Papa Francisco

Primeiros gestos de abertura do Vaticano para as mulheres

Papa Francisco começa a dar passos para avançar na chamada "teologia da mulher"

O Papa em sua reunião com as madres superioras.
O Papa em sua reunião com as madres superioras.

O papa Francisco queria há pelo menos três anos fazer uma "profunda teologia da mulher" para estudar o modo como o seu papel dentro da Igreja pode ser cada vez mais importante. Poucos passos haviam sido dados nessa direção desde que compartilhara a ideia na viagem de volta da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, em 2013, mas as mudanças começam a chegar.

Mais informações

"Não nos podemos limitar às mulheres coroinhas, à presidenta da Caritas, à catequista. Tem que haver algo mais. É preciso fazer uma profunda teologia da mulher", defendia Jorge Mario Bergoglio. Acrescentava então que "a mulher na Igreja é mais importante que os bispos e os padres", mas é necessário estudar o assunto e explicar melhor a mensagem. Voltou ao tema em maio, quando falou de novo na maior tomada de responsabilidades pelas mulheres. "O papel da mulher na Igreja não é feminismo, é correto. É um direito de todos os batizados", afirmou.

Seguindo essa ideia, faz justamente um mês decidiu nomear uma mulher como sua vice-porta-voz. É a jornalista espanhola Paloma García Ovejero, de 40 anos, a primeira mulher na história encarregada de transmitir a mensagem do Papa. É um dos gestos que mostram que Francisco quer um Vaticano com cada vez menos italianos, mais laicos e mais mulheres.

Outro passo na direção de aumentar a responsabilidade das mulheres dentro da Igreja chegou no início deste mês, com a criação de uma comissão para estudar a possibilidade de chegarem ao diaconato. Para o Papa, as mulheres diaconisas são "uma possibilidade nos dias de hoje", por isso, determinou que seja estudado seu papel ao longo da história e na atualidade.

O diaconato é o grau inferior da hierarquia católica, abaixo do sacerdócio. De fato, para os diáconos homens é permitido se casar, sempre que mantenham uma vida em conformidade com os valores cristãos. Um diácono se encarrega de tarefas administrativas e de serviços rotineiros, mas também tem responsabilidades que representariam uma verdadeira mudança no caso de serem realizadas por mulheres: podem administrar o batismo e o casamento, auxiliar na missa, distribuir a eucaristia (mas não consagrá-la) e dirigir uma paróquia.

A decisão do estudo nasceu de forma espontânea em 12 de maio de um encontro que o Papa teve com as religiosas participantes da Assembleia Plenária das Superioras-Gerais no Vaticano. "Por que não criar uma comissão oficial que estude o assunto [das mulheres diaconisas]?", perguntou uma religiosa, irmã Paola, ao Papa. Francisco achou que era uma boa ideia e criou a comissão em agosto. A religiosa disse estar "verdadeiramente contente pelo passo do papa", já que, afirma, "as mulheres há muito tempo vêm entrando na Igreja sem reconhecimento, dando uma grande ajuda aos sacerdotes e enfrentando os muitos problemas que podem existir em uma paróquia".

O diaconato das mulheres poderia ser um ponto de desentendimento entre os fiéis do Papa e os setores mais conservadores. Não significaria, em absoluto, que as mulheres pudessem ser sacerdotes, uma porta que "está fechada". "Quanto à ordenação das mulheres, a Igreja falou e disse não. Quem disse isso foi João Paulo II, mas com uma formulação definitiva. Essa porta está fechada", disse Francisco.

De fato, há mais de 120 mulheres ordenadas sacerdote no mundo e que foram excomungadas pela Igreja Católica. Pertencem à Associação de Mulheres Sacerdotisas Católicas Romanas, cujo objetivo é "alcançar a plena igualdade para todos dentro da Igreja como uma questão de justiça e a fidelidade ao Evangelho". Hoje fazem parte dela 124 mulheres sacerdotisas e 10 mulheres bispas. Estas últimas são as que ordenam as sacerdotisas. Contam que as primeiras mulheres bispas foram ordenadas por um homem, bispo da Igreja Católica.

"O Vaticano argumenta que estamos excomungadas. No entanto, nós não aceitamos isso e afirmamos que somos membros fiéis da Igreja", dizem na associação. Sua esperança é que, com o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, o Papa lhes outorgue o perdão.