou completamente o pacote anti-corrupção. No lugar disso foi inserido um projeto contra o combate à corrupção. O que a Lei faz é impedir que nós conversemos com a imprensa. Essa lei nos amordaça”, destacou Dallagnol.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: