Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Tragédia com avião da Chapecoense mata 71 na Colômbia

Aeronave, que seguia para Medellín, onde equipe iria disputar a final da Copa Sul-Americana, transportava 77 pessoas. Informações iniciais anunciam que há seis sobreviventes

Serviços de emergência trabalham no lugar do acidente. Captura da Televisão de Antióquia El País Vídeo

Uma nova tragédia aérea voltou a abalar o mundo do futebol na segunda-feira. O avião em que viajava a equipe brasileira da Chapecoense caiu quando estava prestes a chegar ao seu destino, o aeroporto de Medellín, onde na quarta-feira estava previsto jogar a partida final da Copa Sul-Americana com o Atlético Nacional. No avião viajavam 77 pessoas, 71 morreram e seis sobreviveram ao acidente: dois membros da tripulação, três jogadores e um jornalista. Pelo menos duas dessas vítimas estão em estado grave. As autoridades ainda não confirmaram as razões que fizeram com que o avião, um charter da empresa boliviana Lamia, caísse quando estava tão perto de seu destino.

O avião que transportava a Chapecoense, um Avro Regional Jet 85 (RJ85), deveria ter chegado a Medellín por volta das dez da noite da Colômbia. Pouco antes de iniciar sua descida, perdeu contato com a torre de controle. Os pilotos tinham alertado, de acordo com várias fontes, sobre “falhas elétricas”, embora as autoridades não tenham confirmado a causa exata do acidente. Uma das hipóteses considerada é que o avião ficou sem combustível. O incidente ocorreu nas proximidades do Cerro El Gordo, no município de La Unión, em um lugar relativamente perto do aeroporto José María Córdova, a uma hora de Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia.

No momento do acidente, as condições meteorológicas na área eram boas, de acordo com as autoridades locais. No entanto, a falta de luz e a forte chuva que caiu durante toda a noite dificultaram as já em si complicadas tarefas de resgate. O avião caiu em um lugar íngreme, a meia hora a pé da estrada mais próxima. Até 150 pessoas da Aviação Civil, da Força Aérea Colombiana e de agências humanitárias participaram do resgate. Nas buscas, 70% dos corpos foram encontrados na fuselagem do avião, enquanto espalhados pelo terreno estavam os outros 30%, entre eles os dos sobreviventes. As equipes de resgate encontraram destroços da aeronave 500 metros ao redor do local do acidente. Depois de conseguir retirar os corpos, após o meio-dia na hora local, foram encontradas as duas caixas pretas, que fornecerão mais informações sobre as causas do acidente.

As pessoas que foram resgatadas vivas são: Ximena Suárez, auxiliar de voo; Erwin Tumiri, técnico do avião; os jogadores Alan Luiciano Ruschel, Jackson Folmman e Hélio Hermito Zampier. O corpo deste último foi recuperado cinco horas após o acidente. Além deles, sobreviveu à tragédia o jornalista Rafael Malmorbida, que em um primeiro momento foi identificado como Rafael Henzel. O goleiro da equipe brasileira Danilo Padilha foi resgatado vivo, mas morreu antes de chegar a algum dos hospitais para onde os feridos foram levados.

A Chapecoense tinha previsto voar direto para Medellín. A falta de um acordo de comércio aeronáutico impediu, no entanto, que a empresa boliviana Lamia levasse a equipe de São Paulo até Medellín, informou a repórter Talita Bedinelli. Esta operação só é permitida no Brasil para empresas brasileiras ou colombianas. Por isso, a equipe teve que viajar de São Paulo para Santa Cruz (Bolívia), em um voo comercial da Boliviana de Aviación, o que atrasou o charter, que partiu do aeroporto de Viru Viru para Medellín. As autoridades aeronáuticas da Bolívia ressaltaram que o avião partiu de Santa Cruz com tudo “em ordem”, sem defeitos e em boas condições de voo. Recentemente esta mesma empresa tinha sido usada pela seleção argentina para realizar várias viagens.

Em um primeiro momento pensou-se que no avião viajavam 81 pessoas. Depois de verificar as pessoas que tinham embarcado no Brasil e na Bolívia, ficou comprovado que tinham embarcado 68 passageiros de origem brasileira e 9 membros da tripulação de origem boliviana, totalizando 77 pessoas. As quatro pessoas que não iam no avião correspondem a Luciano Buligon, prefeito de Chapecó, a cidade sede da Chapecoense; Plínio Nes Filho, dirigente da Chapecoense; Gelson Merisio, deputado de Santa Catarina e Iván Carlos Agnoletto, jornalista

A equipe brasileira, da cidade de Chapecó, no Estado de Santa Catarina, estava indo a Medellín para disputar a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. A alegria dos jogadores frente a tamanha conquista ficou refletido em um vídeo distribuído pelas redes, no qual os jogadores se mostravam animados antes de deixar Santa Cruz para Medellín. A Chapecoense virou a surpresa da última temporada no futebol latino-americano. Ninguém esperava que um time tão modesto, que esteve prestes a desaparecer por questões econômicas alguns anos atrás, pudesse deixar no caminho clubes como San Lorenzo de Almagro, Independente ou Junior de Barranquilla, também colombiano. Sua jornada na Copa Sul-Americana levou a que muitos o classificassem como o Leicester brasileiro, referindo-se ao atual campeão da liga inglesa. O Atlético Nacional pediu que a Copa fosse entregue, simbolicamente, ao clube brasileiro.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, falou logo após a notícia do incidente com seu homólogo brasileiro, Michel Temer. Este, por sua vez, expressou sua tristeza com as famílias das vítimas: “Nesta hora triste em que a tragédia se abate sobre dezenas de famílias brasileiras manifesto a minha solidariedade”. O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia trabalha agora para facilitar a repatriação dos corpos com a maior brevidade possível.

As mensagens de solidariedade e apoio às vítimas não demoraram, especialmente no mundo do futebol. Do Real Madrid, que observou um minuto de silêncio, até a solidariedade de figuras como Messi ou Maradona, o futebol voltou a se mostrar unido. O acidente da Chapecoense nos remete a outras tragédias semelhantes sofridas por times de futebol. Em 1949, caiu o avião em que voltava a equipe italiana do Torino depois de jogar em Lisboa. Morreram 42 pessoas, incluindo quase a totalidade dos jogadores. Nove anos depois, o avião que transportava o Manchester United de Munique sofreu um acidente. Oito jogadores, dois diretores e o técnico morreram. Sobreviveram sete jogadores, incluindo a lenda do United, Bobby Charlton.

MAIS INFORMAÇÕES