Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Oposição pede impeachment para intensificar desgaste de Temer

Mesmo com chance de sucesso quase zero, opositores apresentam o sétimo pedido de impedimento

Protesto na avenida Paulista contra Temer no domingo. pulsa en la foto
Protesto na avenida Paulista contra Temer no domingo. REUTERS

A crise política enfrentada pelo Governo Michel Temer (PMDB), em sua nova e turbinada etapa que envolve diretamente o presidente, está distante de acabar e a frágil oposição partidária já se mostrou disposta intensificá-la ao máximo. Com Brasília ainda à espera da delação do fim do mundo prometida pelos executivos da Odebrecht na Operação Lava Jato, cujo potencial de estrago ainda não é de todo conhecido, a estratégia dos opositores ao Planalto é usar o escândalo que derrubou um ministro e levou um ex-integrante do gabinete a acusar Temer de haver cometido pressões indevidas para embasar um pedido de impeachment.

Mesmo com chances quase nulas de sucesso, um dia após um protesto em São Paulo contra a gestão peemedebista, o partido oposicionista PSOL apresentou o sétimo pedido de impedimento contra Temer. Cinco já foram arquivados quando ele ainda estava na interinidade do cargo ou quando era vice-presidente. Um está sub judice e ainda não teve nenhum encaminhamento dado pelo Legislativo, onde o Governo tem ampla maioria e o apoio de um personagem crucial: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

No seu pedido, o PSOL alegou que o presidente teria infringindo ao menos três artigos da lei 1.079 de 1950, que trata do impedimento do presidente e de ministros. Os opositores se basearam no escândalo que resultou, na sexta-feira passada, na queda do então ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima para apresentar o pedido de destituição presidencial. O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acusou Temer e Geddel de pressioná-lo para que revisse uma decisão do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN) sobre a construção de um prédio em Salvador onde o ministro da Secretaria de Governo comprou um apartamento.

Os principais argumentos apresentados pelo PSOL de que Temer teria cometido crime de responsabilidade foram: 1) ele não responsabilizou um subordinado seu (no caso, Geddel) quando se deparou com delitos funcionais; 2) o presidente expediu ordens contrárias ao que prega a Constituição Federal e; 3) ele procedeu de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo. “Temer cometeu crime de responsabilidade a partir do momento que ele atuou em favor dos interesses privados de Geddel. Um presidente da República não é corretor imobiliário de ministro de Estado”, afirmou o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) logo após o ato político de protocolar o pedido de impeachment na Câmara.

O líder do Governo no Congresso, o senador Romero Jucá (PMDB-RO), disse que o pleito da oposição tem a intenção de atrapalhar os trabalhos no Legislativo, mas não conseguirá atingir o seu objetivo. “Não tem nenhum cabimento jurídico nem político nesse pedido do PSOL. Claro que é uma chicana, uma manobra política, tentando atrapalhar, mas não tem dimensão, não tem razoabilidade esse procedimento” declarou após um encontro com o presidente.

Em outra frente, um grupo de opositores capitaneados pelo PT e pelo PCdoB, tenta fazer com que a Procuradoria Geral da República abra uma investigação contra presidente pelos crimes de advocacia administrativa e concussão. Catorze deputados e senadores entregaram uma representação no Ministério Público Federal solicitando a apuração dos supostos delitos cometidos pelo peemedebista. “O presidente da República é um réu confesso. Ele confessou sua pró-atividade no sentido de defender os interesses de Geddel”, defendeu a líder da oposição na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB – RJ).

Nesta terça-feira, juristas que entendem que Temer cometeu o crime de responsabilidade deverão se manifestar em um ato convocado pelos petistas para analisar quando deverá ser apresentado um outro pedido de impedimento. Um desses especialistas é o constitucionalista e professor de direito da Universidade de Brasília (UnB), Marcelo Neves. Contrário ao impeachment de Dilma por entender que ela não cometeu nenhum delito ao assinar decretos de crédito suplementar sem a aprovação do Congresso, Neves avalia que Temer está em uma situação distinta. “Se um presidente cria um decreto ilegal, isso ainda não é crime de responsabilidade. Mas quando ele atua buscando, dentro da administração pública, proteger interesses privados contra pareceres técnicos de órgãos estatais, o que ele está fazendo é advocacia administrativa. É um crime comum, que também fere dispositivos da lei do impeachment”, afirmou o especialista.

Base ampla

Apesar dessa pressão, a tendência é que o pedido de impeachment seja rapidamente engavetado. Ao contrário de Rousseff, que tinha seu antagonista Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara, Temer tem seu aliado de primeira hora, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com a caneta na mão para decidir se dá prosseguimento ou não ao pedido. Essa é uma decisão unilateral. Caso, Maia mude de postura e aceite – ou a Justiça determine que ele acate o pedido (como já fez em um outro caso contra Temer quando ele ainda era vice-presidente) –, as lideranças partidárias teriam de montar uma comissão especial para analisar o mérito da questão. Posteriormente, a decisão desse colegiado seria analisada pela totalidade do plenário.

Mais uma vez, nesse ponto reside uma diferença gritante entre Temer e Rousseff. Ele tem uma ampla base aliada, algo que ela não tinha no seu segundo mandato. Apenas para efeito de comparação, nesses seis meses de poder do peemedebista, a taxa de governismo do Congresso variou entre de 86% e 96% – atualmente está no nível mais baixo. Ou seja, a grande maioria dos deputados e senadores votaram a favor de medidas apresentadas pela gestão federal. No segundo governo da petista, o apoio variou entre 60% e 75%, o que não foi suficiente para evitar que mais do que três quintos da Casa votassem a favor de seu impedimento. Os dados constam de um acompanhamento frequente feito pelo instrumento Basômetro, do jornal O Estado de S. Paulo.

Diante desse cenário e das reações ao pedido de impeachment no Legislativo, a possibilidade de que o Congresso decida contrariamente a Temer é próxima de zero. “Eu diria que é quase impossível ocorrer o impeachment neste momento. Precisaria ter um desgaste muito maior, com manifestação nas ruas, uma pressão na sociedade para mudar a cabeça dos congressistas. Temer ainda tem uma maioria muito confortável no Congresso”, disse o cientista político Paulo César do Nascimento, também professor na UnB.

A consultoria de risco político Eurasia também acredita que dificilmente haverá uma nova troca na presidência da República. Uma análise do órgão mostra que Temer tem apenas 10% de chance de não permanecer no cargo até o fim de 2018, quando acabaria o governo transitório. Os riscos estariam em uma improvável perda do seu apoio no Legislativo ou a cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da chapa Dilma-Temer.

MAIS INFORMAÇÕES