Rajoy fracassa de novo e Espanha se encaminha para novas eleições

170 deputados apoiaram o líder do PP contra 180 que o impediram de virar chefe do Governo

O líder do PP, Mariano Rajoy, nesta sexta-feira no Congresso.FOTO: DANIEL OCHOA DE OLZA (AP) / VÍDEO: ATLAS (atlas)

Esta sexta-feira foi um dia em que a maioria do Congresso rechaçou um primeiro-ministro. O dia em que Mariano Rajoy perdeu a sua investidura e a confiança do Parlamento. O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, já havia sido recusado em março, quando então teve início o prazo para uma nova eleição, e agora o dirigente do PP sofreu mais uma derrota parlamentar, o que dá início, então a um novo prazo, o de 31 de outubro, para um novo pleito. Nesse dia, caso não se chegue à definição, pelo Parlamento, de um novo primeiro-ministro, haverá nova convocação da população às urnas para 25 ou 18 de dezembro, isso se os partidos conseguirem alterar a Lei Eleitoral a fim de encurtar a campanha.

Mais informações

Como se previa, os 170 deputados do PP, Cidadãos e Coligação Canária apoiaram o candidato, contra os 180 das demais organizações, que conseguiram, então, impedir que o líder do PP fosse investido como presidente do Governo (primeiro-ministro) por maioria simples.

Em 2011, Rajoy conseguiu ser o primeiro-ministro com o maior poder desde o retorno da democracia na Espanha. Naquele ano, ele obteve uma folgada maioria absoluta no Congresso, com o seu partido conquistando um poder, em termos nacionais e locais, sem precedentes. Agora, permanecerá no palácio de La Moncloa com atribuições limitadas e à frente de um grupo parlamentar numericamente maior, porém sem o voto de confiança do atual Congresso.

Mais uma vez, o plenário do Congresso foi palco de trocas de acusações, reflexo da impossibilidade de se chegar a um acordo para a formação de um Governo. Todos contra todos, ou quase isso, e nenhuma porta aberta para se encontrar uma saída para o impasse inaugurado após as eleições de 20 de dezembro de 2015.

Mariano Rajoy subiu na tribuna para atacar o PSOE por este não ter possibilitado a sua investidura, para em seguida sugerir “um acordo que não seja rígido e sim aberto a sugestões e contribuições”. Acusou Pedro Sánchez, líder do PSOE, de usar “uma série de manobras e argumentos repetitivos para não admitir o seu objetivo inconfessável de levar a novas eleições”.

“Deixe pelo menos que a Espanha forme um Governo”, disse ele, para depois criticá-lo por “algo tão grave como bloquear essa formação” sem oferecer alternativas que passariam por acordos com “extremistas”. Responsabilizou-o, também, pelas graves consequências que “uma terceira eleição não irá resolver”.

Sánchez, que lidera o único agrupamento que seria capaz de desbloquear a situação, respondeu reiterando o argumento de que carece da confiança de seu grupo e acusando Rajoy, por sua vez, de forçar a realização de mais uma eleição. Enigmático, concluiu: “Se agirmos com altivez, encontraremos uma solução. E o PSOE fará parte dela”. Não explicou, porém, ao que se referia.

Até o momento, não está colocada a possibilidade de haver um outro candidato do próprio PP. Rajoy já anunciou que voltará a tentar uma investidura, mas terá de aguardar que o rei proponha novamente o seu nome, e o chefe de Estado não o fará, provavelmente, antes de ter certeza de que dessa vez Rajoy obterá a investidura.

Pablo Iglesias (Podemos) propôs a Sánchez um acordo que o PSOE considera inviável, e Albert Rivera deu a entender que seu acordo com Rajoy já está vencido. É a segunda vez que um acordo de definição de primeiro-ministro de Cidadãos é derrotado no Congresso: em março, foi o que havia sido fechado com o PSOE, e agora, nesta sexta-feira, o que fora acertado com o PP. Ambos se mostraram insuficientes.

Os nacionalistas e independentistas reiteraram, por sua vez, o seu repúdio. E o próprio Rajoy deu por encerrada, nesta sexta-feira, essa via.

Vazio institucional

A partir de agora, abre-se uma espécie de vazio institucional semelhante ao que se produziu entre março e maio, em que o rei pode voltar a propor um candidato, incluindo o próprio Rajoy ou Pedro Sánchez. Naquela ocasião, após fracassada investidura, o chefe de Estado não realizou consultas com os partidos, limitando-se a esperar pelo cumprimento do cronograma previsto. Depois, encerrou os dois meses de espera fazendo reuniões com cada um dos dirigentes para sacramentar o fracasso.

O Governo seguirá no exercício do poder com funções limitadas. Não pode apresentar projetos de lei, e só pode agir em caso de extrema necessidade. No último dia de setembro, serão prorrogados os Orçamentos de 2016, para que se mantenham em vigor a partir de janeiro de 2017.

Todos os partidos avaliam que nenhuma mudança e, portanto, nenhuma movimentação política ocorrerá antes das eleições na Galícia e no País Basco marcadas para o dia 25 deste mês.

A direção do PSOE não deverá realizar nenhuma reunião de sua direção nacional para analisar seu veto ao PP antes dessas duas eleições. Ou seja: inicia-se agora um período de um mês de paralisia institucional e, em seguida, mais um mês de incertezas, à espera de que algo aconteça, de que algum partido abra mão de alguma coisa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: