Acordo de paz

As FARC anunciam o cessar-fogo definitivo

A guerra entre o Governo e a guerrilha termina este domingo depois de 52 anos, com o anúncio das duas partes de colocar fim aos ataques

No Estado de Cauca, o cessar-fogo definitivo enche de esperança quem padeceu no conflito.
No Estado de Cauca, o cessar-fogo definitivo enche de esperança quem padeceu no conflito.Christian Escobar Mora (EFE)

Acabou. Este domingo será o último dia do conflito armado entre o Governo e as FARC depois de 52 anos de guerra. A materialização da frase “a guerra acabou”, pronunciada na quarta-feira por Humberto de la Calle, chefe negociador do Governo na mesa de negociação com as FARC, começa a ser sentida.

O anúncio do cessar-fogo definitivo estabelecido na quinta-feira passada pelo presidente Juan Manuel Santos foi ratificado neste domingo, dia 28 de agosto, com o pronunciamento do líder máximo da guerrilha, Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, em Havana, lugar que foi testemunha durante quatro anos das conversações de paz. “Em minha condição de comandante das FARC-EP ordeno a todos os nossos comandados, a nossas unidades, a todos e a cada um de nossos combatentes o cessar-fogo de hostilidades definitivamente contra o Estado colombiano”. No breve pronunciamento, Londoño afirmou que “as rivalidades e rancores devem ficar no passado. Hoje mais do que nunca lamentamos tanta morte e dor pela guerra”. O chefe das FARC além disso encorajou o início de um processo de convivência. “Acabou a guerra, vamos conviver como irmãos e irmãs.”

Mais informações

O anúncio dos dois lados implica o fim da ofensiva militar das FARC, depois de mais de cinco décadas de atividade bélica, que deixou mais de 220.000 mortos e cerca de oito milhões de vítimas. Apesar de, em 20 de julho do ano passado, a guerrilha ter iniciado uma trégua unilateral que foi seguida pelo Estado, nunca antes o compromisso das duas partes tinha ocorrido de forma definitiva. No entanto, será apenas até a assinatura protocolar entre Governo e FARC, esperada para o fim de setembro, quando começar a entrega de armas por parte das FARC sob a supervisão e a verificação das Nações Unidas. Durante um período não superior a 180 dias e em 28 regiões, estabelecidas no acordo, a guerrilha fará sua passagem à vida civil, o que implica que entregarão os fuzis e deixarão os uniformes camuflados que usaram durante décadas.

Os efeitos do silêncio dos fuzis foi sentido desde que a trégua começou. No ano de 2015, houve 146 mortes devido à guerra e em junho deste ano os registros falavam de três vítimas. Com o anúncio deste domingo, a guerrilha se compromete a não derramar mais sangue, e afirma que não haverá mais um morto sequer por suas mãos.

Timochenko, em sua intervenção, também convocou oficialmente a X Conferência das FARC, que ocorrerá de 13 a 19 de setembro em San Vicente del Caguán, onde no passado foram realizadas conversações de paz infrutíferas com a guerrilha durante o Governo do ex-presidente Andrés Pastrana. Ali pela primeira vez a guerrilha falou de paz e não de ilegalidade, como ocorreu nas versões anteriores desses encontros que começaram em 1965 e que tinham como propósito tomar decisões de guerra: planejar sequestros, extorsões, atentados.

Desta vez, os líderes vão se reunir com as bases da guerrilha para explicar-lhes sobre as armas e a saída da vida na insurgência e passar à vida civil, integrando-se como movimento político. Será o fim das FARC como guerrilha. A Colômbia já começa a escrever uma nova história.