A ‘nação Phelps’, à frente de 150 países

Com a Rio 2016, nadador dos EUA conquista mais ouros que Argentina e fica a 7 ouros do Brasil

Phelps fez história no Rio.
Phelps fez história no Rio.E. BIBA (EFE)

A Olimpíada do Rio de Janeiro foi a última do maior atleta olímpico de todos os tempos. Em cinco participações, Michael Phelps conquistou mais medalhas de ouro que mais de 150 países em toda a história dos Jogos Olímpicos: se despediu do Rio com 23 ouros, apenas 7 a mais do que o Brasil conseguiu em todas suas participações. Considerando todos os esportes e as olimpíadas já disputadas, países como Argentina, México, Portugal, Áustria e Índia chegaram menos vezes do que Phelps ao lugar mais alto do pódio.

Foram 16 anos e cinco olimpíadas para o nadador norte-americano, que chegou ao Brasil com 18 ouros e deixou o país com 23 – Phelps ganhou ainda uma prata. Os números limpos não traduzem a trajetória real do nadador, com altos e baixos, desde o garoto de sete anos que sofria de TDAH (transtorno de déficit de atenção com hiperatividade) até jovem pai que coroou sua reinvenção nos Jogos do Rio.

Mais informações
“Fomos muito injustos com vocês. Tudo na Rio 2016 foi perfeito”
E tudo saiu bem na Rio 2016, imperfeitamente maravilhosa
‘Super Abe’: premiê do Japão vira Mario para apresentar Tóquio 2020

A natação foi sua primeira porta para se lidar com o transtorno de atenção. O esporte, praticado por suas irmãs mais velhas Whitney e Hillary, foi um alento: conseguia se concentrar no exercício e ainda gastava energia. A primeira oportunidade em uma olimpíada veio em 2000, em Sydney. Aos 15 anos, ele chegou às finais dos 200 m borboleta e garantiu o quinto lugar, resultado expressivo para um atleta tão novo.

Quatro anos e alguns títulos depois, em Atenas, foi sua afirmação como nadador. Se restavam dúvidas sobre seu potencial, Phelps liquidou todas elas na Grécia. Em 2004, foram duas medalhas de bronze e seis de ouro, que o qualificaram como estrela e favorito para os Jogos seguintes, em Pequim. Na China, a expectativa e o favoritismo não assustaram a super-estrela norte-americana. Ele foi além do esperado e garantiu incríveis oito medalhas de ouro, superando o nadador e compatriota Mark Spitz como o atleta que mais subiu ao pódio em uma mesma edição de jogos olímpicos.

Phelps, a 39ª nação mais vencedora da história dos Jogos

1ª: Estados Unidos – 1022 ouros

2ª: União Soviética* – 395 ouros

3ª: Grã-Bretanha – 263 ouros

4ª: China – 227 ouros

5ª: França – 212 ouros

6ª: Itállia – 206 ouros

7ª: Alemanha – 191 ouros

8ª: Hungria – 175 ouros

9ª: Alemanha Oriental* – 153 ouros

10ª: Rússia – 149 ouros

11ª: Austrália – 147 ouros

12ª: Suécia – 145ouros

13ª: Japão – 142 ouros

14ª: Finlândia – 101 ouros

15ª: Coreia do Sul – 90 ouros

16ª: Romênia – 89 ouros

17ª: Holanda – 85 ouros

18ª: Cuba – 77 ouros

19ª: Polônia – 67 ouros

20ª: Canadá – 63 ouros

21ª: Alemanha Ocidental* – 56 ouros

21ª: Noruega – 56 ouros

23ª: Bulgária – 51 ouros

24ª: Tchecoslováquia* – 49 ouros

24ª: Suíça – 49 ouros

26ª: Nova Zelândia – 46 ouros

27ª: Equipe Unificada (pós-União Soviética)* - 45 ouros

27ª: Dinamarca – 45 ouros

29ª: Espanha – 44 ouros

30ª: Bélgica – 40 ouros

31ª: Turquia – 39 ouros

32ª: Ucrânia – 35 ouros

33ª: Grécia – 33 ouros

34ª: Quênia – 31 ouros

35ª: Brasil – 30 ouros

36ª: Equipe Unida da Alemanha* - 28 ouros

37ª: Iugoslávia – 26 ouros

38ª: África do Sul – 25 ouros

39ª: Phelps – 23 ouros

39ª: Jamaica – 23 ouros

41ª: Etiópia – 22 ouros

42ª: Argentina – 21 ouros

* Equipes formadas para os Jogos ou de nações já extintas

No caminho da fama

Acreditava-se que os Jogos de Londres, em 2012, seriam o auge do atleta, mas a fama acabou se mostrando mais um obstáculo para Phelps. Um ano após a fantástica apresentação na China, uma foto do nadador usando um bong (aparelho utilizado para se fumar cannabis e outras ervas) viralizou na Internet. Ele foi suspenso por três meses e perdeu seu maior patrocinador.

Foi o estopim para uma mudança radical no comportamento do atleta. O temperamento difícil somado aos novos hábitos de celebridade resultariam em um desgaste com Bob Bowman, seu treinador desde os 11 anos de idade, considerado pelo nadador como um segundo pai. A relação seguiu ruim até a Olimpíada de 2012, mas, para disputar a competição, os dois mantiveram a crise em segredo. O momento conturbado não impediu Phelps de conquistar mais quatro ouros e duas pratas e chegar à marca de 22 medalhas, 18 de ouro: se tornou o maior medalhista da história dos Jogos Olímpicos, superando Larissa Latynina, ginasta da antiga União Soviética entre 1956 e 1964, com 18.

A consagração não era o suficiente para fazê-lo feliz nadando: o norte-americano decidiu se aposentar após Londres. Ele mesmo conta, porém, que a sensação de alegria na aposentadoria duraria pouco. Em 2013, decidiu retornar às águas e pediu a Bowman para voltar a treiná-lo. Relutante, o antigo técnico aceitou, mas uma nova recaída tornaria tornou praticamente impossível a participação de Phelps em mais uma olimpíada: foi preso em setembro de 2014 pela segunda vez por dirigir alcoolizado. Suspenso por seis meses e fora da equipe norte-americana na Copa do Mundo de Natação de 2015, ele era considerado carta fora do baralho para a Rio 2016.  Na fase classificatória, ele mostraria que ainda podia surpreender: venceu os 200m borboleta, os 200m medley e os 100m borboleta na seletiva para os Jogos do Rio, e, assim, garantiu vaga para a quinta e - e ele diz última - Olimpíada.

Ser porta-bandeira dos Estados Unidos na cerimônia de abertura já seria homenagem suficiente para o maior nadador de todos os tempos, mas ele queria mais. Os resultados na Rio 2016 deram a Phelps o fim de carreira de ele sonhava. Individualmente, chegou à 13ª medalha de ouro, o que o levou a quebrar um recorde de 2160 anos, superando Leônidas de Rodes, um dos mais famosos atletas olímpicos da Antiguidade, que havia conseguido 12 ouros no atletismo, até então o recorde de vitórias individuais da história das Olimpíadas.

"Estes Jogos são a cereja que queria colocar no meu bolo", disse Phelps, que quer tempo agora para ver seu bebê, Boomer, crescer, e ficar com a família - antes do Rio, Phelps também se reaproximou do pai, Fred. O desafio do rei das piscinas é encontrar um lugar confortável para sua vida fora dela. Já falou em lutar por boas condições para nadadores pelo mundo e até ser professor de natação ou salva-vidas. "Quero que as crianças estejam mais seguras na água. Se posso ensiná-los a nadar, será um grande êxito."

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS