Jogos Olímpicos Rio 2016

O conflito por trás da prata do etíope Lilesa

A luta dos oromo para preservar suas terras, representada por Feliya Lilesa na maratona dos Jogos Olímpicos do Rio, deriva numa repressão policial com mais de mil mortos no último ano

O maratonista Feyisa Lilesa. (atlas)

MAIS INFORMAÇÕES

Feyisa Lilesa, o atleta etíope que ganhou a medalha de prata na maratona dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro expressou na segunda-feira seu desejo de permanecer no Brasil por medo de voltar ao seu país. Lilesa, de 26 anos, usou o seu momento de glória para denunciar, diante de milhões de telespectadores, a grave situação do seu grupo étnico, o oromo, o mais numeroso da Etiópia. O corredor levantou os braços em forma de cruz por cima da cabeça, gesto que representa os protestos do seu povo, marginalizado política e economicamente, contra o Governo etíope. O regulamento olímpico proíbe explicitamente gestos e protestos com conotação política.

A etnia oromo – com mais de 30 milhões de pessoas distribuídas entre a Etiópia, o Quênia e a Somália – começou as manifestações contra o Governo em novembro, que desde então resultaram na morte de mais de 1.000 pessoas pela brutal repressão policial. Os oromo estão concentrados na região de Oromia, a maior – cuja superfície equivale à metade da Espanha – e mais povoada da Etiópia, o segundo país mais populoso do continente (99 milhões de habitantes). “Os oromo foram sistematicamente subjugados e discriminados desde que o rei Menelik II chegou ao poder, no fim do século XIX”, afirma Mario Aguilar, diretor do centro de estudos de religião e política da Universidade de St. Andrews (Escócia).

Os protestos do ano passado foram desencadeados depois da aprovação de um plano urbanístico para ampliar e modernizar a capital do país, Adis Abeba, centro diplomático do continente. A região de Oromia circunda a metrópole, razão pela qual sua expansão implicaria na expropriação forçada dos agricultores e criadores de gado oromo. A constituição etíope considera todas as terras do país como propriedade do Estado e qualifica seus ocupantes como inquilinos. As manifestações contra o projeto urbanístico se estenderam a mais de 200 aldeias e cidades de maioria oromo. A forte repressão policial e as centenas de mortes forçaram o Governo de Hailemariam Desalegn – no poder desde 2012 – a se retratar e a suspender a execução do plano, depois de uma reunião de emergência de três dias realizada em janeiro. Essa medida sufocou temporariamente as revoltas, mas estas ressurgiram no início de agosto, custando a vida de mais de 400 pessoas de acordo com a Human Rights Watch, embora a Reuters e outras agências de notícias não tenham podido comprovar o número.

Dezenas de jornalistas, blogueiros, dissidentes ou ativistas foram condenados com base na lei antiterrorismo promulgada em 2009. Essa é a mesma legislação que o Governo de Desalegn usou para aprisionar aqueles que protestam contra o confisco das terras dos oromo, que são acusados de “terrorismo”. O Governo bloqueou o acesso à Internet nos momentos de maior tensão.

“A mão pesada exercida pelas forças de segurança já não surpreende. A repressão policial é usada durante décadas de maneira sistemática na Etiópia para reprimir qualquer voz dissidente”, diz Michelle Kagari, vice-diretora da Anistia Internacional no Chifre da África. Este não é o único grupo étnico que sofreu a repressão do Governo central nos últimos meses. As revoltas se estenderam às aldeias de maioria amhara, grupo étnico que corresponde a 27% da população da Etiópia e que acumula reivindicações históricas muito semelhantes às dos oromo.

A coalizão governista conquistou os 547 assentos em disputa nas eleições do ano passado. A ausência de vozes críticas e de observadores internacionais permitiu que os governantes obtivessem o controle absoluto da Assembleia Federal. O poder político do país é detido pelo povo tigray, grupo étnico que representa apenas 6% da população do país e está concentrado no norte, na fronteira com o Sudão e a Eritreia.

O desenvolvimento econômico da Etiópia – com um crescimento anual do PIB de cerca de 10% nos últimos anos – faz do país um dos mais prósperos do Chifre da África. No entanto, esse progresso não repercutiu em Oromia e Amhara, as duas regiões que produzem mais de 70% dos produtos agropecuários do país.

A União Europeia e as Nações Unidas condenaram publicamente a repressão exercida nos últimos meses contra os oromo e os amhara e defenderam o envio de um grupo de observadores internacionais. Os Estados Unidos denunciaram de maneira mais moderada. O Governo etíope é um forte aliado das potências ocidentais que tentam conter a violência jihadista no Chifre da África, principalmente aquela exercida pela milícia somali Al Shabab.