Até petistas miram vaga no segundo escalão de Temer

Diretorias da Infraero, Dataprev e da Funai ainda são alvo de disputas

Temer no desfile de 7 de setembro, em Brasília.
Temer no desfile de 7 de setembro, em Brasília.ADRIANO MACHADO (REUTERS)

Enquanto no primeiro escalão as trocas são quase instantâneas na gestão Michel Temer (PMDB) – já foram quatro ministros substituídos –, no subterrâneo da política brasiliense, indicados pelo PT permanecem em cargos chaves e alimentam uma disputa fratricida no segundo e terceiro escalão do Governo. Cálculos extraoficiais apontam que quase 40% dessas funções ainda estão nas mãos de petistas. São cerca de 50 cargos com salários que variam entre 8.000  e 14.000 reais. O Governo queria esperar passar o impeachment de Dilma Rousseff (PT) para ocupar todos os cargos.

Mais informações

Vice-presidências, diretorias e superintendências de órgãos como a a Caixa, o Banco do Brasil, a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) têm sido disputadas por vários dos aliados do novo presidente brasileiro.

A corrida pelo cargo comissionado é tamanha que até petistas, hoje ferrenhos opositores à gestão Temer, tentam emplacar seus apadrinhados em alguma função. O caso mais emblemático neste sentido é o de Paulo de Tarso Campolina, um nome defendido nos bastidores pelo ex-ministro Carlos Gabas, que atuou na gestão Rousseff, e pelo ex-deputado federal pelo PT Cândido Vaccarezza para presidir a Dataprev. Atualmente o órgão tem como presidente Rodrigo Ortiz D’Avila Assumpção, na função desde 2008, ainda no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Quem briga pela indicação da nova diretoria da Dataprev é o PSC, legenda que apoia Temer no Congresso. A legenda conseguiu emplacar o líder do Governo na Câmara (André Moura), mas que não dirige nenhum ministério. Ao lado do PR e do Solidariedade, o partido de Moura e do polêmico deputado federal Jair Bolsonaro, deve ser um dos mais beneficiados na entrega de cargos. A razão é a fidelidade de seus parlamentares ao Governo e aos poucos espaços que ocupam atualmente.

A Funai, comandada atualmente por um presidente interino, quase teve em seus quadros um militar sem nenhuma experiência com a questão indígena. Dois generais do Exército chegaram a ser indicados pelo PSC para a função: Sérgio Roberto Peternelli e Franklimberg Ribeiro de Freitas. Os nomes deles foram rejeitados pela comunidade indígena e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, desistiu de nomeá-los. O cargo deverá ficar com o PSDB, que pretende indicar Noel Villas Bôas, advogado e filho do famoso sertanista Orlando Villas Bôas.

No caso da Infraero, a disputa é por diretorias que hoje são ocupadas por funcionários que também foram nomeados por Lula. A presidência do órgão mudou, mas nem todos os subordinados ainda foram trocados. No comando da Infraero desde junho, Antonio Claret de Oliveira foi uma indicação do PR, o mesmo partido do ministro dos Transportes, Maurício Quintela.

Temer assumiu prometendo profissionalizar a gestão pública brasileira. Conseguiu aprovar a Lei das Estatais, que muda os critérios para a escolha dos dirigentes das empresas públicas federais. Tentou reduzir o número de ministérios de 34 para 20, mas foi pressionado por aliados a manter algumas das pastas para obter apoio no Legislativo. Hoje, são 24 ministérios (e um com status de ministério, a AGU). Agora, o peemedebista tem de administrar uma nova briga por poder.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: