Jogos Olímpicos

Tinder leva o ouro na Rio 2016

No primeiro fim de semana de competições, uso do aplicativo aumentou 129% na Vila Olímpica

Vila Olímpica no Rio de Janeiro.AP

MAIS INFORMAÇÕES

"O que acontece na Vila Olímpica começa no Tinder", poderia ser o melhor slogan para descrever o que acontece no Rio de Janeiro quando os melhores atletas do mundo param de competir. Neste ano, o Comitê Olímpico Internacional distribuiu 450.000 preservativos masculinos e 100.000 femininos para as delegações olímpicas, o que significa uma média de 42 preservativos por atleta.

Parecia um exagero, mas talvez não seja, a julgar pelos dados fornecidos pelo aplicativo de paquera Tinder. "Durante o fim de semana, os matches na Vila Olímpica cresceram 129%, e supõe-se que a tendência continue durante os Jogos Olímpicos", disse Rosette Pambakian, vice-presidenta da agência Global Communications & Branding.

A conta do Instagram @sportsswipe se dedica a compilar perfis de atletas olímpicos no Tinder. É o caso do italiano Giuseppe Vicino, da equipe de remo, e de Jessy Kramer e Cornelia Groot, da equipe de handebol da Dinamarca. Quem tem conta premium no Tinder podem dar um match em Anna Wierzbowska, da equipe polonesa de remo, e no nadador norte-americano Ryan Lochte. Lochte, de 32 anos, não tem vergonha de dizer que é usuário fiel dos aplicativos de paquera. "No Bumble, são as meninas que precisam tomar iniciativa, e não gosto muito disso. Então saí. Decidi baixar o Tinder porque ouvi falar que foi um sucesso em Sochi (Olimpíada de Inverno de 2014) e pensei: 'Vou experimentar'. E agora penso: 'Uau, isto é perfeito'", contou ele numa entrevista à revista Cosmopolitan.

Os escândalos sexuais entre os atletas são bem conhecidos ao longo da história, embora a paquera entre os atletas tenha ficado mais simples desde que surgiram os aplicativos românticos. A goleira de futebol Hope Solo, dos EUA, já contava que em outras edições dos Jogos chegou "a ver pessoas fazendo sexo ao ar livre". "Distraíamos os seguranças com as nossas medalhas e levávamos gente para os quartos", revelou, referindo-se à Olimpíada de Londres 2012. Não por acaso, os aplicativos Tinder e Grindr tiveram falhas em seus servidores durante a Olimpíada passada por causa da quantidade de novos usuários.

Isso se repetiu em Sochi 2014. "Acho que a primeira coisa que fizemos quando chegamos à Vila Olímpica foi nos cadastrar no Tinder", disse o esquiador britânico Gus Kenworthy.

No Rio, além do Tinder funciona o aplicativo Olympic Athletes Hub, exclusivo dos atletas. Os protagonistas publicam fotos onde aparecem praticando seu esporte, seja numa quadra, pista ou piscina. Embora o objetivo seja comunicar resultados e notícias dos Jogos, há alguns que aproveitam para iniciar conversas pessoais no chat privado.

"Os Jogos Olímpicos são um momento muito carregado de sexo", disse Julie Spira, uma especialista em aplicativos de paquera, à rede de TV CBS. "Os atletas são jovens, e agora a popularidade desses aplicativos cresceu barbaramente." Neste ano no Rio, os atletas buscam não só medalhas nas suas modalidades – correm atrás também do ouro no Tinder.

Arquivado Em: