Novo caso de brutalidade policial contra um negro, agora em Miami

Homem indefeso recebeu três tiros quando ajudava um autista

Vídeo: El Pais VIDEO

O terapeuta Charles Kinsey cometeu "dois erros" ao mesmo tempo: ser negro e querer ajudar seu paciente. Eles poderiam ter custado sua vida na Miami (Estados Unidos) de hoje.

Mais informações
Luto e dúvidas se abatem sobre Baton Rouge após a morte de três policiais
Os hispânicos, vítimas silenciosas da violência policial nos EUA
Atirador abre fogo e três policiais morrem nos Estados Unidos
Pelo menos três mortos em tiroteio em um tribunal em Michigan

Em meio a crescente tensão racial após os assassinatos de Dallas, Minnesota e Baton Rouge, o incidente de segunda-feira deixa novamente os ânimos exaltados.

O tiroteio que inquietou a comunidade afro-americana ocorreu quando Kinsey, de 47 anos e terapeuta de profissão, foi buscar um paciente autista de 23 anos que havia escapado do centro no qual recebia tratamento. Quando o encontrou na rua, o inofensivo paciente – de pele branca – brincava na calçada com um caminhão de brinquedo. Kinsey se sentou ao lado dele para convencê-lo a voltar tranquilamente ao hospital.

Na paranoica Flórida de hoje a atitude pareceu suspeita a um morador que chamou a polícia para denunciar que um homem ameaçava se matar na rua, de acordo com a imprensa norte-americana. Com a área interditada, a polícia pediu a Kinsey que levantasse as mãos e não fizesse movimentos suspeitos. O terapeuta seguiu à risca as ordens, mas não o jovem paciente que continuava concentrado em seu caminhão alheio ao que ocorria ao seu redor. “Tudo o que ele tem nas mãos é um caminhão de brinquedo, um caminhão de brinquedo”, repetia aos gritos. “Sou um terapeuta em um centro de ajuda”, identificou-se o cuidador.

“Senhor, por que atirou em mim?”, falou depois. “Mas eles responderam que não sabiam”.

Poucos minutos depois Kinsey – o negro – recebeu três tiros na perna enquanto o paciente – o branco – continuava atônito ao lado dele. A cena, gravada com um celular, foi amplamente divulgada nas redes sociais. A comunidade negra ficou indignada não só pelos disparos injustificados, mas pelo tratamento recebido pela vítima já que o terapeuta foi algemado enquanto sangrava à espera da ambulância.

“Quando fui baleado foi tão surpreendente como uma picada de mosquito”, disse Kinsey no hospital à rede de televisão WSVN. “Minhas mãos estavam para cima quando senti o tiro”. No momento em que se aproximaram, só perguntei: “Senhor, por que atirou em mim?”, falou depois. “Mas eles responderam que não sabiam”.

A polícia disse ao The Miami Herald que tentou negociar com os dois homens na situação e mesmo tendo afastado da corporação os policiais envolvidos, não deu uma explicação convincente.

O assassinato de dois negros pela polícia nos Estados Unidos a duas semanas atrás causou uma onda de mortes de policiais. O primeiro caso, em Dallas, deixou cinco policiais mortos. Posteriormente mais três foram baleados em Baton Rouge (Louisiana) por outro atirador negro.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS