Eleições Estados Unidos

Filho de Donald Trump compara refugiados sírios a doces envenenados

Tuíte com traços xenófobos sobre os fugidos da guerra causa polêmica nas redes sociais

Donald Trump, Jr.
Donald Trump, Jr.J. S. Applewhite / AP

Donald Trump Jr., filho do magnata que aspira ocupar a Casa Branca a partir de novembro, criou uma grande polvorosa nas redes sociais por causa de um tuíte no qual compara os refugiados sírios a uma vasilha com balas e bombons envenenados, e sugere que os Estados Unidos não deveriam acolher nenhum deles.

Mais informações

“Esta imagem diz tudo. Vamos acabar com a agenda politicamente correta que não coloca a América em primeiro lugar [lema da campanha de seu pai]”, escreveu ele em sua conta (@DonaldJTrumpJr) acima de uma foto com uma vasilha de “Skittles”, uma marca conhecida de balas mastigáveis. “Se eu te oferecesse uma pote de balas e te dissesse que três deles poderiam te matar, você comeria um punhado deles? Esse é nosso problema com os refugiados sírios”.

O tuíte, no qual ele sugere que os Estados Unidos não deveriam aceitar nenhum dos refugiados que escapam dos conflitos na Síria e no Iraque, foi seguido de uma avalanche de respostas, em que predominaram as que continham duras imagens da guerra, sobretudo de crianças. Além disso, muitos dos protestos ressaltam a carga xenófoba do discurso dos Trump.

Trump Jr. recebeu milhares de respostas, retuítes e mais de 11.000 “curtidas”. Mas também se viu obrigado a comentar seu próprio tuíte, após as reações nas redes sociais e a repercussão de seus comentários na imprensa de todo o mundo. Ele também recebeu o apoio de Joe Walsh, ex-dirigente do grupo ultraconservador Tea Party.

A polêmica de Trump Jr. ocorre justamente no mesmo dia em que seu pai lamentou os cuidados médicos dados a Ahmad Khan Rahami, suposto autor da série de ataques a bomba em Nova York e Nova Jersey, após sua detenção.

O filho mais velho de Trump já foi objeto de polêmica nas redes quando disse que seu pai é vítima de um tratamento injusto por parte dos veículos norte-americanos e que se os republicanos fizessem o mesmo que os democratas, “a imprensa estaria aquecendo as câmaras de gás”. A Liga Antidifamação dos Estados Unidos tuitou imediatamente uma resposta, dirigindo-se a Trump Jr., na qual afirma que “esperamos que entenda a sensibilidade e a dor representadas por se fazer piadas sobre o Holocausto. Esperamos que retire suas palavras”.

Donald Trump Jr. respondeu à polêmica criada por sua mensagem assegurando que "progressistas gostam da Primeira Emenda até que alguém diz algo com o que não estão de acordo", em referência à liberdade de expressão.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50