Duras críticas nos EUA a Ryan Lochte e aos nadadores norte-americanos pelo incidente no Rio

Críticas unânimes aos atletas que se envolveram em escândalo durante a Olimpíada do Rio

Dois dos quatro nadadores envolvidos no incidente do Rio.
Dois dos quatro nadadores envolvidos no incidente do Rio.Mauro Pimentel (AP)

Mais informações

Esta não é a primeira vez que Ryan Lochte protagoniza um escândalo. O nadador já tem antecedentes: em 2005 e em 2010 foi acusado de desordens e de urinar num estabelecimento público, algo que lhe custou a perda de patrocínios dos Jogos de Londres em 2012, aos do Rio neste ano. Depois desse incidente, pode perder outros mais. A Speedo, empresa que fabrica produtos para natação e um dos patrocinadores do nadador norte-americano, divulgou um comunicado, segundo a rede CNN, em que diz estar “acompanhando a situação”, mas avisa que não fará comentários sobre seu apoio ao atleta até que a investigação seja concluída.

Com as últimas informações, vários jornalistas e líderes de opinião criticaram os nadadores pelo escândalo. Abaixo, reunimos algumas reações.

O apresentador da rede ABC, T. J. Holmes, reclamou da falta de respeito dos atletas, que acusa de atenuar a importância das vitórias da equipe dos EUA nos Jogos Olímpicos no Rio. “Quase acontece um incidente internacional e os resultados de outros atletas ficaram eclipsadas porque alguns caras tinham que fazer xixi”, disse ele no Twitter.

Glenn Greenwald, o jornalista norte-americano que descobriu o caso Snowden e que mora no Rio, sugere que muitas pessoas confiaram cegamente na história de Lochte por ser um homem branco bem-sucedido contando uma história de violência numa cidade em vias de desenvolvimento com alta taxa de criminalidade.

Brian Winter, vice-presidente de política do Conselho das Américas, um laboratório de ideias focalizado em questões da América Latina, também não poupou críticas. Winter comentou ao diário The New York Times que essa história alimenta um estereótipo de “gringos (referindo-se aos norte-americanos) que tratam o país (Brasil) como um país de terceira”, que é um destino de férias e de depravação para universitários norte-americanos, “e onde se pode mentir para a polícia sem nenhuma consequência”.

A senadora democrata Dianne Feinstein, da Califórnia, enfatiza em entrevista à CNN que os atletas olímpicos são embaixadores e representantes do seu país assim como os diplomatas. “Não deveriam estar andando pelas ruas às quatro da manhã, bebendo e farreando”, afirma.

Mike Vaccaro, veterano jornalista esportivo e editor dessa seção no jornal The New York Post, resume todas as críticas num artigo em que acusa Lochte de reforçar o estereótipo mencionado por Greenwald, um sentimento de superioridade do norte-americano quando está fora do seu país.