Um Janot sob pressão defende a Lava Jato em meio à crise com o STF

Procurador-geral nega citação de Toffoli em negociação de delação do dono da OAS, agora cancelada

O procurador-geral Rodrigo Janot emitiu parecer ao STF que inibe impeachment de Temer
O procurador-geral Rodrigo Janot emitiu parecer ao STF que inibe impeachment de TemerLula Marques (Agência PT)

Nesta terça-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, negou de maneira enfática que a negociação da delação de Pinheiro tenha envolvido a citação de um suposto elo promíscuo entre o ministro do Supremo, Antonio Dias Toffoli, e a OAS, como publicado pela revista Veja no fim de semana. A negociação da colaboração, em curso há meses e uma das mais esperadas por seu potencial de implicação, foi cancelada. “Ele (Leo Pinheiro) quebrou a confiança na negociação. Se você não tem mais confiança, não há mais negociação”, afirmou. “O fato noticiado não existiu, o anexo não existe, jamais chegou a qualquer dependência do MP, seja em Curitiba ou Brasília, esse fato é inexistente, ele se assemelha a um quase estelionato delacional”, disse.

Mais informações

De acordo com Rodrigo Janot, “não houve vazamento, mas uma pressão indevida para que haja a delação". A reportagem da Veja publicou que Leo Pinheiro afirmou que a residência do ministro em Brasília foi reformada com auxílio da OAS. Toffoli afirma que o serviço foi pago com seu próprio dinheiro, e que não houve irregularidade alguma na obra.

O discurso enfático do procurador-geral foi feito durante a reunião do Conselho Municipal do Ministério Público, nesta terça. Foi a oportunidade que encontrou para se defender da bateria de críticas e duros ataques feitos pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo, tanto ao Ministério Público como à Operação Lava Jato. Até pouco tempo atrás um defensor da Lava Jato, Mendes analisou, em entrevista à Folha de S. Paulo, que os procuradores estavam se aproximando "do terreno perigoso de delírios totalitários. Me parece que [os procuradores da Lava Jato] estão possuídos de um tipo de teoria absolutista de combate ao crime a qualquer preço". Poucos dias atrás, quando a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou ir à ONU questionar a imparcialidade do juiz Sérgio Moro e da força-tarefa do Ministério Público, Mendes chamou a iniciativa de "precipitada" e de "índole política".

O ministro Mendes defendeu ainda a colocação de freios e “limites” na atuação da força-tarefa. Na leitura do magistrado, o vazamento envolvendo Toffoli seria uma represália dos procuradores, que teriam sido contrariados pelo ministro, que mandou libertar o ex-ministro Paulo Bernardo, preso em julho na Operação Custo Brasil, um desdobramento da Operação Lava Jato. “Esse habeas corpus no caso do Paulo Bernardo animou os procuradores a colocar artigo no jornal e coisas do tipo”, disse Mendes ao jornal Estado de São Paulo. “E eles estão com o sentimento de onipotentes, decidiram fazer um acerto de contas”, afirmou o ministro, emendando que “tem que se colocar um limite nisso”. Seguiu nesta terça-feira e criticou as propostas de combate a corrupção defendidas por Moro e pela Lava Jato e em tramitação no Congresso: "Veja as dez propostas que apresentaram. Uma delas diz que prova ilícita feita de boa fé deve ser validada. Quem faz uma proposta dessa não conhece nada de sistema, é um cretino absoluto. Cretino absoluto. Imagina que amanhã eu posso justificar a tortura porque eu fiz de boa fé?"

Momentos depois, Janot respondeu a Mendes, um controverso integrante do STF: "O Brasil vive hoje um jogo de dois lados e (...) estamos desagradando a ambos os lados. Na minha visão, é um sinal positivo", disse. O procurador-geral disse ainda que o Ministério Público não sofrerá pressões de "Poder da República" e defendeu atribuições constitucionais, como a independência de atuação de promotores e procuradores, "que eu espero que não seja retirado numa eventual reforma futura".

À espera de Odebrecht

Não é a primeira vez que vazamentos envolvendo o Supremo colocam Janot na berlinda. Nas outras oportunidades, no entanto, ele jamais afirmou que o fato vazado não existia. Em junho, o procurador-geral já havia irritado integrantes da Corte que, nos bastidores, atribuíam a ele o vazamento dos pedido de prisão contra os peemedebistas Renan Calheiros, Romero Jucá e Eduardo Cunha - os pedidos seriam negados dias depois. Rodrigo Janot afirmou, então, que o vazamento não "havia sido da PGR”, e disse que mobilizaria “todos os esforços” que estiverem ao seu alcance para “descobrir e punir quem cometeu esse crime”. “A quem esse vazamento beneficiou? Ao Ministério Público não foi", concluiu. Meses depois o caso continua sem solução. Neste terça, Mendes voltou ao tema e provocou: "E as investigações do vazamento daquelas prisões preventivas, onde estão? Já houve conclusão? O resumo da ópera é: você não combate crime cometendo crime. Ninguém pode se achar o ó do borogodó. Cada um vai ter seu tamanho no final da história. Um pouco mais de modéstia, calcem as sandálias da humildade."

A delação de Pinheiro, condenado a dezesseis anos e quatro meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa no escândalo do investigado pela Lava Jato, era vista como uma das mais abrangentes do caso, ao lado da de Marcelo Odebrecht – ainda em negociação. O empreiteiro da OAS tinha relações políticas plurais: da reforma ao sítio do ex-presidente Lula a doações para o presidente interino Michel Temer e pagamentos de propina ao tucano Aécio Neves. Todos os citados negam irregularidades.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: